sexta-feira, 18 de outubro de 2013

RESENHA: "Seis coisas impossíveis", de Fiona Wood

Por Francine Estevão

Título: Seis coisas impossíveis
Título original: Six impossible things
Autora: Fiona Wood
Editora: Novo Conceito
Lançamento: 2013
Páginas: 272

Sinopse: Dan Cereill levou um encontrão da vida: seu pai faliu, assumiu que é gay e separou-se de sua mãe, tudo de uma vez só. Enquanto isso, sua mãe recebeu de herança uma casa tombada pelo patrimônio histórico que cheira a xixi de cachorro, mas que não pode ser reformada... E, agora, Dan está vivendo em uma casa-relíquia que parece um chiqueiro, com uma mãe supertriste e sem conseguir falar com o pai — que ele ama muito. Suas únicas distrações são sua vizinha perfeita, Estelle, e uma lista de coisas impossíveis de fazer, como: 1. Beijar a garota. 2. Arrumar um emprego. 3. Dar uma animada na mãe. 4. Tentar não ser um nerd completo. 5. Falar com o pai quando ele liga. 6. Descobrir como ser bom e não sair abandonando os outros por aí... Mas impossível mesmo será: 1. Não torcer para que Dan supere seus problemas. 2. Não rir muito com os devaneios dele. 3. Não querer ter um cachorrinho como Howard. 4. Não desejar que a mãe de Dan encontre a felicidade. 5. Parar de ler este livro. 6. Não querer abraçar o livro depois de tê-lo terminado...


“Cheguei cedo demais. Ficar andando por aqui é um castigo. Não conheço ninguém. Estou me sentindo um limão na banca de maçãs da feira. Estou com vontade de dar meia-volta e ir para casa. Mas me seguro. Nem sempre as pessoas conseguem uma segunda chance. Posso ser quem eu quiser. “Tímido”, “brega”, “nerd”. Posso arrancar todos esses rótulos e deixar tudo para trás. Quem sabe eu consiga me enturmar? Eu posso ser uma maçã.” – Pág. 33


Se você já viu ou ouviu falar de The O.C., ao começar a ler “Seis coisas impossíveis” você com certeza vai se lembrar de Seth Cohen. O desajeitado menino franzino que quase não tem amigos, não é nada sociável e tem uma louca obsessão por uma garota. Essas são algumas das muitas características de Dan, o personagem principal, que me fizeram me apaixonar por ele (assim como sou apaixonada por Seth Cohen).

Não bastava todo seu “jeitinho” em plena adolescência, uma das piores fases da vida de muita gente, o pai de Dan acabou de contar pra família que é gay e que eles estão falidos. Então, lá vem mais uma bomba para o pequeno Dan: se mudar de escola. Com o intuito de ver o lado bom da vida, sem fazer apologia a outro livro, o garoto enxerga nessa mudança uma possibilidade de criar um novo Dan, que não seja tão nerd, nem tão loser, e que seja socialmente aceito e bem visto pelos colegas da nova escola e principalmente por Estelle, a garota por quem ele está obcecado e de quem sabe absolutamente TUDO, embora nunca tenha trocado nem uma única palavra com ela.

Embora “Seis coisas impossíveis” seja um livro mais infanto-juvenil, a história é muito legal. O personagem principal consegue nos envolver com sua narrativa que nos faz sentir como se estivéssemos lendo o diário dele. Tem também as várias listas que ele faz e que vai atualizando ao longo do livro, que também tornam a história ainda mais interessante (já disse que sou viciada em fazer listas?).

Além disso, cada personagem nos conquista um pouquinho com personalidades bastante interessantes e atrativas que se encaixam perfeitamente bem com o cenário construído pela autora. Até mesmo o cachorro, Howard, me conquistou logo de cara. É como se nada estivesse fora do lugar e você conseguisse visualizar toda a história se desenrolando na sua frente. Além de Dan, que é o tipo de garoto desajeitado e fofo que conquista muita gente e nos faz torcer pra que no fim tudo dê certo para ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário