quarta-feira, 29 de outubro de 2014

RESENHA: “Como Eu Era Antes de Você”, Jojo Moyes

Por Francine Estevão

Título: Como eu era antes de você
Título Original: Me Before You
Autora: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Lançamento: 2013
Páginas: 320

Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Além disso, trabalha como garçonete num café, um emprego que ela adora e que, apesar de não pagar muito, ajuda nas despesas. E namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou se vê obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, a ex-garçonete consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto e planeja dar um fim ao seu sofrimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.


Dois dos muitos aspectos que me fazem classificar um livro como excelente são: 1- quando ele não sai da minha cabeça por um bom tempo mesmo após o término da leitura e 2- quando eu sinto que ele mudou algo em mim. “Como eu era antes de você” é exatamente esse tipo de livro. Arrebatador, que tira o leitor da zona de conforto e do mundo cor-de-rosa dos romances, com começo, meio e fim pouco provável e bastante fora dos clichês dos romances aos quais estamos acostumados e completamente apaixonantes, uma característica da autora. Com uma história teoricamente triste, mas que arranca não só lágrimas como também muitos risos e que nos faz enxergar esperança e coisas boas em situações nas quais normalmente não conseguiríamos encontrar pontos positivos.

Jojo Moyes já me arrancou suspiros em “A última carta deamor” e desde então me prometi ler todos os livros que ela escrevesse. Demorei muito até tirar “Como eu era antes de você da minha estante digital, mas a autora comprovou que merece mesmo toda a minha atenção quando um novo título dela surgir à minha frente.

No princípio, fiquei um pouco receosa com a história, mas aos poucos fui me envolvendo com cada personagem e me apaixonando por cada um deles, suas características, manias e humores, e quando vi já estava lá, dentro da história de Lou e Will, personagens que ganham vida de verdade enquanto acompanhamos suas histórias e as mudanças que ambos causarão nas vidas um do outro.

Lou é aquela pessoa bastante conformada com sua vida pacata e sem ambições na vida, ainda assim uma personagem cativante. Will é o cara que tinha de tudo do bom e do melhor, mas de quem o destino tirou o básico para que ele fosse feliz, fazendo dele um personagem amargo. É após se conhecerem, quando Lou se torna cuidadora de Will, que embarcamos numa jornada de conhecimento e reflexão sobre as coisas que realmente têm valor na vida e de como é possível ir além quando se sabe como e com quem. E que nem sempre é possível se mudar o destino final, mas que podemos fazer o melhor do caminho até lá.


O livro, que em breve será adaptado pro cinema (leia aqui), ainda me lembrou bastante o filme “Intocáveis”, então se você também se apaixonou pelo filme, a leitura de “Como eu era antes de você” é mais do que indicada!

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Os dez livros mais marcantes no Brasil via Facebook

Por Maju Raz



Passeando pela blogosfera encontrei um post do blog Academia Literaria DF que achei muito legal compartilhar com vocês. Ele fala de uma brincadeira que começou no Facebook onde pessoas pediam para seus amigos listarem dez livros favoritos sem pensar muito. Estas pessoas indicariam outras dez mais para fazer o mesmo. Eu mesma participei da brincadeira, vejam meus livros:


1. Harry Potter - J.K. Rowling
2. Um Gato de rua chamado Bob - James Bowen & Street Cat Bob
3. O Diário de Anne Frank - Anne Frank 
4. Antes que o verão acabeRoh Dover
5. A Hora Da Estrela Clarice Lispector
6. Perdida - Carina Rissi
7. Um Conto do Destino - Mark Helprin 
8. O Código DaVinci - Dan Brown 
9. Apocalipse Zumbi - Alexandre Callari

10. O Medalhão Mágico - Mariana Lucera

Então o  grupo responsável pela análise de dados do Facebook resolveu analisar os dados dessa brincadeira e montou uma lista com os 10 livros mais amados no mundo.


Confiram quais são:


1. Harry Potter - J.K. Rowling
2. A Culpa é das Estrelas - John Green
3. O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry
4. A menina que roubava livros - Markus Zusak
5. A Cabana - William P. Young
6. Caçador de Pipas - Khaled Hosseini
7. Jogos Vorazes - Suzanne Collins
8. A Seleção - Kiera Cass
9. Coração de Tinta - Cornelia Funke
10. Bíblia

A lista original, com os livros mais marcantes mundialmente, ficou assim:

1. A série Harry Potter – J.K.Rowling
2. O Sol é para Todos, Harper Lee
3. O Senhor do Anéis, J.R.R. Tolkien 
4. O Hobbit, J.R.R. Tolkien 
5. Orgulho e Preconceito, Jane Austen
6. A Bíblia
7. O Guia do Mochileiro das Galáxias, Douglas Adams
8. A trilogia Jogos Vorazes, Suzanne Collins
9. O apanhador no campo de centeio, J.D. Salinger
10. O Grande Gatsby, F. Scott Fitzgerald 
11. 1984, George Orwell
12. Mulherzinhas, Louisa May Alcott
13. Jane Eyre, Charlotte Bronte 
14. A dança da morte, Stephen King 
15. E o vento levou, Margaret Mitchell
16. A Wrinkle in Time, Madeleine L'Engle
17. O conto da aia, Margaret Atwood
18. O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, C.S. Lewis
19. O Alquimista, Paulo Coelho
20. Anne de Green Gables, L.M. Montgomery

Qual a sua lista? Comente aqui com a gente :)

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

SORTEIO: “O Desafio de Ferro” - Magisterium, Cassandra Clare e Holly Black

Tem alguém que não esteja ansioso para ler “O Desafio de Ferro”, primeiro livro da série Magisterium, escrito por Cassandra Clare e Holly Black?

