sábado, 30 de junho de 2012

NOTIÍCIA: O Livro Que Não Pode Esperar

Por Francine Estevão


Uma editora argentina, Eterna Cadencia, lançou recentemente “O Livro Que Não Pode Esperar”. O que ele tem de diferente? Ele é impresso com uma tinta especial que DESAPARECE em dois meses.

O livro é uma antologia de novos autores latinos, mas o leitor tem só 60 dias para ler a partir do momento em que ele começa a leitura por causa do contato com a luz.

A propaganda do livro diz o seguinte: “Livros são objetos muito pacientes. Eles esperam por dias, meses, até anos para serem lidos. Isso esta ‘ok’ para eles, mas não para os novos autores. Se as pessoas não lerem seus primeiros livros, eles nunca poderão fazer um segundo.”.

Confira o vídeo de divulgação: 







Resenha - "4 de Julho" de James Patterson e Maxine Paetro


Por Francine Estevão

Título Original: 4th of July
Título Nacional: 4 de Julho
Autor: James Patterson e Maxine Paetro
Lançamento: 2011 (original: 2005)
Páginas: 224
Categoria: Suspense, Policial
Editora: Arqueiro

Agradecimento especial Editora Arqueiro (Parceira Sociedade do Livro)


Sinopse: Lindsay Boxer é uma policial exemplar. Chefe do Departamento de Homicídios da Polícia de São Francisco, a tenente recebeu várias medalhas e menções honrosas durante seus 10 anos de serviço. Ao fim de um cansativo dia de trabalho, Lindsay se encontra com Claire Washburn e Cindy Thomas num bar. As três amigas compõem o Clube das Mulheres contra o Crime, grupo que tenta solucionar os casos ocorridos na cidade. Após alguns drinques, a tenente recebe uma ligação do inspetor Warren Jacobi. Ele acaba de localizar um veículo suspeito, visto na cena de um crime. Em poucos minutos Lindsay está no carro de Jacobi, cruzando a cidade na cola de um Mercedes preto. Depois de uma longa perseguição, a abordagem policial acaba fugindo do controle. Os dois adolescentes que estavam no carro reagem, descarregando suas armas contra a dupla de policiais. A tenente atira em legítima defesa, mas o resultado é uma menina morta e um garoto tetraplégico. Lindsay é acusada, entre outras coisas, de má conduta profissional e se vê num lugar que nunca imaginaria ocupar: o banco dos réus. Será o fim do Clube das Mulheres contra o Crime? A jovem advogada Yuki Castellano conseguirá provar a inocência da tenente? Enquanto aguarda o julgamento, Lindsay decide passar uma temporada em Half Moon Bay. Mas a pacata cidade vem sendo palco de crimes brutais e a polícia parece não fazer nada. Mesmo de licença e fora de sua jurisdição, a tenente resolve investigar os assassinatos, com a ajuda de Claire e Cindy. Para sua surpresa, ela encontra ligações entre aquelas mortes e um caso ocorrido 10 anos antes, que ainda é uma mancha em sua carreira. O Clube das Mulheres contra o Crime é uma das melhores séries de suspense de todos os tempos. Escrito de maneira ágil e envolvente, 4 de Julho comprova por que os livros de James Patterson sempre chegam ao topo das listas de mais vendidos nos países onde são publicados.

Geralmente enquanto leio um livro já vou, mentalmente, planejando minha resenha. Mas confesso que não esperava que minha opinião final sobre “4 de Julho” fosse ser tão diferente da opinião que tive do livro em geral.

Sempre gostei de histórias de suspense e investigação com mulheres no papel principal, no entanto, embora eu estivesse gostando de “4 de Julho”, eu não estava vendo nada demais nele. Estava inclusive achando um pouco entediante até chegar ao final, quando fiquei realmente impressionada com o desfecho. De boca aberta mesmo. E eu estou falando bem do finalzinho, lá pela página 190, o que comprova que uma única cena é capaz de mudar TUDO e fazer o livro todo valer a pena.

Lindsay é tenente da polícia de São Francisco até que vira réu após matar uma jovem e deixar um garoto para sempre em uma cadeira de rodas. Ela então é temporariamente afastada da polícia enquanto seu caso é julgado. Enquanto isso, ela resolve passar uns dias na casa da irmã em Half Moon Bay, quando uma série de homicídios começa a chegar aos olhos dos moradores da pequena cidade.

Mesmo afastada da polícia e fora da sua jurisdição, Lindsay não consegue evitar se envolver com os casos que têm uma grande semelhança com um caso não resolvido da tenente de 10 anos atrás.

Apesar do livro não te levar a ficar suspeitando de um ou de outro perosnagem o tempo todo, você acaba desconfiando de algumas pessoas e se surpreendendo com o ou os culpados. Até mesmo o resultado do julgamento de Lindsay é meio inesperado (será que estou falando demais?).

Então, quando você acha que o livro vai terminar sem uma solução ou então que aquela “monotonia” é tudo, ai vem o choque.

Não vou entrar em mais detalhes para não estragar a história. Mais eu diria para quem se dispuser a ler “4 de Julho”: o livro é pequeno e com capítulos curtíssimos, além de muito bem escrito, o que facilita a leitura. Então, corra até chegar ao final e então saboreie o desfecho do livro, que é muito bom.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Resultado - Sorteio Marcadores Sortidos + Bloco de Notas


Parabéns Débora Jacqueline você foi a TriSortuda do TriBooks e Sociedade do Livro e está levando para a casa um kit com marcadores sortidos e um bloco de notas!

Nota: Como o TriBooks não enviou o email de alerta uma semana antes do sorteio. Iremos contatar a ganhadora. Caso ela não responda o e-mail em cinco dias, este perde o valor e outro sorteio será realizado.


O TriBooks e a Sociedade do Livro agradecem a participação de todos!

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Resenha - "Coffeehouse Angel" de Suzanne Selfors

Por Roh Dover
Esta resenha foi publicada também no blog TriBooks

Título: Coffeehouse Angel
Autor: Suzanne Selfors
Lançamento: 2010
Páginas: 304
Editora: Walker & Company
Skoob


Sinopse: Da autora de "Saving Juliet" vem uma comédia romântica que é boa até a última gota. Quando Katrina vê um mendigo dormindo no beco atrás da loja de café da sua avó, ela decide deixar-lhe uma xícara de café, um saco de feijão com cobertura de chocolate, café e alguns pastéis. Mal sabe ela que esse ato aleatório da bondade está prestes a transformar a sua vida de cabeça para baixo. Porque este vagabundo adorável, Malcolm, é realmente um anjo da guarda em um intervalo entre as missões. E ele não vai sair até que ele possa recompensar a abnegação do Katrina, cumprindo seu desejo mais profundo. Agora, se só ela poderia decidir o que poderia ser. 


