segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Resenha (Tripla) - "As Crônicas de Gelo e Fogo" de George R. R. Martin

Por Roh Dover  
    
Título Original: Game of Thrones
Autor: George R. R. Martin
Lançamento: 2010
Páginas: 589
Formato: Impresso
Categoria: Fantasia/Épico
Editora: LeYa
#1 saga "As Crônicas de Gelo e Fogo
Sinopse: Em uma terra onde o verão pode durar décadas e o inverno toda uma vida, os problemas estão apenas começando. O frio está de volta e, nas florestas ao norte de Winterfell, forças sobrenaturais se espalham por trás da Muralha que protege a região. No centro do conflito estão os Stark do reino de Winterfell, uma família tão áspera quanto as terras que lhe pertencem. Dos lugares onde o frio é brutal, até os distantes reinos de plenitude e sol, George R. R. Martin narra uma história de lordes e damas, soldados e mercenários, assassinos e bastardos, que se juntam em um tempo de pesságios malignos. Entre disputas por reinos, trágedias e traições, vitória e terror, o destino dos Stark, seus aliados e seus inimigos é incerto. Mas cada um está se esforçando para ganhar este conflito mortal: a guerra dos tronos.

Título Original: A Clash of Kings
Autor: George R. R. Martin
Lançamento: 2011
Páginas: 653
Formato: Impresso
Categoria: Fantasia/Épico
Editora: LeYa
#2 saga "As Crônicas de Gelo e Fogo"
Esta sinopse contém spoiler para quem não leu "Guerra dos Tronos".
Sinopse: Quando um cometa vermelho cruza os céus de Westeros, os Sete Reinos estão em plena guerra civil. Os exércitos dos Stark e dos Lannister estão se preparando para o confronto final, e Stannis - irmão do falecido Rei Robert -, desejoso de possuir um exército que lute pela sua reivindicação ao trono, alia-se a uma misteriosa religião oriental. Porém, seu irmão mais novo também se proclama rei. E, enquanto isso, os Greyjoy planejam vingança contra todos os que os humilharam dez anos atrás. Ainda, no distante Leste, poderosos dragões estão prestes a chegar aos Sete Reinos, trazendo fogo e morte... Um perigo de proporções gigantescas, muito maior do que as grandes guerras! Nesta tão esperada sequência de A Guerra dos Tronos, George R. R. Martin cria uma obra de incrível poder e imaginação. A Fúria dos Reis nos transporta até um mundo de glória e vingança, de guerras e magia, onde o poder e miséria podem se alterar no virar de uma página. Uma obra singular da literatura fantástica.

Título Original: The Storm of Swords
Autor: George R. R. Martin
Lançamento: 2011
Páginas: 880
Formato: Impresso
Categoria: Fantasia/Épico
Editora: LeYa
#3 saga "As Crônicas de Gelo e Fogo"
Esta sinopse contém spoiler para quem não leu "Guerra dos Tronos" e "Fúria dos Reis".
Sinopse:  Enquanto os Sete Reinos estremecem com a chegada dos temíveis selvagens, que atravessam a Muralha numa maré interminável de homens, gigantes e terríveis bestas, Jon Snow, o Bastardo de Winterfell, que se encontra entre eles, divide-se entre sua consciência e o papel que é forçado a desempenhar. Robb Stark, o Jovem Lobo, vence todas suas batalhas, mas será que conseguirá vencer os desafios que não se resolvem apenas com a espada? Arya continua a caminho de Correrrio, mas mesmo uma garota tão destemida como ela terá grande disficuldade em ultrapassar os obstáculos que surgem no caminho. Na corte de Joffrey, em Porto Real, Tyrion luta pela vida, depois de ter sido gravemente ferido na Batalha da Água Negra; Sansa, livre do compromisso com o homem que agora ocupa o Trono de Ferro, precisa lidar com as consequencias de ser a segunda na linha de sucessão de Winterfell, uma vez que Bran e Rickon foram dados como mortos. No Leste, Daenerys Targaryen navega em direção às terras de sua infância, mas antes ela precisará aportar nas desprezíveis cidades dos escravagista. Porém, a menina indefesa agora é uma mulher poderosa. Quem sabe quanto tempo falta para se transformar em uma conquistadora impiedosa?