Como a Sociedade do Livro sabe que todo mundo está louco por esse lançamento da Novo Conceito, nós não poderíamos deixar você de pensar em vocês e resolvemos sortear um exemplar do livro **comemora**.

Se você não faz ideia do que estamos falando, confira:



Sinopse: Amigos e inimigos. Perigo e magia. Morte e vida. A maioria dos garotos faria qualquer coisa para passar no Desafio de Ferro. Callum Hunt não é um deles. Ele quer falhar. Se for aprovado no Desafio de Ferro e admitido no Magisterium, ele tem certeza de que isso só irá lhe trazer coisas ruins. Assim, ele se esforça ao máximo para fazer o seu pior... mas falha em seu plano de falhar. Agora, o Magisterium espera por ele, um lugar ao mesmo tempo incrível e sinistro, com laços sombrios que unem o passado de Call e um caminho tortuoso até o seu futuro. Magisterium - O Desafio de Ferro nasceu da extraordinária imaginação das autoras best-seller Holly Black e Cassandra Clare. Um mergulho alucinante em um universo mágico e inexplorado.


Para concorrer ao livro, é simples. Basta preencher o formulário e torcer os dedos!

O sorteio vai de 27 de outubro até 15 de novembro. Confira os termos e condições abaixo e boa sorte a todos!!!


a Rafflecopter giveaway

domingo, 26 de outubro de 2014

RESENHA "O Sangue do Olimpo" de Rick Riordan

Título : O Sangue do Olimpo
Título Original : The Blood of Olympus
Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Lançamento : 2014
Páginas: 432
Skoob


Sinopse: No desfecho da série Os heróis do Olimpo, os tripulantes gregos e romanos do Argo II têm feito progresso em suas constantes missões, mas ainda não estão nem perto de vencer a sanguinária Mãe Terra, Gaia. Os gigantes estão de volta mais fortes do que nunca , e os semideuses precisam impedi-los antes da Festa de Spes, momento em que Gaia planeja despertar, derramando o sangue do Olimpo.Para piorar, visões frequentes da terrível batalha no Acampamento Meio-Sangue assombram os sete semideuses. A legião romana do Acampamento Júpiter, comandada por Octavian, está se aproximando das fronteiras do acampamento grego. Por mais que seja tentador usar a Atena Partenos como arma secreta contra os gigantes, eles sabem que a estátua é necessária em Long Island, onde talvez consiga impedir uma guerra entre os acampamentos.A Atena Partenos irá para o oeste, enquanto o Argo II segue para o leste. Os deuses, ainda sofrendo com a dupla personalidade, não podem ajudar. Como os jovens conseguirão vencer sozinhos um exército de gigantes? A viagem para Atenas é perigosa, mas não há outra opção. Eles já sacrificaram muito para chegar onde estão. E se Gaia despertar, será o fim.


É o fim, galera. Foi lançado dia 07 de outubro o último livro da série "Os Herois do Olimpo". Pra quem não sabe, ela é uma continuação de "Percy Jackson e os Olimpianos", que foi um imenso sucesso e lançou Riordan como um mestre na arte de misturar  mitologia antiga aos dias atuais, tudo isso com muita aventura e emoção.




Eu, pessoalmente, sou mega fã do autor e gosto mais ainda de seus personagens (quem mandou criar pessoas como Percy Cabeça de Alga e Leo Valdez?), então estava meio preocupada em ter que deixá-los para trás. Esta é a primeira série que eu acompanho desde o início e vejo terminar e como li PJO com 13 anos, eu cresci e me apeguei a ele. Mas antes que vocês fiquem pensando que este será um post meloso e melodramático já adianto que não. O que mais me encantou nele foi que, apesar de ser o final, não me deixou depressiva. Há muito a ser dito, então, vamos do começo. 

"Os Herois do Olimpo" é narrado em terceira pessoa e cada capítulo assume o ponto de vista (point of viewde certo  personagem. Temos, assim, os pensamentos desse personagem mesclados às observações do narrador. Neste livro os POV's são 5 : Jason, Piper, Leo, Reyna e Nico.


Isso em si já é um problema, pois dois dos personagens mais queridos (não só por mim tá?), Percy e Annabeth, ficaram sem narração direta. Quando eu descobri fiquei triste e decepcionada, sem mencionar surpresa, já que nunca sequer havia imaginado a possibilidade (coisa de fã esperançosa). O livro acaba perdendo um pouco de apelo junto ao público cativo e entusiasmado ao não abordar (diretamente) suas personalidades mais célebres. Embora a decisão o autor seja compreensível, afinal de contas, Percy e Annie tiveram muito destaque nos livros anteriores e foram protagonistas de "Percy Jackson e os Olimpianos''  e dessa maneira podiam muito bem ceder mais espaço a outras figuras. Aliás, Rick Riordan frisou muito que, devido ao fato de HdO ter começado com Jason, Piper e Leo, também deveria terminar com eles, sendo assim, essa notícia, realmente, não deveria ter pego ninguém desprevenido (mas pegou, humpf).