De tudo que esta resenha irá abordar sobre “Coffeehouse Angel” de Suzanne Selfors, preste atenção apenas nesta palavra:
Leia!
Aqueles que acompanham o TriBooks sabem que eu sou apaixonada por livros sobre anjos. Estou falando daqueles que nos guardam, nos protegem de todo mal, não tipo anjos-vampiros que andam escrevendo por ai. “Coffeehouse Angel” conquistou meu coração por inteiro, derreteu o gelo que existe e o aqueceu.
Katrina trabalha na cafeteria da avó, que vai indo de mal a pior nos negócios, e um dia quando vai abrir a cafeteria, encontra um garoto dormindo do lado de fora. Mil pensamentos ocorrem, desde ele ser um assaltante, um criminoso solto até um estuprador de adolescentes. Mesmo com tudo isso em mente, Katrina ainda teme que ele pode estar ali porque está morrendo de fome. Então ela lhe dá algumas bolachas, um copo de café e algumas balas. O que Katrina não esperava é que o garoto é na verdade um anjo mensageiro que agora precisa retribuir o favor de Katrina lhe dando o que ela mais deseja.
 Katrina não aceita tão fácil assim, e acha que o garoto é um louco que fugiu do hospício, ainda mais depois que ele lhe mostra um livro falando que está nas regras do além que ele precisa retribuir o favor daqueles que fazem o bem sem pedir nada em troca. Só que o livro que ele mostra não tem nada escrito. Está em branco #WeirdAlert-RUN! Mas coisas fora do comum começam a acontecer e talvez o garoto doido não seja tão esquisito quanto parece.
Malcolm é daqueles anjos fofos que dá vontade de abraçar e pedir “seja meu anjo da guarda por favor, por favor, por favor!”. Katrina é uma personagem principal que a gente adoraria ter como melhor amiga. Seus dois melhores amigos não ficam atrás. Elisabeth e Vicent são personagens adoráveis e claro que a Caçadora de Ratos (Ratcatcher) é a gata mais fofa do universo literário, fazendo par aí com o Fat Loui de “O Diário da Princesa” de Meg Cabot.
Os personagens de Suzanne nos envolve com tanto ardor que vivemos a história por eles. “Coffeehouse Angel” é daquelas histórias que dá vontade de terminar o capítulo e ligar para sua melhor amiga dizendo “bafão menina, ele tem asas no tornozelo!” como se Malcolm estivesse acabado de sair de casa.
“Coffeehouse Angel” entrou para a lista dos meus livros favoritos. E como eu sei quando um livro entra para lista dos favoritos? Quando eu termino de ler a primeira coisa que me vem na mente é que eu quero voltar a primeira página e começar a lê-lo novamente naquele mesmo instante. Quando eu sei que quando eu ficar velhinha, os livros de cabeceira serão aqueles meus livros listados como favoritos, porque são aqueles que sei que irei reler, de novo e de novo. Como sei que um dia irei reler “O Conde de Monte Cristo” de Alexandre Dumas e “E o Vento Levou” de Margareth Mitchell. Eu também irei reler “Coffeehouse Angel”.
Assim como “Coffeehouse Angel” aqueceu meu coração, também o adoeceu. É tão triste quando você gosta tanto de uma história e ela simplesmente tem que ter um fim. No final eu chorei e até agora não sei se foi por causa do final ou porque eu estava no final. 
Ao final dessa resenha eu quero que vocês prestem atenção apenas nesta palavra:
Leia!
Basta só isso. Leia “Coffeehouse Angel” e sinta como é ler um livro tão fofo e engraçado. Como é escrever personagens cativantes e uma história de entretenimento que o encherá de diversão e alegria e que aquecerá o coração de qualquer leitor.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Resenha - "Tiger's Voyage" de Colleen Houck

Por Roh Dover 
Esta resenha também foi publicada no blog TriBooks

 
Título Original: Tiger's Voyage
Título Nacional: A Viagem do Tigre
Autor: Colleen Houck
Lançamento: 2012
Páginas: 543
Categoria: Fantasia
Editora: Hodder/ Arqueiro
#3 Saga do Tigre

Sinopse: Com uma batalha que esta logo a frente com o vilão Lokesh, Kelsey ainda tem que se confrontar com mais uma vez o seu coração despedaçado: Em uma tragetória traumatica, seu querido Ren não se lembra mais dela. O trio ainda terá que enfrentar cinco dragões, Ren e Kishan mais uma vez brigam pela afeição de Kelsey, deixando-a mais confusa do que nunca. Cheio de perigo, preenchido com magia e empacotado com romance, A Viagem do Tigre leva Kelsey e seus dois tigres principes a mais um passo de quebrar a maldição.

“Tiger’s Voyage” só confirma o que já era para ser confirmado. Na terceira aventura de Kells para ajudar os tigres a quebrar a maldição imposta, mais uma vez Colleen arrasa total – no sentido maravilhosamente extraordinário da palavra.
Depois do final que deixou qualquer leitor de queixo caído com aquelas palavras saídas da boca do #SuperUltraFofoSexyGostoso do Ren no segundo livro da série, Colleen inicia o terceiro livro confirmando o que não queríamos que fosse confirmado. Aquilo de fato aconteceu. Para o desespero de todas as #TeamRen.
Também há a confirmação de que Colleen utiliza da técnica enrolação para preencher as páginas. E mais uma vez embarcamos nas páginas do livro e viramos as folhas freneticamente até chegar na aventura esperada. É algo da autora, e com certeza encontraremos mais nos próximos livros.
E assim como o primeiro e segundo livro da série, no momento que embarcamos na aventura indiana, tudo mais perde o sentido, nos transportamos magicamente para outro mundo maravilhoso.
Nesta terceira aventura teremos a companhia dos dois tigres (para a felicidade de todas!). E assim como Kells, nos sentimos cada vez mais confusas em relação aos nossos sentimentos para com cada um dos tigres. De um lado o lindo e protetor Ren, do outro o sexy e apaixonado Kishan. Oi? Ela vai ter mesmo que escolher só um no final? Porque lendo o livro, cheguei na conclusão que na verdade ela não precisa escolher, ela pode ficar com os dois. Sim, sim.
É assim que a autora nos deixa. Nesse processo de tentar escolher um, e na difícil escolha de aceitar que nunca decidiremos por um só, porque os dois são perfeitos. Hello?! Monogamia não é passado? #QueremosORenEKishan
Entre esse processo difícil entre decidir com qual irmão Kells quer ficar, embarcamos em uma das aventuras mais legais da série. E contando um pouco: veremos dragões! *.*
“Tiger’s Voyage” é o livro que menos tem enrolação até agora. Kells embarca em uma aventura de tirar o fôlego em poucas páginas, para a alegria de qualquer leitor. Bem menos do que a enrolação do começo de “O Resgate do Tigre”. No terceiro livro dessa série fantástica, veremos muita aventura, ação e magia.
Colleen mais uma vez nos transporta para um mundo que faz nossos olhos brilharem, magicamente nos leva a lugares esplêndidos utilizando toda nossa imaginação. Kells cada vez se aproxima da heroína Lara Croft do jogo "Tomb Raider". Não estou exagerando! Retirando a parte que Kells não tem pistolas nem sabe se defender, ela vive perfeitamente fases do jogo de "Tomb Raider". Pare para pensar! 

