quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Sociedade do Livro na 23ª Bienal Internacional do Livro São Paulo

Por Maju Raz



Hoje é quinta e...AMANHÃ COMEÇA A BIENAL! UHUL! Quem tá animado põe o dedo aqui que já vai fechar e nunca mais vai a-brir! Ok, estou empolgada.

Este ano Sociedade do Livro VAI marcar presença na Bienal. Em 2012 estivemos na 22ª Bienal Internacional do Livro em São Paulo. O ano passado infelizmente não pude ir. Estava trabalhando na NC e infelizmente não fui escalada para trabalhar na Bienal do Rio (Social Media sofre) e fiquei bem #chateada. Ano que vem com certeza irei conhecer o Rio... MAS este ano tem Maju Raz e Fran Estevão do Sociedade Do Livro com a Roh do Tribooks, com a autora deO Medalhão Mágico Mariana Lucera e nosso amigo roteirista Álefe Cintra.


Estamos todos ansiosíssimos pela viagem, pelos estandes, pelas editoras, pelos Blogueiros (O Renan Rocha do Canal SeLivrando e finalmente vou conhecer a linda e fofa Mariana Mortani do Magia Literária)  pelos livros, pelos livros, pelos livros! AHhhhhhhh! Sábado vai ter tanto evento que nem sei qual quero ir direito. Talvez vá ver Lucinda se der tempo de pegar senha e conhecer os autores nacionais espalhados por lá.

Fiquem atentos aos horários para pegar as senhas e aos horários de seus autores favoritos. Quem não tem credencial ou não comprou os ingressos, compre antes pois a fila é gigante.


Minha lista de livros por enquanto está pequena:

Por favor, mantenham me longe da Zahar Editora...sou apaixonada pelas coleções deles X_X
A Fran também vai e já até fez a lista de livros dela nesse post aqui.

E vocês, quando vão? Animados? Contem pra gente os livros que estão procurando. Ótimo evento a todos!  


Vejam a programação do dia 23/08 da Bienal Internacional do Livro de São Paulo 2014:


8h – Retirada de senha para Harlan Coben em frente ao portão 2. 

10h às 12h - Retirada de kits para blogs parceiros no Estande Novo Conceito

10h - Retirada de Senha para Lucinda Riley no Estande Novo Conceito

10h - Retirada de Senha para Cassandra Clare no Estande Editora Record

10h- Retirada de Senha para Kiera Cass na Área da Seguinte no estande da Editora Companhia das Letras (D 500) 

10h30min – Bate Papo seguido de autógrafos com Harlan Coben na Arena Cultural. 
* Bate-papo: sujeito à lotação da Arena Cultural, não é necessário pegar senha. 
* Autógrafos: serão distribuídas 200 senhas no próprio dia 23/8 – a partir das 8 horas em frente ao portão 2. 
*. A senha é pessoal, individual e intransferível. 
*. A senha dará acesso a um espaço reservado na Arena Cultural. 
* Somente pessoas de posse de livros a serem autografados terão acesso ao espaço reservado na Arena Cultural, ainda que possuam senha. 
* Ao término do bate-papo que tem início às 10h30, o autor autografará dois livros por pessoa, sendo que um deles deverá ser "Seis anos depois". 
* Fotos só serão permitidas com o fotógrafo oficial do evento. 
* Câmeras pessoais não serão permitidas. 
* As fotos oficiais serão postadas no Facebook da editora Arqueiro em até 3 dias após a data do evento. 

11h – Encontro com Blogueiros no estande da Amazon

11h30min - Sessão de autógrafos com Tony Ferraz estande Universo dos Livros

12h – Encontro de Blogueiros com Bianca do HelloStar na Praça de Alimentação 

13h30min – Encontro de Vlogueiros – Booktube na Praça de Alimentação 

15h - Lançamento mundial de “As Sete Irmãs” com presença da autora Lucinda Riley Estande Novo Conceito.

15h30min - Sessão de autógrafos Cassandra Clare espaço para autógrafos no Estande da Editora Record (C600) 
• Não será necessária a retirada de senhas para o bate papo. 
• Será necessária a retirada de senhas apenas para autógrafos. 
• Serão distribuídas 500 senhas a partir do horário de abertura da Bienal. 
• A senha é pessoal, individual e intransferível. 
• É obrigatória a apresentação da senha na entrada da sala de autógrafos. 
• Serão permitidos 2 livros por pessoa, de qualquer edição, brasileira ou estrangeira. 
• Foto só será permitida com o fotógrafo oficial do evento. 
• Câmeras pessoais não serão permitidas. 
• As fotos oficiais serão postadas no Facebook da Galera Record em até 3 dias úteis após a data do evento.

16h – Sessão de autógrafos com a autora Isabela Freitas – “Não se apega Não” no estande da Editora Intrínseca.

16h -Sessão de autógrafos com a autora Lucinda Riley Estande Novo Conceito.

16h - Lançamento o livro de Paula Pimenta: “Fazendo meu filme em quadrinhos 1 – Antes do filme começar” - Local: Estande do Grupo Autêntica 18h e 19h30minh – Bate- Papo seguido de sessão de autógrafos com Kiera Cass na Arena Cultural (H201)

18h e 19h30min – Bate- Papo seguido de sessão de autógrafos com Kiera Cass na Arena Cultural (H201)


quarta-feira, 20 de agosto de 2014

RESENHA: "De repente, Ana", Marina Carvalho

Por Francine Estevão

Título: De repente, Ana
Autora: Marina Carvalho
Editora: Novo Conceito
Ano: 2014
Páginas: 320

*Livro enviado pela editora para resenha

Sinopse: Ana decidiu viver permanentemente na Krósvia, e tudo está às mil maravilhas. Além do namoro cada vez mais sério com Alexander, ela tem um emprego fixo na embaixada brasileira e dedica parte de seu tempo às meninas do Lar Irmã Celeste. Mesmo cumprindo tantos compromissos sociais como princesa, Ana nunca foi tão feliz. Porém, de uma hora para outra, tudo muda. Seu pai, o rei Andrej Markov, sofre um grave acidente e vai parar na UTI. Não resta alternativa: Ana vai ter que assumir o trono da Krósvia e governar a nação. Pouco – ou quase nada – familiarizada com a função, ela vai precisar de ajuda não só para reger o seu país, mas também para manter perto de si aqueles que ama. Muita gente está interessada no seu fracasso.


