terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Resenha – “Cilada” de Harlan Coben

Colaboração Fabiane Ribeiro 



Título Original: Caught
Título Nacional: Cilada
Autor: Harlan Coben
Tradução: Marcelo Mendes
Lançamento: 2010
Páginas: 272
Categoria: Ficção Policial
Editora: Arqueiro

Sinopse: Haley McWaid tem 17 anos. É aluna exemplar, disciplinada, ama esportes e sonha entrar para uma boa faculdade. Por isso, quando certa noite ela não volta para casa e três meses transcorrem sem que se tenha nenhuma notícia dela, todos na cidade começam a imaginar o pior. O assistente social Dan Mercer recebe um estranho telefonema de uma adolescente e vai a seu encontro. Ao chegar ao local, ele é surpreendido pela equipe de um programa de televisão, que o exibe em rede nacional como pedófilo. Inocentado por falta de provas, Dan é morto logo em seguida. Na junção dessas duas histórias está Wendy Tynes, a repórter que armou a cilada para Dan e que se torna a única testemunha de seu assassinato. Wendy sempre confiou apenas nos fatos, mas seu instinto lhe diz que Mercer talvez não fosse culpado. Agora ela precisa descobrir se desmascarou um criminoso ou causou a morte de um inocente. Nas investigações da morte de Dan e do desaparecimento de Haley, verdades inimagináveis são reveladas e a fragilidade de vidas aparentemente normais é posta à prova. Todos têm algo a esconder e os segredos se interligam e se completam em um elaborado mosaico de mistérios. Harlan Coben mais uma vez deixa o leitor sem ar. Cilada fala de culpa, luto e perdão em uma trama repleta de reviravoltas surpreendentes. Nada é o que parece e tudo pode ser desfeito até a última página.

Temos aqui um livro que me deixou sem palavras. Muito difícil falar da primeira obra que li de Harlan Coben e, já adianto, eu tinha expectativas muito altas a respeito do trabalho do autor. Cilada simplesmente conseguiu superar todas elas.
A grande personagem da história é a repórter Wendy Tynes. Ela comanda um programa de TV que atrai pedófilos e, assim, os desmascara. O livro começa exatamente quando ela arma para desmascarar Dan Mercer. Entretanto, ele acaba sendo inocentado, pois as provas que o incriminaram poderiam ter sido implantadas em sua casa, ou seja, ele poderia não ser o monstro de que estava sendo acusado. Como se tratava de um programa de grande audiência, apesar de não ser julgado culpado, a população ainda o via como um monstro, portanto, Dan passa a viver fugindo.
Paralelo a esse caso, também acompanhamos o estranho desaparecimento de Haley McWaid, uma menina de 17 anos, que sonhava em ir para a faculdade e, simplesmente, desaparece da noite para o dia sem deixar rastros.
A repórter Wendy, responsável pela acusação de Dan Mercer, recebe pistas que a levam a pensar que ele pudesse não ser um criminoso. Então, ela passa a experimentar um sentimento de culpa que se intensifica quando ele é assassinado pelo pai de uma das crianças envolvidas no caso.
Sendo assim, Wendy passa a buscar sozinha por mais informações que possam confirmar se Dan era inocente ou culpado. E tudo se torna mais intenso quando os dois casos misteriosamente se ligam através de uma pista. Sim, o caso de Dan, acusado de pedofilia, e o caso de Haley, a garota desaparecida, se unem e a corrida contra o tempo é para descobrir se Haley está viva e se Dan morreu injustamente.
O livro em si é perfeito. Uma linguagem ótima, o autor possui uma forma de narrar que nos prende do início ao fim e mexe com nossas emoções e curiosidades a capa página. Conforme as pistas vão surgindo e os erros do passado vão ficando mais claros, a narrativa é espetacular e arquitetada para realmente surpreender o leitor e não deixar que ele feche o livro antes de saber o final. E o mais importante de tudo isso é que, apesar de ser um livro de suspense, ele é leve. Não contém cenas fortes em qualquer sentido que seja; o autor optou por usar apenas o suspense como seu ponto forte e isso é louvável em um livro do gênero; e mais, ao final, somos surpreendidos com um desfecho que nos faz pensar em nossas atitudes (eu queria explicar melhor, mas aí acabaria estragando a surpresa de vocês) e nos passa uma bela mensagem. Definitivamente um dos melhores livros que já li, enquanto fã de suspense e de
belos finais.

“Cilada fala de culpa, luto e perdão em uma trama repleta de reviravoltas surpreendentes”

2 comentários:

  1. E`realmente um livro muito bom,recomendo mesmo.Eu amei

    ResponderExcluir
  2. ja li,fiquei encantada.Nota mil

    ResponderExcluir