Fase número 14 – O Dragão Vermelho
Fase Final – A Sétima Pagoda

Descobre artefatos lendários, conhece mitos, encontra tesouros e no final ganha uma recompensa que enche os olhos de qualquer dono de museu. Tcharam!
A Colleen Houck é incrível e cada vez demonstra mais e mais sua magia de fazer qualquer leitor se apaixonar pela sua história e pelos seus tigres. 

terça-feira, 26 de junho de 2012

"Harry Potter e a Pedra Filosofal" completa 15 anos de lançamento

Por Maju Raz


Dia 15 de Julho vai fazer um ano que “Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte II” foi aos cinemas para emocionar, deixar saudade aos fãs e contagiar até quem não tinha tanta intimidade com a magia de Hogwarts. Hoje 26 de Junho, há exatamente 15 anos atrás, o livro "Harry Potter e a Pedra Filosofal" era lançado pela “Bloomsburry Publishing” em Londres. Um ano depois o mesmo livro foi lançado pela “Scholastic” nos EUA. No Brasil esse primeiro título chegou somente três anos depois e foi lançado pela editora “Rocco”. Era o primeiro romance de J.K.Rowling e ninguém imaginaria que seria o livro inicial de uma série de sete livros do bruxo mais famoso do mundo. 


Esse primeiro livro rendeu o filme lançado em 2001, com uma bilheteria de aproximadamente um bilhão de dólares. A partir daí, Harry Potter tornou-se um grande sucesso garantindo seus outros seis livros e sete filmes, tornando-se uma ascendência para os fãs. 


O Facebook do SuperNovo.net, em homenagem a data de hoje, fez essa montagem super legal:





“O Inverno das Fadas” de Carolina Munhóz



Por Maju Raz

Depois da votação da capa do livro “Inverno das Fadas” de Carolina Munhóz feita pelo site “Submarino”, a editora “FANTASY – Casa da Palavra” apresenta oficialmente seu mais novo romance de literatura fantástica que será lançado no próximo mês de julho e já se encontra em promoção de pré-venda. A autora Carolina promete abordar temas atraentes, polêmicos e instigantes para o público jovem brasileiro nesse seu novo título.

Confiram a Sinopse: Existem pessoas normais em nosso planeta. Homens e mulheres simples que nascem e morrem sem deixar uma marca muito grande ou mesmo significativa na humanidade. Mas existem outros que possuem talentos inexplicáveis. Um brilho próprio capaz de tocar gerações. Como eles conseguem ter esses dons? De onde vem a inspiração para criar trabalho maravilhosos? São cantores com vozes de anjos, artistas com mãos de criadores e escritores imortais.
Existe uma explicação para isso.

Sophia é uma Leanan Sídhe, uma fada-amante, considerada musa para humanos talentosos. Ela é capaz de seduzir e inspirar um homem a escrever um best-seller ou criar uma canção para se tornar um hit mundial. A fada dá o poder para que a pessoa se torne uma estrela, um verdadeiro ícone, ao mesmo tempo em que se aproveita da energia do escolhido para alimentar-se.

Causando loucura.

E MORTE.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

"Acorrentados"

Por Maju Raz

Um dia uma amiga enviou-me um texto por e-mail.O nome do escrito era "Acorrentados". Aí vi que quem escreveu esse texto era Paulo Mendes Campos, e que "Acorrentados" se encontrava no livro "O anjo bêbado". Aí eu quis muito esse e rodei sebos e sebos até acabar o encontrando.

É um livro muito gostoso cheio de opinião, contos, crônicas e belos poemas.

Sempre amei literatura brasileira, mas confesso que preciso me dedicar mais a ela.

Fica aqui o texto que acho o mais lindo do livro "O Anjo Bêbado" da Editora Sabiá - Rio de Janeiro, 1969, pág. 105.

 
Acorrentados

Paulo Mendes Campos

Quem coleciona selos para o filho do amigo; quem acorda de madrugada e estremece no desgosto de si mesmo ao lembrar que há muitos anos feriu a quem amava; quem chora no cinema ao ver o reencontro de pai e filho; quem segura sem temor uma lagartixa e lhe faz com os dedos uma carícia; quem se detém no caminho para ver melhor a flor silvestre; quem se ri das próprias rugas; quem decide aplicar-se ao estudo de uma língua morta depois de um fracasso sentimental; quem procura na cidade os traços da cidade que passou; quem se deixa tocar pelo símbolo da porta fechada; quem costura roupa para os lázaros; quem envia bonecas às filhas dos lázaros; quem diz a uma visita pouco familiar: Meu pai só gostava desta cadeira; quem manda livros aos presidiários; quem se comove ao ver passar de cabeça branca aquele ou aquela, mestre ou mestra, que foi a fera do colégio; quem escolhe na venda verdura fresca para o canário; quem se lembra todos os dias do amigo morto; quem jamais negligencia os ritos da amizade; quem guarda, se lhe deram de presente, o isqueiro que não mais funciona; quem, não tendo o hábito de beber, liga o telefone internacional no segundo uísque a fim de conversar com amigo ou amiga; quem coleciona pedras, garrafas e galhos ressequidos; quem passa mais de dez minutos a fazer mágicas para as crianças; quem guarda as cartas do noivado com uma fita; quem sabe construir uma boa fogueira; quem entra em delicado transe diante dos velhos troncos, dos musgos e dos liquens; quem procura decifrar no desenho da madeira o hieróglifo da existência; quem não se acanha de achar o pôr-do-sol uma perfeição; quem se desata em sorriso à visão de uma cascata ; quem leva a sério os transatlânticos que passam; quem visita sozinho os lugares onde já foi feliz ou infeliz; quem de repente liberta os pássaros do viveiro; quem sente pena da pessoa amada e não sabe explicar o motivo; quem julga adivinhar o pensamento do cavalo; todos eles são presidiários da ternura e andarão por toda a parte acorrentados, atados aos pequenos amores da armadilha terrestre.