A Marina Carvalho escreveu a continuação de “Simplesmente Ana” depois do sucesso do primeiro livro (resenha aqui) e atendendo a pedidos. Mas achei que a história desandou bastante e acabei não gostando de “De repente, Ana”. Fiquei um pouco com a sensação de que ela precisava escrever porque estavam pedindo, a editora estava cobrando e ai ela foi colocando um monte de ideias no papel pra cumprir com o combinado. Não faço a menor ideia de como foi o processo de produção da obra, mas foi a sensação que tive com a leitura.

Eu havia gostado bastante do primeiro, apesar de ter achado a Ana meio sem graça. Dessa vez, até o Alex, que foi um personagem que me cativou completamente no livro um, me fez torcer o nariz. Alguns capítulos são narrados por ele e achei a narrativa bastante forçada.

O livro se passa aproximadamente 2 anos após o final do primeiro e começa com mais um dos sonhos premonitórios de Ana. Mas agora parece que algo de ruim vai acontecer com seu pai. E não dá outra. Ela recebe a notícia que Andrej, rei da Krósvia, está em coma após um acidente. Ana então decide deixar o Brasil, onde estava curtindo uma temporada de férias ao lado do namorado, às pressas para ver o pai.

Ao chegar na Krósvia, mais do que lidar com a difícil situação de encontrar um ente querido entre a vida e a morte, ela passa a ser pressionada a assumir o trono, provisoriamente, até que a situação de Andrej se resolva.

É então que sua vida vira de cabeça para baixo. Ela vai ter que aprender a governar o país do dia para a noite, enfrentar as críticas da oposição e da mídia, lidar com ainda menos privacidade do que já vinha tendo e ainda por cima enfrentar uma fase difícil também no seu relacionamento com Alex, que, apesar do tempo de namoro, ainda nem chegou perto de discutir algo relacionado a casamento com ela.

É em meio a tudo isso que o livro se desenrola trazendo uma pitada de romance (por falar nisso, o livro traz uma tensão sexual meio aflorada entre Ana e Alex – eles passam o tempo todo pensando em sexo, o que achei meio exagerado e desnecessário no contexto da história), intriga, um certo suspense e até mesmo um pouquinho de investigação policial.

Por fim, o livro traz um capítulo bônus que ganhou completamente a leitora fã de Bon Jovi aqui. Nesse especial, Marina nos leva ao Rock in Rio, ao show do BJ e como eu estava lá e senti na pele tudo que ela narrou, fiquei completamente feliz e emocionada de ver esse pedacinho encerrando a história. (Juro que não é spoiler, gente. É um capítulo bem independente do enredo do livro.)

terça-feira, 19 de agosto de 2014

RESENHA "A Promessa do Tigre" de Colleen Houck

Título: A Promessa do Tigre
Título Original: Tiger's Curse 
Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Ano: 2014
Páginas: 128

Sinopse: Medo. Esperança. Dúvidas. Antes da maldição, uma promessa. Mais de 300 anos antes de Kelsey Hayes surgir na vida de Ren e Kishan, uma jovem cruzou o caminho dos príncipes. Seu amor por um deles mudou o curso da história e o destino da família Rajaram. Criada longe dos olhos da corte, isolada do convívio no castelo, Yesubai luta para suportar os maus-tratos do pai e manter em segredo suas habilidades mágicas. Lokesh é um poderoso e cruel feiticeiro que foi capaz de assassinar a própria esposa porque ela lhe deu uma filha em vez de um filho. Ao completar 16 anos, Yesubai é surpreendida por um anúncio do rei. Procurando fortalecer suas relações diplomáticas, o nobre acredita que um casamento entre a filha de Lokesh, comandante de seu exército, e um pretendente de algum dos reinos vizinhos será uma boa estratégia para diminuir os conflitos na região. A jovem recebe a notícia com alegria. Pela primeira vez ela enxerga um fio de esperança, a perspectiva de escapar do controle do pai e de levar uma vida fora do confinamento de seus aposentos. Mas esses não são os planos do feiticeiro. Ele vê no iminente casamento de Yesubai uma oportunidade de conseguir ainda mais poder e não poupará esforços para atingir seus objetivos sombrios. 'A promessa do tigre' conta a origem da história dos príncipes Ren e Kishan e os acontecimentos que levaram às aventuras da aclamada série 'A maldição do tigre'.

Quando soube que Colleen Houck iria lançar esse ano mais um livro que remetia a história dos tigres, eu me empolguei. Sou completamente apaixonada pela série desde A Maldição do Tigre até o desfecho em O Destino do Tigre. Coleciono as capas em português e as hardcovers em inglês.



Ok. Já deu para entender o quanto eu estou por dentro do assunto. Mas, diferente de 99% da população mundial de leitores fanáticos pela história dos tigres, eu faço parte do 1% que gosta da Kelsey. Sim, podem começar os argumentos contra a menina, estou escutando.

Eu sempre gostei dela, mas entendo todas as opiniões do porque os leitores não a suportam no livro. Então, quando descobri que o livro a ser lançado era sobre a Yesubai – a traidora, a destruidora de corações, a malévola, a filha do mal – eu fiz bico e me recusei a ler.

