quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Resenha: "Um Tiro" de Lee Child

Por Francine Estevão


Título: Um Tiro
Título Original: One Shot
Autor: Lee Child
Lançamento: 2007
Páginas: 406
Editora: Bertrand Brasil
Categoria: Romance Policial

Sinopse: Um Tiro, de Lee Child, tem início com a descrição dos passos de um franco-atirador em direção a um massacre iminente: com controle, precisão, tranqüilidade e seis disparos, cinco alvos são atingidos em frente à sede de uma afiliada da NBC. Pânico, notícia e mistério: todas as evidências apontam para James Barr, um veterano da Guerra do Golfo, como o principal suspeito dos crimes. Barr, no entanto, se diz inocente. E sabe que apenas um homem terá coragem e tenacidade para perseguir a verdade: Jack Reacher, apresentado no romance Dinheiro Sujo. Após ser preso dentro da própria casa pela SWAT, Barr é levado à prisão e fica em silêncio até ser interrogado pelo advogado de defesa David Chapman. "Pegaram o homem errado", diz, antes de exigir a presença do misterioso ex-policial militar Jack Reacher, que é obrigado a interromper seu descanso numa praia de Miami, ao lado de uma belíssima norueguesa, e voltar a se meter em tramas tão sujas e violentas que derrubariam até James Bond, MacGiver e Chuck Norris. Reacher, no entanto, permanece sempre de pé, armado... e bem vestido.

James Barr é preso depois de ser apontado como o suspeito de ter matado cinco pessoas em uma praça pública. O crime, praticado de um edifício garagem, tinha tantos rastros que era impossível negar quem o tinha cometido. A irmã de Barr é a única que acredita que ele não foi o culpado de tamanha atrocidade, e pede que advogados do escritório onde ela trabalha representem a defesa do irmão, que não confessa o crime e uma das únicas coisas que diz para o advogado é “ache Jack Reacher para mim”.

Barr no entanto acaba caindo em uma armadilha dentro da prisão e vai parar no hospital, correndo risco de nunca mais recuperar a memória.

Enquanto isso, Reacher, ex-policial do exército, que tinha de tudo para ser odiado por Barr aparece e começa a encontrar falhas no crime cometido pelo atirador. Coisas que só ele, um excelente investigador e atirador, é capaz de ver e apontar.

Demorei para conseguir me envolver com o livro. A narrativa é muito cheia de detalhes e isso cansa a leitura. Mas aos poucos, você vai se deixando conquistar por Reacher, que é meio mocinho meio bandido, com todo charme que essa mistura é capaz de proporcionar, e vai entendendo a genialidade do cara. Quando você menos espera, não quer mais largar a história para saber logo o que vai acontecer. E apesar dos detalhes descritivos, o livro tem diálogos incríveis de fazer a gente pensar “o cara é foda!”.

O filme baseado no livro deve chegar ao Brasil em janeiro e tem Tom Cruise no papel de Jack Reacher. Confira o trailer:




Nenhum comentário:

Postar um comentário