Biografia de Paulo Mendes Campos 

Paulo Mendes Campos nasceu a 28 de fevereiro de 1922, em Belo Horizonte - MG, filho do médico e escritor Mário Mendes Campos e de D. Maria José de Lima Campos. Começou seus estudos na capital mineira, prosseguiu em Cachoeira do Campo (onde o padre professor de Português lhe vaticinou: "Você ainda será escritor") e terminou em São João del Rei.

Começou os estudos de Odontologia, Veterinária e Direito, não chegando a completá-los. Seu sonho de ser aviador também não se concretizou. 

Veio ao Rio de Janeiro, em 1945, para conhecer o poeta Pablo Neruda, e por aqui ficou. No Rio já se encontravam seus melhores amigos de Minas — Sabino, Otto, e Hélio Pellegrino. Passou a colaborar em O Jornal, Correio da Manhã e Diário Carioca. Neste último, assinava a "Semana Literária" e, depois, a crônica diária "Primeiro Plano". Foi, durante muitos anos, um dos três cronistas efetivos da revista Manchete.

Admitido no IPASE, em 1947, como fiscal de obras, passou a redator daquele órgão e chegou a ser diretor da Divisão de Obras Raras da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro.

Em 1951 lança seu primeiro livro, "A palavra escrita" (poemas).

Casou-se, nesse mesmo ano, com Joan, de descendência inglesa, tendo tido dois filhos: Gabriela e Daniel.

Buscando meios de sustentar a família, Paulo Mendes Campos foi repórter e, algumas vezes, redator de publicidade

Foi, também, hábil tradutor de poesia e prosa inglesa e francesa — entre outros Júlio Verne, Oscar Wilde, John Ruskin, Shakespeare, além de Neruda, tendo enriquecido sua experiência humana em viagens à Europa e à Ásia.

Em 1962, experimentou ácido lisérgico, acompanhado por um médico.  Relatou sua experiência em artigos publicados na revista "Manchete", depois reproduzidas em "O colunista do morro" e em "Trinca de copas", seu último livro. Disse que a droga abriu "comportas" e ele se deixou invadir pelo "jorro caótico"do inconsciente até sentir o peso e a nitidez das palavras que produziam um "milagre da voz". E completava: "A comparação não presta, mas por um momento eu era uma espécie de São Francisco de Assis falando com o lobo. O lobo também sabe que amor com amor se paga".

Fonte: Releituras

domingo, 24 de junho de 2012

Presos federais terão direito a 4 dias de pena diminuídos por livro lido


Por Francine Estevão


Presos em regime fechado em penitenciárias federais vão ter a pena diminuída através da leitura.

O detento adere ao projeto apenas se quiser e ele deve ler o livro em até 30 dias e fazer uma resenha que vai ser analisada por uma comissão que vai verificar se a resenha está dentro do que o livro realmente trata.

As penitenciárias vão ter que disponibilizar pelo menos 20 exemplares de cada obra do projeto entre literatura clássica, científica ou filosófica.

Para cada livro lido, 4 dias podem ser reduzidos da pena do preso.

Fonte: G1

DICA: 10 Coisas que talvez todo aspirante a escritor deveria saber

Por Francine Estevão


Esse post é mais um tirado do blog Listas Literárias e dessa vez é para aqueles que além de ser leitor gostaria de passar para o outro lado da história e ser também escritor (assim como eu).
Então, ficam algumas dicas:


1 – Você não é melhor que Stephenie Meyer, ou qualquer outro autor famoso contestado. E por mais doido que isto pareça, muitos aspirantes se baseiam em autores cuja crítica ás vezes incomoda como única justificativa para se lançarem na carreira. A filosofia “se até ela conseguiu, eu também consigo” não é a melhor forma de pensar de quem ainda é um aspirante. Todo mundo que alcança o sucesso, é porque teve alguma qualidade. O que não quer dizer também que você nunca chegará lá. Mas no princípio jamais seremos melhor daqueles que estão nas bancas;

2 – Não basta escrever. Mesmo que você tenha ótimos textos, uma narrativa original, e até mesmo um bom número de leitores, isto não é suficiente. O aspirante a escritor tem de compreender o mercado editorial, saber cada passo que torna um texto um livro, pois só assim compreenderá que quem realmente quer ingressar nessa carreira, deve ter paciência, e não se martirizar em busca de resultados imediatos, pois para ser um escritor, o tempo é o melhor amigo;

3 – Leia. Este provavelmente é um conselho unânime dado por escritores que já chegaram lá. Talvez martelem isto por que existem aspirantes que acreditam poder escrever sem ler. Mas isto é impossível, portanto se queres te tornar um escritor, seja antes um grande leitor;

4 – Conheça as receitas, mas prefira a sua. Na internet, aspirantes a escritor podem encontrar uma infinidade de dicas para quem quer ser um escritor – inclusive esta -. Leia cada uma delas , e busque extrair a essência de cada uma delas, mas saiba que para cada autor, as coisas acontecem de determinada fórmula, e com você não será diferente. É muito mais provável você chegar ao sucesso com sua própria receita, do que seguir os passos que já foram trilhados;

5 – Escreva muito. Não basta escrever um romance. Todo escritor necessitará do hábito. A ciência inclusive cogita que o sucesso pode estar ligado á quantidade de exercícios e horas dedicada a sua atividade. Portanto o escritor que elabora textos com certa freqüência, terá provavelmente como resultado o aperfeiçoamento de sua escrita. Então jamais deixe de escrever. Faça um blog, envie um artigo pra jornal... Escreva sempre.

6 – A gaveta é sua inimiga. Convenhamos, a timidez ou o medo não são os melhores amigos dos escritores. Você pode ter escrito um grande romance, mas se ninguém lê-lo, ele jamais será reconhecido. E por mais que a gaveta se insinue como uma grande confidente não é o melhor lugar para guardar seus textos.