O início dos capítulos com seus narradores.


Se a falta de certos POV's deixou muita gente reclamando, a adição de dois novos personagens à turma de narradores causou o efeito contrário. Desde que Riordan mencionara o fato em seu twitter, os fãs ficaram ansiosos para ler os pensamentos de Reyna e Nico, dois herois interessantes, carregados de mistério e que obviamente ainda não haviam mostrado toda sua força. Ou seja, despertavam muita curiosidade.

  
Esse é definitivamente o primeiro ponto positivo da obra. O autor consegue lidar muito bem com o carisma dos personagens e sua aceitação pelo público. Nico Di Angelo já era adorado pela maioria por sua persona sofredora, silenciosa e, de certa maneira, fofa. Mas cativou completamente os fãs com suas revelações no quarto livro, "A Casa de Hades'', o que tornou seus capítulos ainda mais necessários. Sério, o cara merecia muito um final final feliz e os leitores precisavam saber disso com mais detalhes. Reyna, por um outro lado, sempre mostrara ser uma semideusa muito forte mas existia ainda muita coisa desconhecida sobre ela,  principalmente sobre os fantasmas de seu passado. Descobrir tudo isso em seus POV's só fez que gostássemos ainda mais dela. Fica difícil não se apegar desse jeito né?
  
"Ela se obrigou a sustentar o olhar do gigante.
— Eu não me defino pelos garotos que podem ou não gostar de mim."
                                                                                                            Reyna - página 201 

No entanto, acho que o mais complicado (e digno de crédito) foi diminuir uma certa frieza distanciamento que alguns fãs sentiam em relação a Jason e Piper. O primeiro por ter uma imagem de perfeição meio bizarra, resultante de sua condição de filho de Júpiter, comportamento certinho e disciplinado. E é claro, também tinha algo a ver com o fato dele ter o péssimo hábito de desmaiar umas 5 vezes por livro. Aham, true story, rendeu até piada no livro, e, depois disso, nada mais de adormecer em plena missão e passar lutas inconsciente. Foi um bom jeito de tratar o problema e Jason (finalmente!) pôde ter boas ações e momentos adoráveis e inspirados. Especialmente com sua aproximação de Nico, isso foi encantador.



É isso aí, Jason, apenas tente não desmaiar.

Coube a Piper, no entanto, um papel mais destacado. O crescimento de sua figura já vinha desenhando-se sutilmente desde volumes passados, mas foi somente em "Sangue do Olimpo" que realmente percebemos a extensão de seus poderes. Afrodite pode ser subestimada, mas o amor e magia tem muita força, afinal, ela é a última filha de Urano, e como tal, é a deusa mais velha. A deusa do Amor e Beleza surgiu antes que de todos os outros e neste livro entende-se sua relevância.


Partindo agora para o enredo. O livro já começa com os semideuses descobrindo, pelo menos em parte, acerca dos desafios que enfrentarão. Aí temos um segundo problema, (se você não leu "A Marca de Atena" e "A Casa de Hades", cuidado, spoilers a frente), os obstáculos são basicamente os mesmos, falta de tempo, inimigos impossíveis de derrotar, armadilhas e armadilhas. Tá, até aí tudo bem, tratando-se de uma aventura isso é bem normal e Rick é muito bom em criar plots complicados para depois resolvê-os. Só que eu tive dificuldades em me envolver com os perigos já que eles simplesmente não pareciam nada comparados à queda de Percy e Annabeth ao Tártaro, lar e corte de todos os monstros, simplesmente o lugar aonde nenhum deus se atreveria a ir. Depois de jogar seus personagens principais no pior lugar imaginável e fazê-los enfrentar tudo aquilo, navegar até Atenas num prazo de 12 dias parecia fácil, e óbvio que todo mundo já sabia que os sete semideuses chegariam à Atenas para o confronto final com os gigantes e somente lá os verdadeiros perigos estariam esperando, ou seja, pra que se preocupar com monstros marinhos no meio do caminho?

Nesse caso, só dá pra se envolver mesmo com os sentimentos e conflitos pessoais dos personagens.

 
As capas dos livros anteriores.