Até alguém balançar o livro na minha frente, igual petisco para gato, e eu aceitar o livro de bom grado. Me veio uma ansiedade em ler a história, mais uma do universo tão fantástico criado por Houck, que não me aguentei de felicidade quando o livro chegou até mim.

Daí eu li o começo e essa Yesubai e eu, simplesmente a relação não estava acontecendo. Mas então os tigres chegaram e eu estava dando pulinhos novamente. Enquanto Yesubai narrava a descrição de Kishan eu ficava conversando com a personagem e falando “espere até conhecer o Ren, amiga, ele é um arraso!”. Sim, eu já estava conversando com a personagem. Virou minha melhor amiga!

Já deu para perceber que sentimentos dúbios se passaram enquanto eu estava com A Promessa do Tigre em mãos, uma hora eu queria a Kelsey de volta outra hora eu estava fofocando com Yesubai.Por fim, eu amei o livro. Tem como não amar algo que vem da Colleen Houck? Não! Qualquer coisa que ela escreve se transforma em magia, em lendas e mitos.

Em A Promessa do Tigre, não vemos mais uma das aventuras que se interligam aos deuses indianos ou a lugares místicos, encontramos uma menina trancafiada pelo pai, a visão de alguém que não teve a chance de contar seu lado nos últimos quatro livros lançados e que agora pode narrar os eventos da mais verdadeira forma.

Ler a história pela visão de Yesubai se transformou para mim em algo único. Percebi ao decorrer do livro o quanto eu sentia falta das histórias criadas por Houck e quando finalizei eu tive a certeza absoluta que não vejo a hora de ter em mãos O Sonho do Tigre, sexto livro, e possivelmente, último livro da série.

Para quem se pergunta se é possível começar a ler a história dos tigres pelo A Promessa do Tigre, a resposta é claramente um belo e gritante: SIM! Criatura de Deus, como assim você ainda não começou a ler esse livro?! Quanta decepção! Larga esse Cinquenta Tons da sua mão e vai se aventurar em um livro bom de verdade!

Como eu ia dizendo, não há nada nesse livro que seja spoiler para A Maldição do Tigre, já que os eventos de A Promessa do Tigre se passam antes do primeiro livro lançado da série.

O livro tinha chances de se tornar bem maior, acredito no potencial de Houck e acho que nessa parte ela foi um pouco aflita em colocar algo novo desse mundo para seus fãs. A Promessa do Tigre tinha tudo para ser mais um livro magnifico do universo indiano, cheio de detalhes e histórias interessantes. E não estou desvalorizando o livro não! Pelo contrário, o livro publicado é excelente e conta tudo que os fãs gostariam de saber sobre a antiga história de Ren e Kishan com Yesubai. Mas se a autora tivesse se concentrado mais tempo na escrita, eu tenho certeza que também teria sido outro livro interessante de ser lido.

A Promessa do Tigre é um pré-sequel, se é que podemos chamar assim, deslumbrante. Se você, assim como eu, não se interessava pela história de Yesubai, tenho certeza que a personagem irá te cativar assim como me cativou. Além do mais, veremos mais Kishan e Ren e é sempre ótimo rever esses dois príncipes ma-ra-vi-lho-sos, não é mesmo?

Colleen Houck conseguiu mais uma vez me deixar estonteada com sua escrita magnifica. Sua criatividade vai além dos livros de fantasias publicados hoje em dia. E em A Promessa do Tigre a autora conseguiu se concretizar na minha estante e posso dizer sem sombra de dúvidas: Ela é sim, minha autora favorita!

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Novo Conceito divulga a capa de "O Desafio de Ferro"

Por Maju Raz


O Editor Thiago Mlaker nos apresentou O Desafio de Ferro no "Circuito Novo Conceito": "Este livro é resultado de uma parceria entre as autoras bestsellers Holly Black e Cassandra Clare. É algo bem próximo de "Harry Potter". SE SURTEI? MAXINA! 

Agora a Editora liberou a capa de O Desafio de Ferro, primeiro volume da saga Magisterium.  O lançamento já está previsto para o próximo mês de Setembro com o selo #irado. 

Hoje recebemos a campanha com lindos Bottons e cartazes
A série Magisterium terá cinco livros que irão representar um ano da vida do protagonista Callum Hunt - dos 12 aos 17 anos -  onde o tema principal da saga é magia relacionada aos elementos fogo, água, ar, terra e caos, ou seja, a mágica alquímica. 

Confiram a sinopse: AMIGOS E INIMIGOS. PERIGO E MAGIA. MORTE E VIDA. A maioria dos garotos faria qualquer coisa para passar no Desafio de Ferro. Callum Hunt não é um deles. Ele quer falhar. Se for aprovado no Desafio de Ferro e admitido no Magisterium, ele tem certeza de que isso só irá lhe trazer coisas ruins. Assim, ele se esforça ao máximo para fazer o seu pior... mas falha em seu plano de falhar. Agora, o Magisterium espera por ele, um lugar ao mesmo tempo incrível e sinistro, com laços sombrios que unem o passado de Call e um caminho tortuoso até o seu futuro. Magisterium - O Desafio de Ferro nasceu da extraordinária imaginação das autoras best-seller Holly Black e Cassandra Clare. Um mergulho alucinante em um universo mágico e inexplorado.