7 – Não tenha medo. Aspirantes a escritores não podem ter medo. Sei que ás vezes novos escritores podem ser atingidos por diferentes temores, mas só galgam a vitória e o sucesso os destemidos, e isto amigos, ocorre desde que o mundo é mundo. Não tenha medo de mostrar seu original, não tenha medo de investir em seu trabalho, não tenha medo do que os outros vão achar... Trace suas metas, encontre a sua receita, e vá em frente.

8 – Não tenha medo do não! Eles virão de todas as formas. Principalmente de grandes casas editoriais. E entenda que eles não têm culpa, nós é que estamos prolíferos, e hoje há muita gente desejando ser o próximo Best-seller. E “não” será uma palavra habitual a ouvirmos, e é necessário lidarmos com esta palavra, afinal o mesmo ocorre com atores, modelos, cantores... Em qualquer profissão você poderá ser dispensado. No mundo dos livros não será diferente. E só chegarão ao cume os que não esmorecerem com os nãos que surgirão!

9 – Só roubarão sua idéia se você deixar. Sim esta é uma grande preocupação de novos autores. Muitos temem que sua idéia seja roubada. Confesso que acho muito difícil, mas cuidado e canja de galinha não faz mal a ninguém. Para isso tem a Biblioteca Nacional, ou ainda sites em que te permitem publicar sua obra completa como o Bookess. Eu inclusive prefiro este último, já que além de certa forma tornar público que aquela obra é de minha autoria, também posso obter a reação inicial dos leitores;

10 – Aproveite cada “Sim!”. Se houver persistência eles chegarão. Aí você terá a tarefa de triar se o este “Sim!’ está de acordo com sua própria receita de sucesso. E se estiver, siga em frente, pois amigos será o seu empenho, a sua dedicação, a sua vontade de conseguir que dirá se terá ou não sucesso.

Livros digitais são pouco populares no Brasil


Por Francine Estevão



Pelos menos 9 milhões e 500 mil pessoas lêem livros digitais no Brasil. No entanto, isso representa apenas 5% dos brasileiros.
Entre os leitores de livros digitais, a maioria é do sexo feminino, tem curso superior e idade entre 18 e 24 anos.
A maior parte desses pouco mais de 9 milhões de pessoas fica na regiao Centro-Oeste do país e são da classe A.
Além disso, 45% dos entrevistados na pesquisa feita pelo Instituto Pró-Livro e pelo IBOPE disseram nunca terem nem mesmo ouvido falar em e-books.

Fonte: AdNews

sábado, 23 de junho de 2012

Resenha – “As viagens de Alice” de Alice Steinbach

Por Francine Estevão
Título Original: Educating Alice: adventures of a curious woman
Título Nacional: As viagens de Alice
Autor: Alice Steinbach
Tradução: Maria do Carmo Zanini
Lançamento: 2011 (original: 2004)
Páginas: 399
Categoria: Viagens, biografia
Editora: Benvirá

Sinopse: Cansada de sua vida sem graça, a jornalista Alice Steinbach resolveu dar um tempo. Pediu licença no trabalho, afastou-se dos amigos e da família e partiu numa jornada de autoconhecimento pela Europa. Ao voltar, não conseguiu se adaptar à antiga rotina. Pediu demissão e caiu no mundo, tendo como único compromisso satisfazer suas três maiores paixões: viajar, aprender e escrever. Este divertido e sensível livro acompanha a volta ao mundo de Alice para recuperar o tempo perdido. O roteiro segue exclusivamente seus desejos e desafia suas habilidades. Das aulas de culinária na famosa escola de gastronomia do hotel Ritz – onde descobriu que nem mesmo cortar um legume é tão fácil quanto se imagina – à entrega aos ritmos calientes em Cuba, passando pelas artes japonesas e pelo fascinante mundo das gueixas em Kyoto, os programas de Alice não estão em nenhum guia turístico. E como satisfazer seus desejos é o lema da viagem, por que não se deixar envolver por um charmoso japonês que cruza seu caminho? Quem sabe esse encontro mude o roteiro de sua vida outra vez...

A jornalista Alice Steinbach faz o que muita gente gostaria de fazer: larga o emprego para viajar o mundo (além do fato de vender livros/ganhar dinheiro contando sobre isso). Um tempo aqui, outro ali, mas em vez de sair por ai a esmo, ela não escolhe seus destinos simplesmente pelo lugar em si. Ela tem sempre um objetivo em todo lugar que visita e é isso que torna a história de “As viagens de Alice” diferente de qualquer simples narração de uma viagem.
Devo dizer ainda que este é um livro que divide o leitor ao longo de suas páginas. Isso porque, a forma como é escrito, permite que nós gostemos muito de uma parte e nenhum pouco de outra.
Eu, por exemplo, AMEI o capítulo em que Alice vai à Inglaterra conhecer mais a fundo a vida e obra da escritora Jane Austen. Também adorei o capítulo quando ela está em Paris para aprender a culinária francesa (dá até vontade de fazer um curso daqueles e sair cozinhando – ou tentando cozinhas – por aí). Também me senti completamente envolvida com a viagem a Havana e a Praga. Esses capítulos, para mim, foram extremamente gostosos e rápidos de ler, além de super envolventes.
No entanto, as aulas de dança em Kyoto, os jardins secretos de Provence e o mistério da igreja florentina demoraram para passar, assim como comandar cães e carneiros na Escócia, embora este último tenha sido bem engraçado  em alguns momentos.
Mas terminei o livro - que além da narração da autora, conta com diálogos e com cartas que ela manda para um namorado – com a certeza de que esse é o livro “bom” ou “ruim” mais relativo que eu já li. Vai de cada leitor gostar ou não de uma parte ou de outra de acordo com suas preferências. No entanto, é inegável que, no geral, “As viagens de Alice” é um bom livro e o que faz dele bom, são as histórias, a narrativa e a história dele que é contada de uma forma incrível e envolvente, levando o leitor a cada um dos lugares pelos quais Alice passou. Seu olhar para as coisas, paras as pessoas e a forma como ela nos transmite isso é encantador e inspirador. Sim, inspirador. Porque eu duvido que alguém, ao terminar de ler este livro (e durante a leitura também), não se sina tentado a fazer o mesmo e a acrescentar na lista de “lugares para conhecer” alguns dos citados no livro.
Mas, mais do que um livro sobre lugares, “As viagens de Alice” é um livro sobre conhecimentos, aprendizagem, pessoas e cultura.