Mas, enfim, não quero contar o final, que não é nada absurdo. Devo frisar que após um breve momento de "Quê? É esse o final? Como assim?" eu fiquei bem satisfeita com o desfecho dos personagens. Não, não há nenhum prólogo estilo "19 anos depois" ou algo do gênero. Apenas é dito quais são os planos dos semideuses, o que eles planejam fazer. É algo meio superficial na verdade. Nada de detalhes para a tristeza geral do fandom

Quando penso em todo mundo que eu ouvi reclamando sobre pontas soltas que o tio Rick deixou, eu entendo o motivo. Faltou algo mais completo, digamos. Eu descobri o mistério principal de "O Heroi Perdido" com 14 anos de idade (com mistério principal eu me refiro ao súbito aparecimento de Jason e o desaparecimento de Percy). Então, eu estou esperando a volta de PJ ao Acampamento Meio-Sangue, seu reencontro com a mãe, o padrasto, o melhor amigo, e o mentor Quíron desde esse tempo. Já foram 4 anos e eu tive que me despedir de "Os Herois do Olimpo" sem esses momentos. E tem os deuses também, que em matéria de governantes são um bando de idiotas convencidos, que só são melhores do que titãs e gigantes. Não há uma perspectiva quanto à futuras mudanças no comportamento dos deuses tão tangível quanto há em PJO. Em questão de final eu prefiro muito mais o "Desta vez não olhei para trás" de ''O Último Olimpiano" ao "Eles partiram para o desconhecido" de SdO. 
  
Okay, talvez a razão para esses finais mais abertos seja a nova série de mitologia nórdica que será lançada. Se eu entendi bem a pista deixada por Riordan em "Sangue do Olimpo" sobre esse novo heroi Magnus Chase, há motivos para acreditar que talvez ainda não tenhamos visto o último de PJ e cia (ou talvez seja apenas o que eu, fangirl assumida, queira acreditar, mas  fazer o quê, ossos do ofício.)
      
A nova série de livros do Rick Riordan a ser lançada em 2015.

A guerra contra os gigantes e Gaia não poderia ter terminado de outra forma, isso me parece inconcebível, e o tom mais obscuro é deixado para trás. O que mais me causava aflição nos livros anteriores eram as profecias e avisos cifrados sobre o futuro, todo aquele papo de "Você enfrentará um desafio e não sei se você estará a altura", "Você se verá em frente a um sacrifício que não poderá fazer, blah blah blah" . Obviamente, isso não existe mais em SdO, pois se trata do último livro e tudo deve terminar nele, nada de novas profecias e perigos eminentes (depois da batalha isso tá?). 

Concluindo, eu sei que alguns desses últimos comentários podem parecer bem desanimadores, algo meio "Poxa, nada do que você queria que acontecesse, aconteceu?" mas não é bem assim. Tirando os comentários acima, o autor amarrou inúmeros aspectos da trama. Retomou diversos personagens de maneiras surpreendentes, indo desde Calipso a Will Solace e o pégaso Guido. A narrativa permanece fluida e divertida. É um livro rápido, fácil e gostoso de ler. Como eu disse antes, nada de melancolia ao terminá-lo. O final é bem otimista. Coisas boas virão! 




PS: Para os fãs que ficaram inconformados apenas lembrem-se pelo menos o Rick Riordan não é carrasco, não matou metade dos personagens nem distribui sofrimento gratuito. "Sangue do Olimpo" não é o melhor livro das 5 obras, porém, como conclusão de série é infinitamente melhor do que muitas que lançaram por aí ;D . 

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

TAG: Os 5 livros que...


Não sei se essa TAG tem um nome ou não, por isso deixei assim no título. A Maju Raz, aqui do blog, me marcou nessa "brincadeira" no Facebook e eu resolvi responder por aqui. 
5 livros que quer muito ler:
Cem anos de solidão - Gabriel García Márquez

A playlist da minha vida - Leila Salles

Proposta Inconveniente - Patricia Cabot
As esganadas - Jô Soares
About a boy - Nick Hornby
5 livros que não tem e queria ter:
Se só me restasse uma hora de vida - Roger-Pol Droit
Segunda Chance - James Paterson
Antologia Poética de Fernando Pessoa
Eleanor & Park - Rainbow Rowell 
Fangirl - Rainbow Rowell
5 livros que leu por último:
Amy and Roger's Epic Detour - Morgan Matson
Para onde ela foi - Gayle Forman 
Como eu era antes de você - Jojo Moyes
Primavera eterna - Paula Abreu
Encontrada - Carina Rissi
5 blog (pessoas) pra fazer o mesmo

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

RESENHA: "Manual do mundo", de Alfredro Luis Mateus e Iberê Thenório

Por Maju Raz

Título: Manual do Mundo
Editora: Sextante
Ano: 2014
Páginas: 240

Sinopse: Diversão + educação. Essa foi a fórmula que o jornalista Iberê Thenório usou para criar um dos maiores canais de educação do YouTube. Com mais de 2 milhões de inscritos e 300 milhões de visualizações, o Manual do Mundo é uma série de mais de 600 vídeos que ensinam de tudo: desde dobrar uma camiseta em dois segundos até fazer um barco caseiro de papelão que leva quatro pessoas. Neste livro, escrito com o químico Alfredo Luis Mateus, foram selecionados os experimentos científicos mais divertidos e, ao mesmo tempo, simples de serem feitos em casa – muitos deles ainda inéditos no Manual do Mundo. Cabo de guerra sem corda. Pintura sem tinta. Caixa acústica sem eletricidade. Parece esquisito? Essas e outras experiências vão mostrar que é possível fazer muita coisa legal com materiais que estão escondidos na sua casa e que poderiam acabar indo para o lixo. Você vai tatuar frutas, usar uma lâmpada que não ilumina, moldar e reciclar plástico, soltar foguetes e experimentar com ímãs e reações químicas. Vai aprender a transformar um celular em projetor e em microscópio. Encontrará projetos para fazer coisas úteis, geringonças, jogos, mágicas para mostrar para os amigos. Vai fazer arte de um jeito diferente e se divertir na cozinha. Tudo isso com instruções passo a passo e muitas fotos explicando direitinho como se faz. E como sempre no Manual do Mundo, além de mostrar como construir, você encontra a explicação do que acontece, de um jeito bem fácil de entender. 