Adicione a sua estante no skoob.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Resenha "Antes que o verão acabe" de R.Dover

Por Maju Raz


Título: "Antes que o verão acabe"

Autora: R.Dover

Ano: 2014

Vendido por: Amazon

Sinopse: Brígida, Daniel e Vitor se conheceram em um verão quando crianças. Juntos formaram um trio inseparável durante anos e se não fosse pela antiga amizade, Brígida e Daniel até fariam um casal que teria tudo para dar certo. Porém, o forte laço se rompe quando Brígida, sem dar motivos, foge para o exterior. Após oito anos, Brígida ainda carrega o segredo que a levou embora, mas volta para seus grandes amigos com esperança de reparar os erros do passado. Nem todos os corações estarão preparados para perdoá-la e agora ela precisa se resolver com todas as palavras não ditas antes que o verão acabe. 



“O que aconteceu com eles durante todos esses anos?”

Eu venho enrolando há muito tempo para fazer esta resenha por um simples motivo: medo. Medo? Sim...medo de não conseguir expressar o que tem que ser proclamado.

Eu tenho um carinho muito especial por este livro, pois tive a oportunidade de poder ver de perto a escritora dando vida ao romance. Como foi bom, divertido e gostoso acompanhar Brígida, Daniel e Vítor durante dias e meses somados a expectativas para ler os capítulos que saíam do forno quentinhos. Foi uma experiência única acompanhar o nascimento de um “filho” tão de perto.

Terei de ter muito cuidado para não dar spoilers, pois este livro é repleto de detalhes inenarráveis por mim, mas sim por ele próprio.

Bom... O que dizer destes três amigos Bri, Dani e Vitor? Sim, eles são tão íntimos, pois é assim que a autora consegue defini-los ao leitor. Presenciamos uma escrita tão cheia de consonância e sinestesias que de repente nos pegamos devorando situações, frases e capítulos e nos sentimentos dentro da história. 

“...os dedos de Daniel passando pelas cordas do violão como se o ser humano e o objeto tivessem nascido juntos...enquanto o sol apreciava aquela amizade e dividia aquele momento até que eles ficassem separados pelas montanhas do horizonte.”

Os três amigos são inseparáveis e se conhecem desde a infância. Presenciamos através de capítulos alternados como se conheceram ainda crianças, suas aventuras, brincadeiras, palhaçadas, dramas e passamos a nos entusiasmar com todo esse enredo.

De uma hora pra outra Brígida resolve estranhamente ir embora. Eu particularmente quis matar a personagem essa hora – a xinguei de mimada, chata, doida... Ela some e não explica nada pros amigos! Depois de viver tantos momentos fofos e lindos e uma amizade de fazer inveja (branca tá gente). E aí bate aquele desespero: SERÁ QUE A AUTORA VAI REVELAR POR QUE ELA PARTIU? (Sim, está em caixa alta pois é assim mesmo que você questiona) E aí você se pega engolindo as páginas pra ver se sua raiva por Brígida some E POR QUE ELA FOI EMBORA...

“Por que ela foi embora? Por que ela me deixou?”

Vamos parar de falar da Brígida e falar do meu personagem favorito depois do cachorro:

“É Syrio, meu cachorro.
-Você trouxe seu cachorro? É um poodle? – perguntou Vítor.
-Não, por que acha que ele seria um poodle? Ele é um São Bernardo de cinco anos.”

Daniel é alegre, lindo, alto, cabelo escuro e olhos azuis, estiloso e lindo e fofo e engraçado (suspiros), sim eu sou #TeamDaniel e é impossível não ficar gamada nele. A principio achava que ele era um daqueles moços infames, mas não. Ele é TUDO! Não posso desprezar o Vítor, amigo certo de horas incertas (e certas também). Um gracinha de moço, mas não teve jeito – me apaixonei por Daniel.

Volta Maju, volta e foca na história!

Eis que Brígida volta! Sim ela volta e eu continuo querendo mata-la. Que tanto segredo esconde o passado pra que ela tenha fugido? A garota pensa em recomeçar tudo o que viveu com seus amigos do zero, mas não vai ter jeito. Seja o que for que aconteceu é impossível deixar pra trás toda alegria, ocasiões e angústias - vai ter que encarar tudo de frente pra só assim dar rumo novamente à amizade alegre desses três.

Eu simplesmente amo a froma de escrita da autora. Ela escreve de um jeito que faz parecer cinema. Se Danielle Steel é a rainha do romance este livro não é diferente. Drama, comédia e romance descritos com profundeza de emoções, sentimentos e diversos planos sensoriais. A construção das personagens é tão bem arquitetada que os vemos em forma de vida real. Sendo assim fica bem mais fácil se identificar com eles e sentir como se eu mesma pudesse experimentar as aflições das personagens ou me apaixonar como elas.  

“O medo, penetrando cada centímetro de seu corpo, aquele medo de sempre, que a atormentava todos esses anos, começava a pulsar de novo em sua veia”.

Ela nos apresenta suas vidas, suas felicidades, seus problemas diários. E  um romance não pode ficar sem uma pitada de drama - ela nos apresenta seus sofrimentos,  seus amores fracassados, suas perdas. Ah! Como é fácil chorar e rir com eles! Impossível não se apaixonar pelo Daniel, não torcer por Brígida e Daniel, não deixar de xingá-los com as burradas que fazem e não ficar indignada e não odiar uma certa personagem que não posso falar o nome GRRRR! Acho que o instiga é que eles são humanos como nós. É carregado de emoção e causa arrepios. É forte, impactante.

Amor, realidade, amizade, sentimentalismo, música, praia, mar, montanhas (minhas partes favoritas do livro), aventura e suspense em exatas proporções com uma vontade forte de viver tudo aquilo!

“O mar com seu barulho de dono do mundo, o sol mais quente, as árvores em torno das casas, a areia que tanto gostava de brincar...”

Só se larga do livro quando se lê o ultimo ponto final e ainda assim ficamos nos coçando pra saber o que acontece depois e mesmo assim um desejo incontrolável de ler outras coisas da autora nos toca. Essa história vai sempre ficar viva comigo, afinal, já dizia Loyola: “Personagens nunca morrem”. 