“Minha animação ao ver um novo canto do mundo foi um tranco que me fez lembrar por que viajar era tão fascinante e importante para mim.” (p.164)

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Sorteio do Mês – JULHO: “Batons, assassinatos e profetas” de Mehmet Murat Somer

Sinopse: A noite de Istambul não é mais a mesma. Um serial killer está à solta e a cada assassinato o ritual de morte se torna mais bizarro: travestis com nomes de profetas começam a cair mortas numa série de crimes que remetem ao Alcorão. De dia, um técnico de informática; nas concorridas noites da cidade, uma travesti e sócia de uma casa noturna - eis o protagonista (ou seria melhor dizer a protagonista?) escolhido pelo escritor turco Mehmet Murat Somer para deixar o batom de lado e sair à caça do fanático religioso em seu bem-humorado romance de estreia, Batons, Assassinatos e Profetas.  
A tarefa desse personagem tão divertido quanto sedutor, sobre o qual o leitor não sabe nem o nome, não é nada fácil, principalmente com as pressões do seu corrido dia a dia: as investigações acontecem entre uma sessão e outra de depilação e disputam espaço com seus amantes rotativos. E, ainda que seja difícil correr atrás de um assassino com salto agulha e roupa de couro, ela é a investigadora perfeita: conhece o mundinho como ninguém, pesquisa na internet como um ás da informática e seu barman é o maior fofoqueiro da cidade. A questão é: conseguirá ela desvendar o mistério sem desfazer suas unhas nesta trama que desafia a sobriedade do gênero policial, com pinceladas dignas de um filme de Almodóvar?

Sorteio válido até 24 DE JULHO de 2012.

Para participar do sorteio é OBRIGATÓRIO:

1 - Residir no Brasil

2 - Seguir o blog publicamente pelo Google Friend Connect (basta ter uma conta no Gmail, Twitter ou Facebook) – ao fazer isso você deve preencher o formulário como “primeira participação”

3 - Deixar um comentário neste post

4 - Preencher o formulário abaixo


CHANCES EXTRAS:

-seguir a @Sociedade_Livro no twitter (preencher o formulário mais uma vez)

-divulgar no twitter a frase: “Quero ganhar o livro “Batons, assassinatos e profetas” de Mehmet Murat Somer que a @Sociedade_Livro está sorteando http://migre.me/9BjQn" (preencher o formulário mais uma vez)

-adicionar a Sociedade do Livro no Facebook (preencher o formulário mais uma vez)

Avisos:

- A primeira participação é OBRIGATORIAMENTE seguir o blog da Sociedade e comentar neste post (não serão aceitos formulários que estiverem marcando as opções extras como primeira participação).

- As pessoas que não seguirem as regras OBRIGATÓRIAS serão DESCLASSIFICADAS caso sejam sorteadas, sendo feito assim um novo sorteio.

- O ganhador vai receber um e-mail da Sociedade do Livro informando que ele ganhou o sorteio. Ele tem até 5 dias para responder o e-mail para a nossa equipe. Se não aparecer dentro deste prazo estabelecido, o sorteio perde o valor e um novo sorteio é realizado.O sorteio vai ser feito pelo site random.org e faremos um print na página, para mostrar o ganhador.

CLUBE DO LIVRO FNAC: Sexto Encontro da Sociedade do Livro no Espaço Eventos da FNAC Ribeirão Preto

Por Sociedade do Livro



Este post pode ter alguns spoilers do livro "Possuída" de Vanessa Bosso
O sexto encontro da Sociedade do Livro, dia 20 de junho de 2012, às 19h30 no espaço de eventos da FNAC Ribeirão Preto foi cheio de comentários, discussões e muita, muita chuva na cidade.
O livro discutido foi “Possuída” da ribeirão pretana Vanessa Bosso que, para nossa felicidade, estava presente no encontro e provavelmente deve ter saído de lá achando que nós, coordenadoras da Sociedade, somos três loucas com imaginação muito fértil.
O encontro do mês de junho foi dedicado só ao livro da Vanessa, já que comentamos tanto sobre a história de Alicia, Gael e Lucian que quando vimos já era hora de votar no livro do mês seguinte.
“Possuída” narra a história de Alicia, uma adolescente que mora com o irmão depois que um trágico acidente tirou a vida de seus pais e de seu irmão mais novo. Tudo muda na pacata vida da adolescente quando Lucian, um cara sexy e maravilhoso chega na escola em que Alicia estuda. O que Alicia não sabe é que seu anjo da guarda está preso na árvore da morte nos confins do inferno, e que Lucian e seu pai – Lucifer – tem um plano que irá destruir a vida de todos, e para que isso de certo, eles irão precisar de Alicia.
Comentamos sobre tudo no livro. T-u-d-o mesmo. Sobre Lucian e seu Camaro, sobre Gael ter anteninhas e ser verde em determinado momento da história de acordo com uma das coordenadoras do Clube, sobre o Camaro de Lucian, sobre o Gael não ter anteninhas em nenhuma parte da história, sobre Lucian ter um Camaro, sobre Gael ser o anjo da guarda mais fofo do mundo, sobre Lucian ser o cara mais sexy do mundo...e ter um Camaro. Na verdade, a discussão sobre Gael e Lucian tomou conta de uma boa parte do debate.
Também falamos como queríamos afogar a Alicia para roubar o pacotinho que ela precisa abrir, mas não abre. Imaginamos um monte de estratégias para que ela abrisse o pacotinho: como o pai de Alicia descer do céu e falar para ela abrir de uma vez o pacotinho, também comentamos que se fossemos amigas de Alicia iríamos abrir o pacotinho primeiro. Imaginamos tantas maneiras de abrir o pacotinho antes de Alicia, que o pai de uma das coordenadoras que estava presente e leu o livro, ficou assustado como que nós conseguíamos realmente incorporar a história. 

E a gente diz: A base é uma boa imaginação fértil. 