Esse livro já está sendo bem cobiçado aqui em casa. Primeiro que minha mãe tem medo de me dar coisas para fazer experimentos, sim, sou véia de guerra já, mas mesmo assim as pessoas tem medo da Maju desastrada (hehehehe) e segundo que meu irmão é um quase químico e quis testar algumas coisas.

Eu particularmente achei a ideia do livro muito massa! Tem vários elementos que servem pro dia a dia e outros para presentear alguém , passar o tempo e saber o funcionamento das coisas.

Adorei as explicações e ilustrações. O livro é dividido em dez partes que vai de acordo com os materiais que você usará nas experiências:

-Sublimes movimentos;
-Densidade épica;
-Água surpreendente;
-Admiráveis reações químicas;
-Fantásticos plásticos;
-Magnetismo inesperado;
-Eletricidade notável;
-Luz visionária;
-Som inspirado;
-Fenomenais arranjos moleculares.




É bem simples de se fazer tudo e os materiais são encontrados facilmente.

Fui tentar fazer uma geleca, mas não li direito e fiz errado (viu a preocupação da minha mãe agora?), então #Fail. Aí tinha acabado a água boricada e não pude refazer pra mostrar pra vocês L

Mas vou deixar aqui o meu fail pra vocês rirem.

video


Outra coisa que quero muito fazer e que ainda vou fazer pra mostrar pra vocês é transformar o celular em projetor. Sim! Isso é possível! Assim que meu celular chegar da assistência técnica (ô sorte!) eu faço e posto.




Um dos autores, Iberê, tem um canal no youtube chamado Manual do Mundo onde encontramos mais experimentos e novidades – dobrar camisetas em segundos, desenhar em bananas, química escolar aplicada etc. Clique aqui para acessar. 


O Globo titulou o autor deste livro o ‘Beakman brasileiro’. Em entrevista ao site Iberê disse "que a “intenção do canal é fazer com que as crianças e jovens adolescentes se apaixonem pela ciência assim como ele se apaixonou, na época em que brincava de alquimista na garagem do pai em Piedade, no interior de São Paulo. Quero despertar nos pequenos o interesse pelo lado divertido da química e da física, pelos efeitos mágicos dos experimentos. E, ao longo do tempo, essas crianças podem passar a fazer conexões com o dia a dia, com o que aprendem na escola, e se tornando verdadeiras cientistas — explica Thenório, cujo livro mira principalmente os estudantes do Ensino Fundamental 2, do 6º ao 9º ano. — Esse é o pessoal que vai poder conferir na prática o que aprende na escola."

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

RESENHA: "Para onde ela foi", Gayle Forman

Por Francine Estevão

Título: Para onde ela foi
Título Original: Where she went
Autora: Gayle Forman
Editora: Novo Conceito
Lançamento: 2014
Páginas: 239

Livro enviado pela editora para resenha.

Sinopse: Já faz três anos que o amor de Adam salvou Mia após o acidente que mudou a vida dela. Três anos desde que Mia saiu da vida de Adam para sempre. Vivendo agora em lados opostos do país, Mia é um talento em ascensão na Julliard, a conceituada escola de música, e Adam é o típico astro do rock de Los Angeles, com direito a notícias nos tabloides e uma namorada-celebridade. Quando Adam se vê sozinho em Nova York, o acaso reúne o casal mais uma vez. Por uma noite. Com a mesma força dramática de Se eu ficar, agora pela voz de Adam, Para onde ela foi expõe o desalento da perda, a promessa de esperança e a chama do amor que renasce.

A princípio, quando li “Se eu ficar”, não esperava que houvesse uma continuação. Mas o final do primeiro livro foi tão impactante e eu me envolvi tanto com a história que não via a hora de ler o que viria a seguir. Fiquei bastante decepcionada com o que a autora fez da história. Há menos emoção, menos alegria, menos amor. Há menos de tudo neste segundo livro que mescla o presente, momento em que Adam e Mia se reencontram e passeiam por NY, com flashs do passado recente, desde o acidente de Mia, para contar como foi que chegaram até ali. E talvez por isso o livro tenha se tornado maçante. Com Adam a frente da narrativa, o livro se concentra na parte dele da história. Como ele chegou ali, como ele ficou famoso, os caminhos dele, os sentimentos e sofrimentos dele. Mas eu esperava que a história continuasse com Mia à frente. Eu queria ver tudo o que aconteceu com ela depois do coma. Como ela estava se sentindo sem a família. Como ela conseguiu retomar sua vida normal depois de tudo o que perdeu. Mas a parte dela da história é bastante breve, enquanto ela conta tudo, resumidamente, para Adam. Senti falta da Mia que me cativou tanto no primeiro livro.


Com a mudança de ponto de vista, a autora deixou muito a desejar. A história parece se desconectar de tudo que conhecemos no primeiro livro. Não que haja erros de continuidade, nem falhas desse tipo. Pelo contrário, há inclusive repetições que são extremamente desnecessárias – Hello! Nós lemos o primeiro livro! O problema é que a história ficou um pouco maçante pelo ponto de vista do então namorado de Mia.

Ele, que já não era meu favorito desde o primeiro livro, mas que havia ganhado minha atenção pela forma como se relacionava com Mia e com a família dela, ficou um personagem pesado, sem nada a acrescentar, e ainda assim a história é quase toda sobre ele.

Apesar de tudo isso, “Para onde ela foi” tem seus pontos altos. Quando Adam e Mia se reencontram e passam uma noite/madruga inteira perambulando por Nova York, é possível resgatar um pouquinho daquela paixão que sentimos por eles na primeira parte da história. Consegui ver a mesma Mia de antes nesta Mia de depois, muito mais calejada pela vida. E por isso não concordei com a decisão de Gayle de colocar o livro nas mãos do Adam e naquilo que ele se transformou depois do acidente com a família de Mia. Até parece que tudo aquilo afetou a ele muito mais do que a ela.

“Para onde ela foi” se passa alguns anos depois de Mia acordar do coma. Ela entrou em Julliard e deixou Adam para trás aos poucos, mas sem dar nenhuma satisfação a ele do motivo pelo qual o estava se afastando. E agora ela é uma violoncelista de sucesso. Ele, depois de passar por um momento difícil com o afastamento dela, voltou para sua banda, a Shooting Star, e daí para o sucesso e as muitas mulheres em sua vida foi um pulo rápido. Mas apesar da fama, ele continua passando por uma fase difícil. Toma medicamentos para “sobreviver” dia após dia e lida mal com a fama. Até o dia em que, casualmente, os dois se encontram e algumas verdades e esclarecimentos vêm à tona.


sexta-feira, 17 de outubro de 2014

RESENHA "Superação" de Nick Vujicic

Por Maju Raz

Título: Superação
Título Original: Limitless
Autor: Nick Vujicic
Editora: NovoConceito
Ano: 2014
Páginas: 160

Sinopse: Nick Vujicic sabe que não existe esperança maior do que confi ar nos planos de Deus para a sua vida. Nascido sem os braços e as pernas, Nick já vivenciou picos de confiança e também já se entregou ao desespero. E ele superou todas as circunstâncias e barreiras físicas ao abraçar sua fé e compreender o amor sem limites e o poder que Deus concede a todas as pessoas. Agora, Nick deseja que você renove a sua esperança. Em 50 reflexões inspiradoras, ele compartilha uma sabedoria eloquente, adquirida da maneira mais penosa, para ajudar você a encarar os obstáculos com serenidade e coragem. 
Encontre a motivação que buscava para vencer as dificuldades em qualquer área da sua vida: dúvidas sobre a sua fé, problemas de relacionamento, dificuldades no campo profissional, questões ligadas à saúde ou à autoestima. A atitude positiva deste palestrante admirado em todo o mundo e o seu encorajamento baseado na Bíblia irão transformar sua vida e mostrar que você pode superar qualquer limitação, porque Deus não conhece limites.



“Não há sentido em ser completo do lado de fora, quando se está quebrado no interior.”



Nicholas James Vujicic nasceu com uma síndrome rara chamada Tetra-amelia e passou por vários perrengues na vida. Já tentou se suicidar e pensou que nada tinha sentido na vida, mas foi um vencedor e superou todas suas dificuldades. Quando completou dezessete anos fundou sua própria organização sem fins lucrativos ao qual deu  o nome de Life Withou Limb (Vida sem membros). Também frequentou a Faculdade e se formou com bidiplomação em contabilidade e planejamento financeiro. Hoje é casado e tem um filho muuuito lindo e fofo e  é palestrante motivacional.

Eu simplesmente achei muito fofo “Superação” de Nick Vujicic. Nos seus outros livros Nick mostra como superou suas provações e dificuldade da vida – com a certeza que nasceu com algum propósito. Nesse livro ele aborda mais a parte religiosa com passagens bíblicas misturadas a reflexões inspiradoras e palavras de superação.



Muitas pessoas criticam esse tipo de leitura, um misto de religiosidade com autoajuda. Eu era uma delas até conhecer Nick. Ele me encantou com seu modo simples de narrar suas histórias e não impor nada a ninguém. Ele faz você se questionar: até onde vale a pena investir em algo que te faz mal? Onde você deposita sua fé? Você é mesmo incompleto só por que é imperfeito? Ele te fisga com uma frase de efeito, uma história de amor e de fé. 

É um daqueles livros que você pode presentear mãe, vó, amigos religiosos e pra aqueles que precisam de apoio em alguma parte da vida. É necessário maturidade para ler este livro e reconhecer o carisma e realidade que o autor nos passa. Um livro maravilhoso e construtivo que vai renovar sua alma e suas esperanças.

Adoro essa música! :)


Leia um trecho do livro aqui.




quinta-feira, 16 de outubro de 2014

RESULTADO DO SORTEIO: "O Retrato", de Charlie Lovett

Mais um sorteio chegando ao fim na Sociedade do Livro. Desta vez, a ganhadora vai receber um exemplar de "O Retrato", de Charlie Lovett, da editora Novo Conceito. 



Confira o post original do sorteio aqui.

E a ganhadora é...



Parabéns, Sabrina Caparros. Você receberá um e-mail da Sociedade do Livro e terá 3 dias corridos para responder com seus dados (conforme os termos e condições do sorteio). Se não recebermos seu retorno no prazo, um novo ganhador será escolhido. 

Obrigada a todos que participaram. Parabéns à ganhadora. E fiquem atentos aos próximos sorteios :)


quarta-feira, 15 de outubro de 2014

RESENHA: "Primavera Eterna", Paula Abreu

Por Francine Estevão

Título: Primavera Eterna
Autora: Paula Abreu
Editora: Arqueiro
Lançamento: 2014
Páginas: 128


Livro enviado pela editora para resenha.


Sinopse: Maia é uma jovem publicitária bem-sucedida. Tem um emprego estável, um namoro estável, uma vidinha estável. Até demais. Certo dia, tentando imaginar como seria sua vida no futuro, o casamento, os filhos, visualiza duas crianças loirinhas correndo... Loirinhas? Então ela se dá conta de onde vem aquela cor de cabelos: Diogo, o menino por quem se apaixonou à primeira vista aos 12 anos, numa cidadezinha do interior, onde costumava passar os fins de semana com a família. Acontece que ele se mudou para os Estados Unidos há mais de dez anos, e a essa altura da vida, já nem deve se lembrar mais dela. Mesmo assim, num impulso, Maia pede férias na agência, inventa uma viagem de trabalho como desculpa para o namorado e vai para Nova York, atrás do seu primeiro amor. Primavera Eterna é a história de uma jovem cheia de sonhos esquecidos, que ousa arriscar tudo o que tem e acaba encontrando a si mesma.


Li “Primavera eterna” em dois dias (ou melhor, duas sentadas). Além de ser curtinho, a história, com o jeitão de “crônica” daquelas que a gente ama ler todos os dias no jornal, é uma delicinha e a leitura flui rapidamente enquanto passamos apenas um dia na vida de Maia. Um dia muito importante na história da Maia do passado, do presente e do futuro.

"As tragédias gregas sempre se passam no espaço de um dia. É em um dia especial que o herói rememora a sua vida e percebe que tudo aconteceu para que fosse conduzido àquele dia trágico quando, enfim, encontra o seu destino. Mas o livro de Maia não é trágico; ao contrário, tem humor. E o humor é a forma mais generosa de lidar com a tragédia. Quando Maia nos leva ao fundo do seu sofrimento e ao  mesmo tempo o ridiculariza, transforma a vida em picadeiro e lá todos nós já fizemos o nosso número - quem não foi ridículo quando amou?" (p. 120)

Ela e Diogo se conheceram ainda crianças, mas o garoto foi o primeiro amor de Maia, aquele que ela nunca esqueceu mesmo com o passar dos anos e com a distância que se impôs entre os dois depois da mudança dele para Nova York com os pais sem dar tempo de se despedirem.

Nos anos que se passaram, Maia escreveu muitas cartas pra Diogo declarando seu amor por ele. Mas não recebeu nenhuma resposta, nunca. Uma vez, quando ele visitava o Rio, combinaram de se encontrar, mas ele não apareceu e ela ficou esperando sozinha por horas.

Mesmo depois de tudo isso, ao se imaginar mãe de duas crianças loiras e se dar conta de que a cor do cabelo dos futuros filhos tinha tudo a ver com Diogo, a bem comportada publicitária de sucesso, resolveu dar um tempo em tudo e partir para Nova York para reencontrar o rapaz.

Cheia de dúvidas sobre com o que iria se deparar caso Diogo aparecesse no local em que marcaram de se encontrar, revisitamos alguns momentos do passado de Maia, de sua história com o seu primeiro amor, de seus relacionamentos, de sua vida profissional, e de como foi que ela chegou até ali sem se esquecer dele, mesmo que sua imagem já não estivesse mais tão nítida na memória de Maia depois de 15 anos. E criamos, nesse meio tempo, uma ideia de quem é Diogo e do que ela poderá encontrar depois de tanto tempo.

Adorei a forma como a autora, Paula Abreu, conduziu a história. Me pareceu algo tão real que me fez ter a sensação de que ela contava uma história verídica. Além disso, me fez pensar um pouquinho nessa nossa mania de viver presos ao passado e de encontrar esperança nem que seja em uma linha tão fina. E será mesmo que “é o primeiro amor que nos move por toda a vida?”?


segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Lançamento de "Pó de Lua" em Ribeirão Preto

Por Francine Estevão



No último sábado, 11/10, a autora Clarice Freire esteve em Ribeirão Preto, na Livraria da Travessa do Ribeirão Shopping, para lançar seu primeiro livro, "Pó de Lua", da Editora Intrínseca.



Dividido entre as quatro fases da lua, o livro traz textos curtos que trabalham bastante com o jogo de palavras e com o visual. Poesia moderna em texto e em desenho. Um livro extremamente fofo no qual acompanhamos o olhar especial de Clarice sobre coisas, situações, sentimentos, objetos e com o qual nos identificamos e refletimos. 