Ao mergulhar em "Antes que o Verão Acabe" eu pensei: todos precisam conhecer essa história! TODOS! Ao final você fica com a sensação de que as personagens continuam vivas, nas páginas ou na imaginação. Um livro que merece ser lido por todos. E relido. E relido. E relido...Amo! 

Este post, além de tentar expressar o quanto esse livro é intenso, é para agradecer por essa história linda e brilhante que a autora nos proporcionou e por poder fazer parte disso. Desejo de todo o coração os parabéns e um mega sucesso!

Hoje é também o lançamento do livro no site da Amazon e eu, se fosse você, não deixava de clicar aqui para se aventurar com Brí, Dani e Vítor!

Quem se interessar pode ler os 4 primeiros capítulos no Wattpad e conferir o livro no SKOOB




quarta-feira, 13 de agosto de 2014

RESENHA: “Festa no Covil”, Juan Pablo Villalobos

Por Francine Estevão

Título: Festa no Covil
Título Original: Fiesta en La madriguera
Autor: Juan Pablo Villalobos
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2012
Páginas: 96

Sinopse: O romance de estreia de Juan Pablo Villalobos é surpreendente em muitos sentidos. Breve e incisivo ao revelar a face mais violenta da realidade (não apenas) mexicana sob uma ótica insólita, entra no cânone da narcoliteratura sem ceder aos tiques próprios do subgênero. Em 'Festa no Covil', a vida íntima de um poderoso chefe do narcotráfico , Yolcault, ou "El Rey" é narrada pelo filho. Garoto de idade indefinida, curioso e inteligente, o pequeno herói, que vive trancado num "palácio" sem saber a verdade sobre o pai, reconta sem filtros morais o que presencia ou conhece pela boca dos empregados ou pela tevê. Seu passatempo é investigar secretamente os mistérios que entrevê, colecionar chapéus e palavras difíceis e pesquisar sobre samurais, reis da França e animais em extinção, sempre com o auxílio de seu preceptor, um escritor fracassado egresso da esquerda.

Villalobos nos apresenta o mundo do tráfico mexicano visto de uma maneira extremamente diferente ao sermos conduzidos pela narrativa de uma criança. Tochtli nos conta, à sua maneira, de uma forma infantil e inocente, como é sua vida no palácio onde vive com o pai, Youcalt.

O jovem narrador é fissurado em chapéus, em contar a quantidade de pessoas que conhece, em se conter para não chorar e não parecer um maricas, em conhecer palavras novas que lê em dicionários e em animais, sendo que seu mais novo desejo de consumo são hipopótamos anões da Libéria.

Sem saber que seu pai é um dos poderosos chefões do tráfico mexicano, protegido em seu palácio sob uma segurança extremamente rígida que torna sua vida imersa em solidão, Tochtli nos conta, à sua maneira, sobre todo o dinheiro que tem, sobre as pessoas importantes como políticos que vão até o pai para fazer negócios e sobre toda a violência que acontece ao seu redor, mesmo que para ele isso não seja um absurdo e sim algo cotidiano a ponto de ele ter o costume de brincar com o pai de responder o que acontece com uma pessoa após uma determinada quantidade de tiros ser dada em uma determinada parte do corpo.

Somos apresentados a uma certa dicotomia entre as diversas realidades que cercam essa criança. Ao mesmo tempo em que ele está inserido em um universo de tráfico, mortes, disputas, traições, politicagem, e muitas outras coisas negativas, ele é completamente alheio à essa realidade em contraposição a toda a proteção que o cerca proporcionada pelo pai, que satisfaz todos seus desejos e o cria para ser um “homem de verdade” e não um maricas. Um exemplo dessas duas realidades são os animais de estimação que são dados ao menino para satisfazer seus desejos, mas que também servem também para comer as vítimas que tentam quebrar essa camada protetora que o cerca, os inimigos do pai, e não deixar rastros.

Villalobos encontrou uma forma de falar sobre uma realidade problemática séria do México, o tráfico, sem ir direto ao ponto, mas nos deixando chocados de certa forma ao ver o quanto isso é algo comum em algumas partes do país. Tão comum que faz parte do dia a dia de uma criança como se não fosse nada demais.


terça-feira, 12 de agosto de 2014

Resenha "Despertar - a bandeja" de Lycia Barros

Por Maju Raz


Título: Despertar - A Bandeja
Autora: Lycia Barros
Editora: Arqueiro
Páginas: 252


Sinopse: "A Bandeja" conta a história de Angelina, jovem de 19 anos, que ao entrar para a universidade, inicia um apaixonado envolvimento amoroso com um de seus professores, Alderico - mais conhecido por Rico. Por conta de toda a avassaladora e descontrolada paixão que envolve esse relacionamento, Angelina começa a viver somente para Rico, colocando seus estudos, seus amigos, sua família, sua religião e até mesmo a si própria em segundo plano. Angelina é evangélica por tradição familiar e não exatamente por convicção religiosa. Porém, inesperadamente, tem um estranho sonho, cujas revelações possuem um forte e marcante significado, que ela somente conseguirá compreenderá mais tarde. Quando, no momento certo, a grande verdade é revelada para Angelina e ela finalmente compreende o que significa o amor de Deus em sua vida.


"A fé movendo a vontade"
Ao resenhar um livro sempre me preocupo com minha língua grande no quesito spoiler. Quando nos empolgamos com um romance temos de nos controlar para não contar algum aspecto muito importante do livro e essa minha enrolação é justamente pra isso, controle (risos). 

“Tu és aquele que nos sustenta de pé a cada dia.”