Se uma coordenadora conseguiu imaginar o Gael com anteninhas e verde ao estilo das fadas do novo filme da Branca de Neve (Branca de Neve e o Caçador), tudo pode ser imaginado. Outra coordenadora até conseguiu prever o futuro do universo só analisando os desenhos do livro – e ela os analisou por muito tempo. Chegamos até a tentar convencer a Vanessa a dar uma continuação na história. Depois que entendemos que não iria acontecer, começamos a combinar de escrever uma fanfic para história. E ai o debate Lucian x Gael e quem seria o principal entrou no debate. De novo. E o Camaro também.
Debatemos sobre o susto no espelho que Alicia leva, a mensagem nos feijões espalhados pelo chão e o momento Chico Xavier do livro e chegamos na conclusão que para uma imaginação fértil que nem a das coordenadoras, “Possuída” não é um livro que se deva ler a noite. Discutimos também sobre o final incrível do livro, as ligações entre uma trama e outra que nos faz perder o fôlego. Também falamos da criatividade de Vanessa de imaginar espectros do mal saindo de buracos de minhoca (#dahora).
Comentamos também que Vanessa tem uma escrita fácil de ser lida, que não trava. Flui normalmente. Como se as palavras realmente dessem lugar as imagens.
Foi um debate mais que adorável. Um dos primeiros debates que discutimos como se os personagens fossem pessoas reais de tão cativantes que eles se tornaram, como se a vida deles realmente estivesse em risco.
Depois de horas divagando sobre o mundo de Gael e Lucian, tinha chegado a hora de votar nos indicados para o debate do mês de julho, que foram: “Você esta Sendo Vigiado” de Gregg Hurwitz, “Resposta Certa” de David Nicholls, “Tudo que Ela sempre quis” de Barbara Freethy e “Do seu Lado” de Fernanda Saads. Com a maioria dos votos, o vencedor foi “Tudo que ela sempre quis” de Barbara Freethy.
Agradecemos o apoio da FNAC Ribeirão Preto por ceder o espaço eventos para os encontros mensais. Também agradecemos a presença da Vanessa Bosso – adoramos, adoramos, adoramos conversar sobre “Possuída” com você! - Agradecemos as editoras parceiras: Editora Arqueiro, Universo dos Livros e Lua de Papel. Agradecemos também aos nossos participantes presentes em mais um encontro da Sociedade do Livro.

Esperamos vocês no próximo encontro da Sociedade do Livro às 19h30 no espaço de eventos da FNAC Ribeirão Preto para debater sobre o livro "Tudo que ela sempre quis" de Barbara Freethy!

RESULTADO SORTEIO DE JUNHO – “Cilada” de Harlan Coben

Gente, fiquei impressionada com a quantidade de formulários que recebemos para participar desse sorteio que literalmente bombou. Quase chegamos nos mil.

Mas como só uma pessoa pode ganhar...

Antes, quero fazer uma observação. Dessa vez, precisamos repetir o sorteio do número que ia levar “Cilada” para casa porque a primeira pessoa sorteada não tinha atendido uma das regras obrigatórias de participação que é comentar no post do sorteio.
Então, fiquem atentos às “exigências” para concorrer aos livros porque se não, de nada adianta preencher o formulário se os requisitos obrigatórios não forem seguidos corretamente. Então precisamos sortear um novo número que atendesse a todos requisitos.

Mas vamos lá.

Resultado Sorteio do Mês – “Cilada” de Harlan Coben:





Lembrando que o sorteio foi feito pelo random.org


Parabéns, ELTON SIMOMKAY. Você vai receber o nosso e-mail e tem 5 dias para responder. Se dentro desse prazo nós não recebermos o e-mail com seus dados, outro sorteio vai ser feito.

Obrigada a todos que participaram e vamos lá que já tem sorteio novo rolando!

Lançamento Arqueiro - "Refúgio" de Harlan Coben

Por Francine Estevão



A editora Arqueiro (parceira da Sociedade do Livro) acaba de lançar mais um sucesso do escritor Harlan Coben, “Refúgio”.



Sinopse: Apresentado ao público pela primeira vez no suspense Alta tensão, Mickey Bolitar se vê obrigado a ir morar com seu tio Myron, um ex-agente do FBI, após testemunhar a morte do pai e internar a própria mãe numa clínica de reabilitação. Agora o rapaz precisa se esforçar para conviver com o tio, de quem nunca gostou muito, e ainda se adaptar ao novo colégio. Para sua sorte, ele logo arruma uma namorada, a doce Ashley, que também é nova na escola. Quando sua vida parece estar entrando nos eixos, o destino lhe reserva uma surpresa: Ashley desaparece misteriosamente. Determinado a não perder mais uma pessoa importante em sua vida, Mickey contará com a ajuda de seus novos amigos, os excêntricos Ema e Colherada, para seguir o rastro da namorada. Para piorar, uma idosa reclusa da vizinhança lhe conta que seu pai ainda está vivo, sem dar maiores explicações. Quando esses dois mistérios se cruzam, Mickey descobre que está envolvido numa rede de intrigas que o levará a questionar a vida que acreditava ter.
Perspicaz e esperto como o tio Myron, Mickey está disposto a fazer tudo o que for preciso para salvar as pessoas que ama.

Leia um trecho de "Refúgio" aqui.

CLUBE DO LIVRO FNAC: Encontro Sociedade do Livro - JULHO

No próximo dia 24/07, terça-feira, às 19h30, a Sociedade do Livro volta a se reunir no espaço de eventos da Fnac do Ribeirão Shopping, para mais um debate literário.

Dessa vez, vamos falar sobre o livro “Tudo o que ela sempre quis” de Barbara Freethy.

O livro foi sugestão de uma das coordenadoras da Sociedade e escolhido pela votação dos participantes presentes no nosso último encontro.

O evento é gratuito e aberto ao público. Todo mundo que gosta de ler e quer dar sua opinião sobre o livro do mês ou sobre alguma outra obra, até mesmo quem gosta apenas de acompanhar quietinho, só ouvindo o debate, é muito bem vindo!

Além da discussão sobre “Tudo o que ela sempre quis”, vamos também escolher o livro para o encontro de Agosto e ainda vamos sortear livros e brindes entre os participantes.

Então, nós esperamos vocês lá na Fnac do Ribeirão Shopping no próximo dia 24/07!

Para dúvidas e sugestões, entrem em contato com a gente pelo sociedadedolivrorp@gmail.com



“Tudo o que ela sempre quis” de Barbara Freethy

Sinopse: Ela era a melhor amiga deles, ou assim eles pensavam — até anos mais tarde, quando seus segredos os levam a uma perigosa busca pela verdade sobre quem ela realmente fora... e por que morrera... Dez anos atrás, em uma festa louca, a linda e estonteante Emily caminhava para sua morte, deixando seus três melhores amigos e suas "irmãs" — Natalie, Laura e Madison — devastados. Nenhum deles esquecera aquela noite — ou o papel que cada um teve na morte de Emily, a culpa que os persegue e a perda que ainda sofrem. Agora, um escritor desconhecido entra na lista dos livros mais vendidos com um romance similar à história deles. Quem é ele? Como ele sabe os detalhes íntimos de suas vidas? E por que ele está acusando um deles como assassino? Quando eles começam a desvendar a verdade sobre a amiga em comum, irão redescobrir um amor que ela perdeu há muito tempo e descobrir segredos que vão mudar sua vida para sempre...