Clarice, que está conquistando leitores de todas as idades por onde passa, chegou à Livraria da Travessa do Ribeirão Shopping atraindo os olhares dos fãs que já aguardavam na fila. A autora inicialmente tímida, foi se soltando aos poucos enquanto batia um papo breve com os primeiros leitores da fila, aos quais foi conquistando com seu jeitinho meigo, simpático e com o forte sotaque pernambucano. 



A autora de traços e versos suaves pediu para que o pessoal desse a volta na mesa e ficasse ao lado dela, porque à frente estava muito longe para abraços e fotos. E enquanto conversava atenciosamente com cada um que se aproximava, mostrava o quão a vontade se sente com uma caneta na mão e uma página em branco, fazendo com que os autógrafos - com nome e diferentes recadinhos para cada leitor - ficassem com cara de que faziam parte do livro.

Autógrafo à esquerda e página original do livro à direita. 


Além da atenção de Clarice Freire com os leitores, chamou a atenção de quem participou do evento os cuidados com os detalhes. Os marcadores de papel e de alumínio e "cartões postais" todos personalizados. Tudo de muito bom gosto complementando o trabalho tão delicado que a editora fez com o livro. 




sexta-feira, 10 de outubro de 2014

[TAG] Taylor Swift Book Tag

Quando estava lendo o post com a TAG no blog da Babi Lorentz começou a tocar Taylor Swift (#Iknowyouretrouble) e então me senti quase que obrigada pelos deuses da coincidência a responder a TAG aqui no blog também.

O objetivo é citar um livro de acordo com cada uma das 12 músicas listadas na TAG.

Então...aqui vamos nós!



1.We Are Never Ever Getting Back Together – Um livro que você amava muito, mas aí ele piorou e você teve que cortar relações com ele: “Não se apega não”, Isabela Freitas – Todo mundo falando bem desse livro, 1001 quotes destacadas por ai e um livro quase sem espaço para novos post its serem adicionados. Como não se interessar? As primeiras páginas foram uma maravilha, mas não demorou muito para eu começar a achar a personagem principal cheia de frescuras, o livro bastante contraditório e completamente sem graça. Não aguentei nem passar da metade.

2.Red – Um livro com uma capa vermelha: “Perdão, Leonard Peacock”, do Matthew Quick. Porque é impossível não apaixonar por essa história e não se tornar fã do autor.

3. The Best Day – Um livro que te faça sentir nostálgico: A série “O Diário da Princesa” com certeza me deixa nostálgica. Marcou minha adolescência e a fase em que eu comecei a pegar gosto de verdade pela leitura.

4. Love Story – Um livro que tenha um amor proibido: “O céu vai ter que esperar”, Cally Taylor, por motivos de tempo-espaço. Leiam! História linda e divertida!

5. I Knew You Were Trouble – Um livro que você não conseguiu evitar de se apaixonar pelo bad boy/vilão:  Don Corleone de "O poderoso Chefão", clássico tanto no cinema como na literatura.

6. Innocent (written b/c of Kanye West) – Um livro que alguém estragou o final dele pra você (spoiler): Não sou muito encanada com spoiler, então não consegui encontrar nenhum livro que tenha tido o final estragado por um. Mas “Cuco”, Julia Crouch, foi um livro com final que eu amei e que algumas amigas odiaram e depois de tanta discussão, acabei ficando na dúvida e por isso estragaram todo o lado bom do final da história.




7. Everything Has Changed – Um personagem de um livro que passou por uma grande mudança: Landon Carter de “Um amor para recordar”, Nicholas Sparks. Como não amar???

8. You Belong With Me – O lançamento mais esperado por você no momento: Pode ser um futuro lançamento? Por que juro que não vejo a hora da Meg Cabot lançar o 7º livro da série “Mediadora” (to esperando por isso desde o dia que li a última palavra do sexto livro. #OMJesse

9. Forever and Always – Um casal favorito de um livro: Pegeen e Edward de “A Rosa do Inverno” da Patricia Cabot. Lindos lindos lindos!!!!

10. Come Back, Be Here – Um livro que você não gosta de emprestar por não querer sentir saudades dele: “Jane Eyre”, da Charlotte Brontë. Comprei o meu exemplar num sebo e ele já é bem velhinho e tem aquela cara de “história além da história”. Não empresto pra ninguém!

11. Teardrops On My Guitar – Um livro que te fez chorar muito: Não sou de chorar lendo, mas “O Presente”, da Cecelia Ahern, me tocou de uma forma sobrenatural que me peguei soluçando em algumas partes.

12. Shake It Off – Um livro que você ama muito e que você não tá nem aí pros haters dele: Essa foi difícil. Pensei, pensei e não cheguei a lugar algum. Então resolvi citar alguns autores. Como sou jornalista e já passei de uma certa idade, muitas pessoas do meio em que vivo, principalmente do meio profissional, julgam algumas das minhas escolhas literárias como Meg Cabot, Nicholas Sparks, e Cia. Haters gonna hate o tanto que quiserem que eu vou continuar lendo todos esses e muitos outros autores do tipo.