Esta resenha não contem spoiler

Fazer uma crítica sobre a saga de George R. R. Martin, “As Crônicas de Gelo e Fogo”, é extremamente difícil, por três razões: a obra de Martin é complexa tanto em sua narração como em seus personagens, segundo porque deixar adjetivos como “ glamouroso”, “maravilhoso”, "excepcional” de lado é praticamente impossível e terceiro por tentar deixar de mencionar fatos marcantes como spoiler na empolgação de se falar sobre uma obra tão incrivelmente bem construída.
Para que a última razão mencionada não estrague os olhos do leitor, decidi fazer uma crítica da primeira trilogia da saga, isto é, os livros publicados de Martin antes do ano 2000, e antes do autor fazer uma pausa de quatro anos até lançar o quarto volume de “As Crônicas de Gelo e Fogo”, tentando assim descrever tal obra digna de ser mencionada, porém, sem manifestar eventos marcantes da narração.
A primeira trilogia, que consiste nos livros “Guerra dos Tronos”, “Fúria dos Reis” e “Tormenta de Espadas” deu ao escritor George Martin o apelido de “Tolkien Americano”, por construir um mundo, chamado Westeros e As Terras do Mar de Verão, tão altamente perfeito que pode ser equiparado à Terra Média da bíblia dos livros épicos: “O Senhor dos Anéis”. Tal comparação entre os autores é tanto correto como fantasioso. Tolkien, apesar de ser o pioneiro da fantasia épica, e de ser lembrado por descrever minuciosamente um mundo tão diferente do nosso, narra sobre o eventual poder do anel de Sauron sob a perspectiva de hobbits, anões, humanos e elfos. Martin descreve seu mundo tão minuciosamente quanto Tolkien, mas sua narração, personagens e emoções são extremamente complexas, de uma maneira que Tolkien, por ser o pioneiro e discorrer uma história completamente diferente da de Martin, não é.
A complexidade da história de Martin é daquelas que precisamos alimentar nossa mente com as informações dada pelo livro, dar uma volta pelos corredores de casa pensando sobre o que acabou de degustar nas páginas e voltar a lê-lo, é uma complexidade boa e inteligente, sem fios soltos, que nos faz admirar e saudar o glorioso escritor dessa saga esplêndida.
O mundo de Westeros, em que as estações do ano podem durar décadas, é governado pelo rei Robert, que precisa dominar sete reinos, desde que Aegon, o Conquistador, juntou os sete reinos em um só, fazendo sete reis ajoelharem-se perante seu poder, em um mundo que ainda existiam dragões e as preces dos deuses antigos eram realizadas.
O Rei Robert acaba de perder sua Mão, dada como um vice-rei e chamada aqui de Mão do Rei, John Arryn, do Ninho da Águia, para isso, o rei, sua rainha, Cersei da Casa Lannister, seus filhos e toda sua comitiva viaja um mês até chegar a Winterfell, governada pelo nortenho extremamente honrado, Eddard Stark. Robert então pede para que Eddard, chamado de Ned, seja a Mão do Rei, e Ned aceita.
Com a ida de Ned para Porto Real, onde é a sede do rei e a capital dos sete reinos, junto com suas filhas, Arya, e Sansa que fora prometida ao príncipe Joffrey. Seu filho mais velho, Robb toma conta do Norte, o filho bastardo de Ned, Jon Snow segue para a Muralha. Sem saber, Ned entra no jogo dos tronos, e entre tantas reviravoltas o mundo de Martin entra em uma batalha sangrenta pelo poder, os sete reinos acabam por ser divididos pelas guerras, e unidos por uma política corrupta, em que ninguém pode confiar em ninguém.
Entre os acontecimentos de Westeros, através do Mar do Verão, encontram-se Viserys e Daenerys, os únicos filhos da família real Targaryen, filhos de dragões, sobreviventes do massacre da guerra que Rei Robert comandou contra o Rei Aerys, o Rei Louco, tirando-o do trono. Rei Robert e seus fiéis servidores, entre eles a casa Lannister e os Stark, mataram todos da família Targaryen, para que ninguém reinvidicasse o trono anos mais tarde, mas a rainha e seus dois filhos fugiram para as terras livres, e agora Viserys pretende pegar de volta o trono do pai, usurpado por Robert.
Todos os personagens, das crianças ao mais velhos, são peões no jogo dos tronos, um jogo sujo de sangue e corrupção, em que a honra precisa ser deixada de lado se pretende-se sobreviver, e um passo errado, uma estratégia errada, ou até mesmo um pensamento errado pode acarretar a ruína de um reino. Valar morghulis – todos podem morrer.
Toda a sangrenta guerra acontece para que um sente-se no trono de ferro e comande sete reinos, mas também existem aqueles que como Jon Snow, guardam a Muralha de monstros que há muitos foram esquecidos, mas que com o inverno chegando, serão muito bem lembrados.
Entre o poder, corrupção, política e dignidade, a magia começa ser descrita aos poucos no mundo de Martin, como a água de uma torneira que pinga aos poucos, mas notavelmente escutamos seu barulho. Apesar dos reinos de Westeros terem se esquecido dos deuses antigos, rogando agora pelos novos deuses, a magia e seus operantes ainda vivem neste mundo.
A narração é feita por personagens, entre eles estaremos nos pensamentos do bom Eddard Stark, da senhora Catelyn Stark, do bastardo Jon Snow, da levada e astuta Arya, da senhorita Sansa, do ladrão Davos, do inteligentíssimo anão Tyrion e de sua irmã rainha Cersei, do complicado irmão gêmeo da rainha, Jaime, até do covarde Samwell.
Compartilharemos seus medos, anseios, vitórias, amores e políticas. Estaremos com eles enquanto uns são peões, outros bispos e até aqueles que manejam as peças dos reis e rainhas. A cada final de capítulo uma nova peça se move, e nossos corações irão bater em velocidade máxima enquanto lemos essa aventura épica de tirar o fôlego. Para aqueles que procuram um livro que lhe deixará uma recordação para sempre, aquele livro que te marcará, que passará de geração a geração, até tornar-se, dignamente um clássico. Sua busca chegou ao fim, “As Crônicas de Gelo e Fogo” é o livro que você estava procurando.

Citação:
"Se nunca estiverem seguros de quem você é ou do que quer, não podem saber o que é provável que faça em seguida. as vezes, a melhor maneira de confundi-los é fazer coisas que não tem nenhum propósito, ou até que parecem prejudicar você. Lembre-se disso, Sansa, quando começar a jogar o jogo.
- Que jogo?
- O único jogo. o jogo dos tronos."
(Tormenta de Espadas, pág 630)



Esta resenha também foi publicada no blog TriBooks.

Um comentário:

  1. Oi adorei sua resenha...mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos..acesse o link..www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem.

    ResponderExcluir