terça-feira, 2 de outubro de 2012

Resenha - "Cinquenta Tons de Liberdade"

Por Juliana Garzon



Título Original: Fifty Shades Freed
Título Nacional: Cinquenta Tons de Liberdade
Autora: E.L. James
Lançamento: 2011
Páginas: 579
Editora: Vintage (EUA)

Sinopse: Quando a ingênua Anastasia Steele conheceu o jovem empresário Christian Grey, teve início um sensual caso de amor que mudou a vida dos dois irrevogavelmente. Chocada, intrigada e, por fim, repelida pelas estranhas exigências sexuais de Christian, Ana exige um comprometimento mais profundo. Determinado a não perdê-la, ele concorda. Agora, Ana e Christian têm tudo: amor, paixão, intimidade, riqueza e um mundo de possibilidades a sua frente. Mas Ana sabe que o relacionamento não será fácil, e a vida a dois reserva desafios que nenhum deles seria capaz de imaginar. Ana precisa se ajustar ao mundo de opulência de Grey sem sacrificar sua identidade. E ele precisa aprender a dominar seu impulso controlador e se livrar do que o atormentava no passado. Quando parece que a força dessa união vai vencer qualquer obstáculo, a malícia, o infortúnio e o destino conspiram para transformar os piores medos de Ana em realidade.

*Contém spoilers desta e das duas edições anteriores*

Mr. & Mrs Grey passam a lua de mel viajando pela Europa... Irlanda, Inglaterra e depois Paris e o sul da França. Ana tenta se ajustar ao mundo de riqueza e luxo em que Christian vive. Vamos combinar que, ainda mais diante dos gostos eeer, diferentes dele, o mais fácil é se ajustar ao dinheiro e às modormias. Acontece que com todo o dinheiro e a fama de Christian, sempre tem aqueles que querem o que é dele. Podem falar o que quiserem, mas com certeza Mr.Grey merece muito crédito pelo império que construiu- com a ajuda da Mrs. Robinson (ew). Falando nela, nesta última edição da trilogia o casal está ainda mais unido e Christian consegue exorcizar a dita da vida dele- mas só depois de correr para ela uma última vez.

E o motivo de ele ter ficado tão desesperado é culpa da própria Ana e, pela primeira vez desde que comecei a ler esta história, me identifiquei com Christian. Com toda razão ele fica bravo porque Ana engravidou. Tá que ele não precisava ter tido aquela reação, mas oooow!, ela realmente só tinha que fazer uma coisa: tomar as injeções de hormônio. A médica até passou da pílula para a injeção para ela não precisar se lembrar de tomá-la todos os dias, e aí ela não vai às consultas e ainda se mantém “na ativa”. Aaaaaaaah! E aí Christian fala que é por isso que gosta de controle, porque ele sabe o que está acontecendo e pode acompanhar tudo e ajustar os resultados a seu gosto. Sério, fiquei muito brava com ela!

Mas, depois do choque, Christian começa a se ajustar à ideia de que, querendo isso agora, ou não, ele vai ser pai. Neste meio tempo, Jack Hyde, o ex-chefe de Ana na SIP, aparece para tentar acabar com a felicidade do Mr.Grey. Resta a Ana salva o dia e a irmã de Christian, Mia.

Devo ressaltar que uma das minhas partes favoritas do livro é ler sob o ponto de vista de Christian quando ele era criança. Que coisinha fofa e que dó!!! “Kuddos” a EL James por nos dar esta oportunidade de espiar mais afundo no passado dele, e não apenas pelas histórias que ele finalmente conta a Ana. Mas não se empolgue, porque é breve.
Eu demorei mais tempo do que normalmente levaria para ler este livro porque simplesmente não queria que acabasse. Comecei a ler a série só para saber do que todos estavam falando, até com medo de toda essa história de sexo masoquista fosse ser mais informação do que eu gostaria. Foi por isso que comecei a ler, mas não foi por isso que continuei. Apeguei-me à série porque os personagens não são tão perfeitos um para o outro, e lutam para se comprometer e ceder às vontades do parceiro para poderem viver felizes. Não é surreal, é algo que todas as pessoas fazem- ou deveriam fazer- e quando você se vê acompanhando a história de personagens que poderiam ser seus vizinhos, ou até você mesmo, não tem como não chegar até o “the end” com gostinho de quero mais. E EL James não descarta esta ideia com a seguinte despedida: “That’s all... for now”.

2 comentários:

  1. Olha eu com esses livros: 1º = nojento me lembra crepúsculo vou vomitar. Eca. Chegou na parte da putaria (putaria mesmo...) aí eu gostei xD
    2º = totalmente fofo! FOFO E FOFO E FOFO DEMAIS! É o que senti com o 2º livro. Adorei o 2º, casava com o livro de tão bom que achei.
    3º = ok, caiu no clichê. Espera, ainda tem putaria...Tá, agora o cara vai fazer isso e aquilo contra eles...Não, espera, olha que legal, um final bobo pra caramba parecendo novela mexicana. Eba ¬¬
    Sério, só acho os livros bom pelo apelo sexual intensivo, porque a história mesmo não é lá essas coisas pra mim. Até que é boa, poxa, é, mas não sei, não senti muito amor por esses livros. Li o terceiro e ultimo e acabou, pronto. Pelo menos sei do que se trata agora. Fora isso, são livros que me deixaram com tanto amor e ódio que não sei se amo ou odeio xD

    ResponderExcluir
  2. Aprecio muito está trilogia, pelo fato de não ser a "putaria" o alvo do livro, na minha opinião, onde se trata de uma história da vida de uma pessoa que é o que realmente fascina, do gato Grey, todas as surpresas e todos os "porques" que vai surgindo e se interligando, e eu espero realmente GRANDEMENTE que a nossa querida E L JAMES lance um livro contado por Christian, como tudo se passou na vida dele e como foi surgindo o sentimento dele por Ana!

    ResponderExcluir