Encontro de JULHO da Sociedade do Livro
Data: 24/07/2012 (terça-feira)
Horário: 19h30
Local: Fnac Ribeirão Shopping
Livro do mês: “Tudo o que ela sempre quis” de Barbara Freethy

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Resenha - "O Resgate do Tigre" de Colleen Houck

Por Roh Dover 

Título Original: Tiger's Rescue
Título Nacional: O Resgate do Tigre
Autor: Colleen Houck 
Lançamento: 2012
Páginas: 432
Categoria: Fantasia
Editora: Arqueiro
#2 Saga do Tigre
Sinopse:  Kelsey Hayes nunca imaginou que seus 18 anos lhe reservassem experiências tão loucas. Além de lutar contra macacos d'água imortais e se embrenhar pelas selvas indianas, ela se apaixonou por Ren, um príncipe indiano amaldiçoado que já viveu 300 anos. Agora que ameaças terríveis obrigam Kelsey a encarar uma nova busca – dessa vez com Kishan, o irmão bad boy de Ren –, a dupla improvável começa a questionar seu destino. A vida de Ren está por um fio, assim como a verdade no coração de Kelsey. Em O Resgate do Tigre, a aguardada sequência de A Maldição do Tigre, os três personagens dão mais um passo para quebrar a antiga profecia que os une. Com o dobro de ação, aventura e romance, este livro oferece a seus leitores uma experiência arrebatadora da primeira à última página.

Esta resenha não tem spoiler para quem não leu "A Maldição do Tigre"
Colleen Houck continua na minha estante de ouro ao lado dos mestres Alexandre Dumas, Tolkien, George Martin, J.K Rowling e Margaret Mitchell. Sem dúvidas que “O Resgate do Tigre”, segundo volume da Saga do Tigre, me cativou ainda mais que o primeiro livro e seu tigre de olhos azuis cobalto.
Porém, porque sempre existe um porém? Colleen anda pecando um pouco na técnica da enrolação. Em “A Maldição do Tigre” dá para entender que a autora precisa nos apresentar a essência da história. Já no segundo livro, não há nada mais a ser apresentado e Colleen utiliza-se do espaço da apresentação do primeiro livro, para deixar a Kelsey mais tempo longe de seus tigres e da aventura na Indía que tantos leitores querem ler.
É um pouco parecido com a estratégia da J.K. Rowling em Harry Potter, quando não desgrudamos das páginas até o bruxinho famoso chegar a tão querida Hogwarts. Como se assim como Harry, estivéssemos ansiosos para o dia primeiro de setembro chegar e nos ver longe dos Tios Dursley. Em “O Resgate do Tigre” roemos as unhas, comemos pipoca na cama, dormimos abraçados com o livro até que Kelsey chegue na esperada aventura na Indía.
E assim como quando Harry chega em Hogwarts, e Kelsey embarca na sua aventura da Indía atrás de quebrar mais uma porção da maldição, tudo vale a pena. A espera vale a pena, as noites mal dormidas valem a pena, a tensão, nervosismo e ansiedade valem a pena. Porque mais uma vez, Colleen nos leva ao mundo magnificamente esplendido. Outra aventura de tirar o fôlego. Ela arrasa total gente!
Só que dessa vez, Kelsey só vai se aventurar nas lenda indianas - com direito a conversa particular com o próprio Dalai-lama - com apenas um tigre. E ele não é branco de olhos azul cobalto.

Ele é de pelagem negra, e olhos dourados. *.*

O romântico atrevido do Kishan, irmão de Ren. E assim Kells embarca em uma aventura em Shangri-la, conhece os corvos Rodin e Mudim e entra na árvore da vida.
Já falei que Colleen Houck é demais? Porque essa mulher merece prêmios e prêmios! Esquecemos que passamos dias e dias ante a enrolação do começo, quando Mr. Kadam começa a nos contar mitos indianos lindos, lindos.
Colleen continua com sua arte de criação espetacular, nos levando a um mundo brilhante e que definitivamente estava em desfalque na literatura. A Saga do Tigre veio no momento certo para preencher essa lacuna nas estantes, e nos encher de fantasia dentro de nossa imaginação.
 

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Editora LeYa divulga prólogo de "A Dança dos Dragões" de George R. R. Martin

Por Roh Dover (Via TriBooks)


A editora LeYa divulgou o prólogo de "A Dança dos Dragões", quinto livro da saga "As Crônicas de Gelo e Fogo" de George R. R. Martin. A saga está prevista para ter sete volumes, sendo que o escritor está trabalhando atualmente no sexto. "A Dança dos Dragões" tem previsão de lançamento para 27 de junho de 2012, e a editora LeYa estará do dia 23 de junho em diante publicando capítulos do livro até o dia de seu lançamento. Para ler o prólogo, clique aqui (hospedado na conta issu do site Sobre Livros)

Fonte: Sobre Livros

terça-feira, 19 de junho de 2012

Pré-venda de "Jogando Xadrez com os Anjos" de Fabiane Ribeiro

Por Francine Estevão

O livro “Xadrez” da escritora Fabiane Ribeiro está repaginado e ganhou nova capa e novo título para ser lançado pela editora Universo dos Livros.

Pra quem não aguenta de ansiedade, o livro “Jogando Xadrez com os Anjos”, que vai ser lançado em 12 de agosto, na Bienal do Livro de São Paulo, já está em pré-venda na Saraiva.



Sinopse: Inglaterra, 1947. A Europa encontra-se devastada pela Segunda Guerra Mundial, assim como o coração de Anny. A garota de oito anos vê seu mundo desmoronar ao receber a notícia de que não poderá mais viver com os pais e terá que se mudar de casa levando pouco mais que seu tabuleiro de xadrez. Tudo parecia um pesadelo, até que surge Pepeu, um jovem misterioso que mudará para sempre a vida de Anny, levando-a a aprender sobre o mundo e a viver momentos emocionantes sem sair dos canteiros de seu pequeno jardim. Ao lado de anjos que são colocados em sua jornada, a doce menina aprende a enfrentar as dificuldades através de lições de abnegação, fé e amor verdadeiro.

Resenha aqui.

Mais informações sobre o livro: