quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Resenha: "Delírio" de Lauren Oliver

Por Francine Estevão

Título: Delírio
Título Original: Delirium
Autor: Lauren Oliver
Lançamento: 2012
Páginas: 336
Editora: Intrínseca
Categoria: Romance, distopia

Sinopse: Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas. Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?


Apesar de não ser muito fã de distopias (gosto, mas não é meu estilo preferido), gostei muito de “Delírio” e fiquei super curiosa pela continuação, “Pandemônio”. Embora seja um romance meio adolescente, do meio para o fim, a história dá um up com a parte que envolve a mãe da Lena, o que acaba deixando o livro mais interessante e com gostinho de “quero mais”.

Lena vive em uma Portland controlada e protegida contra o amor, que é na verdade uma doença que precisa ser curada assim que as pessoas chegam aos 18 anos. Nessa idade, então, os adolescentes passam por uma intervenção que os cura desse mal que faz as pessoas cometerem loucuras. Lena conta os dias para chegar a vez dela.

Pouco antes da intervenção, durante a fase de testes de habilidades, os jovens recebem uma lista com quatro nomes de pessoas do sexo oposto e com o mesmo perfil que elas e um daqueles nomes vai ser com quem o jovem em questão vai ser “pareado”.

No seu dia de teste, para saber quais são suas aptidões, Lena está nervosa e se não fosse pela invasão de animais nos laboratórios onde os testes são realizados, ela teria se dado mal. Em meio à confusão de animais e pessoas, Lena nota um garoto escondido em uma área restrita do laboratório e ele chama a atenção dela de um jeito diferente e especial.

Enquanto o dia da sua intervenção não chega, Lena passa os dias ao lado da amiga Hana, que tem uma certa tendência a ser simpatizante – ou seja, não respeitar as regras do sistema. Nesse meio tempo, Lena acaba se envolvendo em situações que nunca se imaginou e começa a perceber que toda aquela ordem instaurada pelo sistema, é na verdade uma mentira. E enquanto ela vai, aos poucos, descobrindo a verdade sobre o mundo onde vive, Lena vai questionando tudo o que sabe e se metendo em algumas encrencas aventuras que podem mudar todo o rumo da história da vida dela.

Um comentário:

  1. Delírio foi a minha primeira distopia... numa época em que eu nem sabia o significava o termo distopia hahahahahahaha
    Mas vou dizer que quase enfartei com esse final e quase enfartei de novo quando descobri que a editora não havia publicado a continuação ainda! #TeamAlex <3

    ResponderExcluir