Gostei muito da capa e me interessei sem ler a sinopse. Ao tomar conhecimento, por se tratar de um tema religioso fiquei com medo bobo, com pé atrás e com aquele pensamento preconceituoso que religião e romances não combinam muito, pois quando articulam que o livro é baseado em religião logo se pensa que é um livro só para religiosos, só que não. Obviamente que por ser fundamentado em crença religiosa se vê várias citações religiosas, mas o que realmente interessa no enredo é a história de Angelina. Calei o bico. A autora está mais que de parabéns por ter conseguido escrever um livro baseado em religião com um romance que nos prende do começo ao fim da história e que nos traz ponderações válidas pra vida.

"Queria que as pessoas me conhecessem como eu sou, para depois saberem qual é a minha religião. Já tinha sofrido muitos distanciamentos prematuros por causa desse preconceito religioso, mas eu não me via nem um pouco diferente das meninas da minha idade, apesar de ter sido criada dentro de uma igreja."

Depois de 18 anos vivendo aos olhos de uma família cristã que possui um enorme vínculo com a igreja, Angelina vive o maior momento desafiador de sua vida -  ela passa numa faculdade pública e vai morar com uma colega desorganizada e doida em uma república. Os professores não parecem estar muito aptos a dar aula e as condições do prédio da Universidade não são lá as melhores. 

Com todo esse baque de mudança e um desânimo enorme, a garota conhece Alderico. Rico, como é chamado, é daquele tipo “UAL Ô LÁ EM CASA!”. Angelina se pega deslumbrada com a paixão avassaladora que sente pelo seu professor de linguística e com receio de estar passando por cima de tudo o que aprendeu a vida toda,  mente pra própria família e se joga de cabeça nesse relacionamento sem que ninguém a faça enxergar que está cega pelo caminho da luxúria e pelo fogo da paixão.

A garota começa a ter sonhos estranhos que representam sua inconsciência falando das implicações dos pecados que estão por vir. Nos sonhos homens lhe apresentam objetos na bandeja que se transformam em feras e desaparecem numa floresta. 

"Aprendi que escolher o errado é sempre mais fácil; as coisas boas e permanentes nem sempre são as primeiras a aparecer. Se dependermos de Deus, não cometeremos os mesmos erros de quando somos independentes d'Ele. As escolhas são nossas... Rejeite a maldição, e a benção te alcançará."

Sinceramente adorei a narrativa do início ao fim. A autora tem uma maneira excepcional de escrever e teve cuidado em escrever para todos os públicos – religioso e não religioso.  A frase a seguir resume tudo:

“Se este livro está em suas mãos agora, Deus quer falar com você. Simplesmente, ouça."


Confiram o BookTrailer:


Baixe o primeiro capítulo clicando aqui.


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Q&A a day

Por Francine Estevão

Depois de ver “Q&A a day” (365 perguntas, 5 anos, 1.825 respostas) em diversos blogs, não resisti e fui correndo atrás do meu.

Ele é um diário com duração de cinco anos. Com 365 perguntas, uma para cada dia do ano, e com cinco espaços por página, um para cada ano, que você preenche com a resposta à pergunta do dia e com o ano.



Além de lindo, ele é viciante! Em menos de uma semana, já não conseguia mais ir para a cama antes de responder à pergunta do dia.

A graça e a proposta do diário está em, daqui um ano, ou em cinco, quando você for responder àquela pergunta novamente, você vai reler a resposta que deu um ano atrás e vai “ver” como você era, qual o efeito do tempo em você.

"Eles sempre dizem que o tempo muda as coisas,
mas, na verdade, você é quem tem que mudá-las." (Andy Warhol)

Quantas vezes você lembra da resposta ao ser questionada sobre o que você estava fazendo há exatamente um ano? Difícil, né? Então, mais do que um livro de memórias, esse diário é também uma cápsula do tempo e nos convida a avaliar as mudanças pelas quais passamos ao longo dos anos, ou até mesmo nos mostra o quanto ficamos estagnados no mesmo ponto (o que já é um chacoalhão e tanto!).



Seja com perguntas simples como “Qual foi a última vez que você andou de avião?”, ou com algumas mais complexas e reflexivas como “Quem é você?”, ou até com algumas questões físicas que nos remeterão no futuro ao lugar ao qual estávamos no passado como “Como é o local onde você está agora?”, “Q&A” é um convite a enxergarmos nosso presente, pensarmos no nosso futuro e analisarmos nosso passado.



Para quem sempre gostou de fazer diários ou até mesmo para quem nunca foi muito de escrever sobre o seu dia a dia, “Q&A” traz uma proposta diferente e interessante para registrarmos nosso cotidiano.



Onde comprar: Livraria CulturaAmazonBookDepository

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Lista de livros para comprar na Bienal

Sei que todo mundo avisa com antecedência que os descontos na Bienal do Livro não são muitos e que normalmente as promoções não são de lançamentos. Mesmo assim, não custa levar uma listinha de livros que estamos querendo comprar para conferir os preços. Vai que, né?!

Uma dica é saber qual a editora do livro, pois você deverá se dirigir ao estande da editora. Alguns selos não terão estandes próprios, então é bom também saber a qual grupo editorial aquele selo pertence. Aqui tem uma lista de todos expositores que pode ajudar. Tem também os estandes de algumas grandes livrarias, que podem salvar em último caso! ;)


Então essa é a minha lista (por enquanto).

1- "Pó de Lua", Clarice Freire - Editora Intrínseca (estande C500)

O livro é tipo "Eu me chamo Antônio" e to apaixonada por livros fofinhos assim!



2- "Invisível", David Levithan e Andrea Cremer - Galera Record (C600)

Eu até já tenho ele no Kindle, mas acho que vou gostar, então pretendo já garantir o livro físico.



3- "Eu amo Holltwood", Lindsey Kelk - Editora Fundamento

O livro é continuação de "Eu amo Nova York", que eu amei! Agora quero a série toda!



4- "Eu amo Paris", Lindsey Kelk - Editora Fundamento

Mesma explicação que no item acima hehe



5- "Proposta Inconveniente", Patricia Cabot - Editora Record (C600)

Patricia Cabot, não dá para resistir. Ponto!



6- "Encontrada", Carina Rissi - Verus Editora (C600)

Quem não está esperando esse livro desde sempre? \o/



E vocês, o que estão esperando comprar na Bienal?


quarta-feira, 6 de agosto de 2014

RESENHA: “Cair para voar”, Flávio Galindo

Por Francine Estevão

Título: Cair pra voar 
Autor: Flávio Galindo 
Editora: Sollo Editorial 
Páginas: 90 
Ano: 2014 

Sinopse: O tempo sempre foi um paradigma. Ele passa e pronto. Tomamos nossas decisões. Mas e se por um segundo sequer, ele pudesse voltar? Foi com essa questão que Rodrigo se viu parado de frente ao abismo. A vida lhe proporcionara riquezas, mas sua maior ele perdera. Então o tempo lhe deu uma escolha. A escolha de fazer diferente. O que você faria se pudesse reviver sua maior história de amor? O que você faria para mudar? Largaria todas as suas decisões passadas? Conheça a estória de Rodrigo e Jéssica. Um amor que nem mesmo o tempo pode contra.


Flávio Galindo e Danilo Barbosa
Foto: Facebook Clube do Livro Ribeirão

Flávio Galindo participou, no dia 26 de julho, do encontro do Clube do Livro de Ribeirão para falar um pouco sobre seus livros. Autor da trilogia de ficção “O Guerreiro das Estrelas”, foi seu romance “Cair para voar” que me chamou atenção.


Ele comentou que a maioria dos leitores ama a história, mas que muitos reclamam dela ser curta (apenas 90 páginas). Vou ter de concordar com esse grupo e lamentar junto, pois realmente acredito que o livro teria potencial para ser um pouco mais “recheado”.

No começo, o desenrolar da história é bastante envolvente e conseguiu me emocionar, inclusive, logo de cara. Nas primeiras páginas entrei completamente na história. No entanto, a partir de um determinado ponto, parece que o desenrolar dos fatos acontecem muito rápido e ficam faltando alguns pontos que fariam a diferença no todo. Lá pelo fim tiveram algumas partes que precisei reler. Como é muito sucinto, senti que a ausência de algumas coisas que precisavam estar presentes acabaram interferindo na compreensão do final.

De uma maneira geral, o autor conseguiu passar a mensagem que desejava, mesmo podendo ter se estendido um pouquinho mais para fazer do livro ser ainda melhor.
 
"E com o tempo, sim...Infelizmente com o tempo você aprende que amar não é se dar por inteiro, mas ser o inteiro, ou a parte mais significativa de um todo. Porque o tempo, meu amigo, passa, mas o que você faz enquanto tem ele ao seu favor, é o que importa. E isso, para ambos os lados." (pág. 05) 

Conheça mais sobre o autor: Skoob | Facebook | Twitter 


terça-feira, 5 de agosto de 2014

RESULTADO DO SORTEIO: "O Diamante", J. Courtney Sullivan

Mais um sorteio chegando ao fim aqui na Sociedade do Livro.



E quem vai receber "O Diamante", da J. Courtney Sullivan é...




Parabéns para a Laura! Você receberá um e-mail nosso (sociedadedolivrorp@gmail.com) e tem até o dia 8 para nos dar um retorno com seus dados. Caso contrário, refaremos o sorteio.

E para quem não ganhou desta vez, em breve teremos outros sorteios aqui no blog :)


É hoje! Lançamento oficial de "A Promessa do Tigre" - Colleen Houck



Chegou o tão esperado dia dos fãs de Colleen Houck! Hoje a Editora Arqueiro lança A Promessa do Tigre, da série A Maldição do Tigre.  Vale lembrar que este não é o quinto e último livro da série, e sim um conto.




A publicação do último livro, O Sonho do Tigre, tem previsão de lançamento para o fim do ano que vem! Cruzando os dedos e rezando para que seja lançamento simultâneo com o exterior. 

A Paramount comprou os direitos de adaptação do primeiro livro e em breve teremos filme! \o/


Medo. Esperança. Dúvidas. Antes da maldição, uma promessa. Mais de 300 anos antes de Kelsey Hayes surgir na vida de Ren e Kishan, uma jovem cruzou o caminho dos príncipes. Seu amor por um deles mudou o curso da história e o destino da família Rajaram. 

Criada longe dos olhos da corte, isolada do convívio no castelo, Yesubai luta para suportar os maus-tratos do pai e manter em segredo suas habilidades mágicas. Lokesh é um poderoso e cruel feiticeiro que foi capaz de assassinar a própria esposa porque ela lhe deu uma filha em vez de um filho. Ao completar 16 anos, Yesubai é surpreendida por um anúncio do rei. 

Procurando fortalecer suas relações diplomáticas, o nobre acredita que um casamento entre a filha de Lokesh, comandante de seu exército, e um pretendente de algum dos reinos vizinhos será uma boa estratégia para diminuir os conflitos na região. A jovem recebe a notícia com alegria. Pela primeira vez ela enxerga um fio de esperança, a perspectiva de escapar do controle do pai e de levar uma vida fora do confinamento de seus aposentos. Mas esses não são os planos do feiticeiro.

Ele vê no iminente casamento de Yesubai uma oportunidade de conseguir ainda mais poder e não poupará esforços para atingir seus objetivos sombrios. A promessa do tigre conta a origem da história dos príncipes Ren e Kishan e os acontecimentos que levaram às aventuras da aclamada série A maldição do tigre.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Na estante da Sociedade: Julho

Confira os lançamentos e outros títulos que entraram pra estante da Sociedade do Livro em julho.


A editora Novo Conceito nos mandou os lançamentos de agosto. Tem "Infinity Drake", de John McNally; "Perdendo-me", de Cora Carmack; "A menina mais fria de Coldtown", da Holly Black; "As sete irmãs", da Lucinda Riley, que se passa na cidade maravilhosa, Rio de Janeiro; o tão esperado "Se eu ficar", da Gayle Forman, que chega aos cinemas em setembro e que nós já resenhamos aqui  e os nacionais "De repente Ana", da Marina Carvalho, continuação de "Simplesmente Ana" e, por fim, "A namorada do meu amigo", da Graciela Mayrink.   

Fotos: Maju Raz

Além deles, e ainda falando dos nacionais, eu (Francine) comprei "Cair para voar", do autor Flávio Galindo, que esteve em Ribeirão para participar da Semana do Livro Nacional do Clube do Livro Ribeirão.



Minhas últimas compras do mês, foram "Eu me chamo Antônio", com um compilado de ilustrações em guardanapos do Pedro Gabriel e "Q & A - 5 Year Journal", que é mais um diário do que um livro. Pretendo falar destes dois mais pra frente em um post especial para cada um deles aqui no blog. 



Então, esses foram os livros que entraram pra nossa estante em julho. E vocês, o que compraram ou ganharam ultimamente? 




quarta-feira, 30 de julho de 2014

RESENHA: "A máquina de contar histórias", Mauricio Gomyde

Por Francine Estevão

Título: A máquina de contar histórias
Autor: Mauricio Gomyde
Editora: Novo Conceito
Lançamento: 2014
Páginas: 192

Sinopse: Na noite em que o escritor best-seller Vinícius Becker lançou A Máquina de Contar Histórias , o novo romance e livro mais aguardado do ano, sua esposa Viviana faleceu sozinha num quarto de hospital. Odiado em casa por tantas ausências para cuidar da carreira literária, ele vê o chão se abrir sob seus pés. Sem o grande amor da sua vida, sem o carinho das fi lhas, sem amigos... O lugar pelo qual ele tanto lutou revela-se aquele em que nunca desejou estar. Vinícius teve o mundo nas mãos, e agora, sozinho, precisa se reinventar para reconquistar o amor das filhas e seu espaço no coração da família V. Uma história emocionante, cheia de significados entrelaçados pela literatura, mostrando que o amor de um pai, por mais dura que seja a situação, nunca morre nem se perde.


“A Máquina de Contar Histórias” é o primeiro livro do autor Mauricio Gomyde publicado por uma grande editora, a Novo Conceito. Merecido, porque ele sempre escreve histórias muito bem construídas e emocionantes que são capazes de tocar o leitor de forma única. E dessa vez não é diferente.

Nesse livro, Mauricio nos levou para dentro do universo literário de uma maneira diferente. Ele nos colocou ao lado de um autor brasileiro de sucesso mundial e nos apresentou as alegrias e as amarguras da vida desse personagem que é uma verdadeira máquina de contar histórias que viram best-sellers.

Com entrevistas e eventos que não cabem mais na agenda, Vinicius Becker já está “cansado” de responder sempre às mesmas perguntas dos jornalistas, leitores e curiosos. É tudo muito mecânico para ele, mas mesmo assim, o autor sabe que são ossos do ofício e não abre mão de uma viagem atrás da outra para divulgar cada um de seus novos títulos.

“Disciplina para escrever havia sido a maior lição tirada do processo. Encontre seu estilo, faça dele sua religião. Encontre seu público-alvo, faça dele seu rebanho. Encontre um lugar para escrever, faça dele seu santuário. Encontre um horário para escrever, faça nele sua prece. Escreva qualquer coisa, mesmo que não signifique nada. Se a inspiração para algo novo falhar, pesquise, leia, defina, conserte, rearranje, corte. Trace uma meta de palavras por dia. Transforme-se numa máquina de escrever.” (pág.53)

Enquanto o mundo conhece Vinicius e seus emocionantes romances perfeitos, sua família – família V de verdade - o vê cada vez menos comprovando que todas as emoções e experiências que ele diz ter vivido para conseguir relatar em suas histórias, na verdade não passam de técnicas estudadas e decoradas com o objetivo de alcançar um propósito único – vender mais e mais livros.

A ausência finalmente vira um peso em sua vida quando, durante uma viagem de divulgação do seu último título, Vinícius descobre que sua esposa morreu e ninguém conseguiu encontrá-lo a tempo de passar os últimos momentos ao lado da mulher, mesmo que ele soubesse que isso pudesse acontecer a qualquer momento.

Com a perda do maior amor que ele jamais teve, o autor passa a reavaliar sua vida e encontra uma chance de se redimir ao tentar recuperar o amor de suas duas filhas.

É a partir dessa tentativa de reconquista que acabamos embarcando em uma história envolvente que nos ensina a valorizar mais as coisas que temos na vida, a aproveitar melhor os momentos ao lado daqueles que amamos, a buscar viver sempre com emoções sinceras. Sermos menos uma máquina humana e mais um ser humano.
 
“Escrever é muito mais do que uma profissão. É uma atitude de amor, de entrega ao que se quer contar.” (pág. 95)

Além disso, para quem gosta de escrever, “A Máquina de Contar Histórias” é uma lição de como não tornar o processo de escrita algo mecânico e colocar sentimentos verdadeiros no papel.
 
“Na vida real, jamais vou conseguir colocar na boca de alguém as palavras exatas que eu gostaria de ouvir. Já num livro...” (pág. 127)