segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Na Estante da Sociedade: Dezembro



Quem tem amigas lindas que dão livros de presente de aniversário? Pois, é. Dezembro é mês de ficar mais velha e de colocar alguns dos "desejados" na estante. 

Da Maju, minha parceira de Sociedade do Livro, ganhei "Invisível", do David Levithan e Andrea Cremer



A Rose, do TriBooks, me presenteou com "Eleanor e Park" e "Anexos", da Rainbow Rowell.




Aproveitando as férias do trabalho, fiz uma visitinha ao sebo para fazer algumas trocas e acabei trazendo para casa "Férias!" e "Sushi", da Marian Keyes e "O Xangô de Baker Street", do Jô Soares.





Ainda em dezembro, aproveitando a sessão de autógrafos com Pedro Gabriel na Livraria da Travessa de Ribeirão Preto (que eu contei um pouquinho aqui), comprei "Segundo eu me chamo Antônio".




E é assim que nós, da Sociedade do Livro nos despedimos de vocês em 2014. Esperamos que em 2015, possamos encher ainda mais nossas estantes de bons livros que proporcionem excelentes viagens literárias. Até mais!


sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

As melhores leituras de 2014

Por Francine Estevão

Termino 2014 com 53 livros lidos. Um pequeno avanço, comparado com os dois últimos anos, 2013 e 2012. Apesar da quantidade um pouquinho maior, acredito que tenha sido um ano com leituras mais fracas, livros que não me conquistaram tanto. Prova disso, é que dessa vez, diferentemente do que acontece sempre, foi bem fácil selecionar apenas alguns para aparecer nessa lista de os melhores do ano. Poucos deles foram excelentes e me marcaram tanto. Mas consegui selecionar 12. Então, vamos a eles (em ordem cronológica de leitura):

1- A Outra Vida, Susanne Winnacker (Resenha)


Comecei a leitura sem nenhuma expectativa e apenas porque ele era o livro do mês do Clube do Livro de Ribeirão e acabei sendo positivamente surpreendida. Espero continuação!

2- Nada, Janne Teller (Resenha)


Daqueles livros que nos tocam de maneiras únicas e nos fazem refletir sobre o nosso jeito de ser diante de outras pessoas e sobre as nossas atitudes baseada em julgamentos pré-concebidos. 

3- Sleeping Beauty, Phillip Margolin (Resenha)


Um excelente livro policial/investigativo. Um dos melhores do gênero que li este ano. Espero ler outros títulos do mesmo autor. 

4- Quem sabe um dia, Lauren Graham (Resenha)


Entre os melhores do ano da lista de livros para relaxar e distrair a cabeça. A estreia de Lauren como autora com certeza conquistou muitos dos fãs da atriz de Gilmore Girls. 

5- Os 13 porquês, Jay Asher (Resenha)


Um livro marcante no mesmo estilo de "Nada". Que faz com que o leitor repense seus atos diante do próximo.

6- Doors open, Ian Rankin (Resenha


Também uma boa surpresa na linha de histórias policiais/investigativas. 

7- Se eu ficar, Gayle Forman (Resenha)



A história me conquistou tanto que se tornou uma das minhas favoritas do ano, assim como a adaptação para o cinema. Uma pena a continuação do livro ser tão ruim. 

8- Reconstruindo Amelia, Kimberly McCreight (Resenha)


Ótimo e surpreendente até a última página. 

9- Encontrada, Carina Rissi (Resenha


A continuação de "Perdida" me conquistou principalmente pelas suas últimas páginas. Fiquei incrivelmente admirada com o final do segundo livro. Mais #SofIan, por favor!

10- Como eu era antes de você, Jojo Moyes (Resenha)


Com certeza o melhor livro que li em 2014. Me conquistou da primeira à última página, com uma história de amor improvável e capaz de nos questionar sobre o nosso jeito de amar alguém. Lindíssimo!

11- Simplesmente Acontece, Cecelia Ahern (Resenha


Uma história de amor e amizade que ultrapassa as barreiras do tempo e da distância, contada por meio de mensagens e uma personagem principal com a qual me identifiquei em quase tudo. Como não amar?

12- About a boy, Nick Hornby (Resenha)


Acho que já falei demais desse livro no blog esse ano, então ele está aqui **because of reasons**. Para ser breve, filme favorito, finalmente li o livro. 

Bom, essa foi a minha lista de melhores de 2014. E vocês, o que leram de bom nesse ano que passou? Deixem as indicações nos comentários para pegarmos as dicas :)

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

FELIZ NATAL!

Natal é tempo de agradecer o respeito, o apoio, o carinho, a participação e presença de todos os nossos leitores.

Um obrigado especialíssimo a nossas parceiras Editora Arqueiro e Editora Novo Conceito que nos apoiam sempre ao longo dessa caminhada literária.

Que Deus renove o amor em nossos corações e nos fortaleça para que juntos possamos trilhar um caminho de sucesso!

Maravilhosas Festas!

Beijos e abraços.

Equipe Sociedade do Livro


terça-feira, 23 de dezembro de 2014

"Diário de Anne Frank" edição especial capa dura - Editora Record

Por Maju Raz

Foto Record

Eu havia prometido que não ia comprar mais livros este ano para mim. Mais uma promessa não cumprida em 2014, mas teve uma boa justificativa vai...

Não aguentei e comprei "O Diário de Anne Frank" em nova nova e luxuosa versão com exclusiva capa dura almofadada da Editora Record. Um grande  sucesso que conta a história de Anne Frank na época da Segunda Guerra, Eu sou apaixonada por esse livro! A nova capa remete ao diário verdadeiro da autora com detalhes incríveis! Parece MUITO UM DIÁRIO DE VERDADE com a capa almofadada e o fechinho em alto relevo somado a um toque suave e verniz aveludado.

O livro não teve alterações em seu conteúdo e conta com algumas fotos inéditas de Anne e sua família e alguns anexos que a garota fez nos seus textos. 

Confiram as fotos e chorem de emoção comigo!





O depoimento da pequena Anne Frank, morta pelos nazistas após passar anos escondida no sótão de uma casa em Amsterdã, ainda hoje emociona leitores no mundo inteiro. Seu diário narra os sentimentos, os medos e as pequenas alegrias de uma menina judia que, como sua família, lutou em vão para sobreviver ao Holocausto.

Lançado em 1947, O diário de Anne Frank tornou-se um dos livros mais lidos do mundo. O relato tocante e impressionante das atrocidades e dos horrores cometidos contra os judeus faz deste livro um precioso documento e uma das obras mais importantes do século XX.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Lançamentos de Janeiro: Editoras Arqueiro e Sextante

"Simples perfeição", segundo volume da série Perfeição, de Abbi Glines



Sinopse: Woods teve sua vida traçada desde o berço. Cuidar dos negócios da família, casar com a mulher que os pais escolheram, fingir que riqueza e privilégios eram tudo de que ele necessitava. Então a doce e sensual Della apareceu e conquistou seu coração, abrindo seus olhos para um novo futuro. A vida do casal seguia para um final feliz, até acontecer um imprevisto: a morte do pai de Woods. Da noite para o dia, o rapaz herda o império Kerrington e, embora sempre tenha almejado essa posição, precisará de toda ajuda possível para provar que está à altura de tanta responsabilidade. Della está determinada a ser o apoio de que Woods necessita, mas os fantasmas do passado ainda estão presentes e mais intensos do que nunca. Pressionada pela ex-noiva e pela mãe de Woods, ela toma a decisão mais difícil de sua vida: abdicar da própria felicidade pelo homem que ama. Mas os dois terão a força necessária para seguir em frente um sem o outro? Concluindo a sedutora história de Woods e Della, Simples perfeição é o romance mais surpreendente de Abbi Glines e mostra que encontrar alguém pode ser um golpe do destino, mas descobrir a perfeição ao lado dessa pessoa requer aceitar a si mesmo e superar os piores obstáculos a dois.
 
"Paixão ao entardecer", quinto volume da série Os Hathaways, de Lisa Kleypas



Sinopse: Mesmo sendo uma família nada tradicional, quase todos os irmãos Hathaways se casaram, até mesmo Leo, que era o mais avesso a essa ideia. Mas para a caçula Beatrix, parece não haver mais esperança. Dona de um espírito livre, apaixonada por animais e pela natureza, Beatrix se sente muito mais à vontade ao ar livre do que em salões de baile. E, embora já tenha frequentado as temporadas londrinas e até feito algum sucesso entre os rapazes, nunca foi seriamente cortejada, tampouco se encantou por nenhum deles. Mas tudo isso pode mudar quando ela se oferece para ajudar uma amiga. A superficial Prudence recebe uma carta de seu pretendente, o capitão Christopher Phelan, que está na frente de batalha. Mas parece que a guerra teve um forte efeito sobre ele, e seu espírito, antes muito vivaz, se tornou bastante denso e sombrio. Prudence não tem a menor intenção de responder, mas Beatrix acha que ele merece uma palavra de apoio – mesmo depois de tê-la chamado de estranha e dito que a jovem é mais adequada aos estábulos do que aos salões. Então começa a escrever para ele e assina com o nome da amiga. Beatrix só não imaginava o poder que as palavras trocadas teriam sobre eles. De volta como um aclamado herói de guerra, Phelan está determinado a se casar com a mulher que ama. Mas antes disso vai ter que descobrir quem ela é. 

"A música do silêncio", de Patrick Rothfuss



Sinopse: Considerada a meca do conhecimento, a Universidade atrai as mentes mais brilhantes que buscam desmistificar os mistérios das ciências iluminadas, como feitiçaria e alquimia. Porém, bem abaixo de seus lotados corredores existe um complexo de quartos abandonados e passagens antigas. No coração desse labirinto cavernoso encontra-se uma jovem mulher chamara Auri, que chama este local de lar. Ex-estudante da Universidade, Auri agora gasta seu tempo cuidando do mundo ao seu redor. Ela sabe que alguns mistérios devem permanecer selados. Agora que não se deixa enganar pela racionalidade cega que àqueles que vivem acima dela confiam, Auri vê além da superficialidade das coisas e enxerga os perigos sutis e os nomes escondidos das coisas.

"Morte invisível", sequência de O menino da mala, de Agnete Friis e Lene Kaaberbøl.




Sinopse: Em meio às ruínas de um hospital militar soviético no norte da Hungria, Pitkin e Tamás procuram antigos suprimentos e armas que possam vender no mercado negro, até que acabam encontrando algo mais valioso do que poderiam imaginar. Ali está a esperança dos meninos ciganos de deixar a pobreza, de quitar as dívidas da família, quem sabe de se livrar um pouco do preconceito que sofre o seu povo. Porém, suas boas intenções podem provocar a morte de um número alarmante de pessoas.



"A linguagem das flores", de Vanessa Diffenbaugh (relançamento com nova capa)




Sinopse: Victoria Jones sempre foi uma menina arredia, temperamental e carrancuda. Por causa de sua personalidade difícil, passou a vida sendo jogada de um abrigo para outro, de uma família para outra, até ser considerada inapta para adoção. Ainda criança, se apaixonou pelas flores e por suas mensagens secretas. Quem lhe ensinou tudo sobre o assunto foi Elizabeth, uma de suas mães adotivas, a única que a menina amou e com quem quis ficar... até pôr tudo a perder. Agora, aos 18 anos e emancipada, ela não tem para onde ir nem com quem contar. Sozinha, passa as noites numa praça pública, onde cultiva um pequeno jardim particular. Quando uma florista local lhe dá um emprego e descobre seu talento, a vida de Victoria parece prestes a entrar nos eixos. Mas então ela conhece um misterioso vendedor do mercado de flores e esse encontro a obriga a enfrentar os fantasmas que a assombram. Em seu livro de estreia, Vanessa Diffenbaugh cria uma heroína intensa e inesquecível. Misturando passado e presente num intricado quebra-cabeça, A linguagem das flores é essencialmente uma história de amor – entre mãe e filha, entre homem e mulher e, sobretudo, de amor-próprio. 

"Amaldiçoado", de Joe Hill (anteriormente publicado como "O pacto", o livro será relançado com a capa baseada no pôster do filme estrelado por Daniel Radcliffe)



Sinopse: Ignatius Perrish sempre foi um homem bom. Tinha uma família unida e privilegiada, um irmão que era seu grande companheiro, um amigo inseparável e, muito cedo, conheceu Merrin, o amor de sua vida. Até que uma tragédia põe fim a toda essa felicidade: Merrin é estuprada e morta e ele passa a ser o principal suspeito. Embora não haja evidências que o incriminem, também não há nada que prove sua inocência. Todos na cidade acreditam que ele é um monstro. Um ano depois, Ig acorda de uma bebedeira com uma dor de cabeça infernal e chifres crescendo em suas têmporas. Além disso, descobre algo assustador: ao vê-lo, as pessoas não reagem com espanto e horror, como seria de esperar. Em vez disso, entram numa espécie de transe e revelam seus pecados mais inconfessáveis. Um médico, o padre, seus pais e até sua querida avó, ninguém está imune a Ig. E todos estão contra ele. Porém, a mais dolorosa das confissões é a de seu irmão, que sempre soube quem era o assassino de Merrin, mas não podia contar a verdade. Até agora. Sozinho, sem ter aonde ir ou a quem recorrer, Ig vai descobrir que, quando as pessoas que você ama lhe viram as costas e sua vida se torna um inferno, ser o diabo não é tão mau assim. Joe Hill, autor de A estrada da noite e Nosferatu, já foi aclamado como um dos principais novos nomes da ficção fantástica. Em Amaldiçoado, o sobrenatural é pano de fundo para uma história de amor e tragédia, de traição e vingança. Um livro envolvente, emocionante e cheio de suspense que nos leva a refletir: em matéria de maldade, quem é pior, o homem ou o diabo? 

"Uma casa no meio do caminho", de Barry Martin e Philip Lerman (história real que serviu de inspiração para uma campanha de divulgação do filme Up: Altas aventuras)



Sinopse: Um enorme shopping estava prestes a ser construído na cidade americana de Seattle, mas no meio do terreno havia a casinha de Edith Wilson Macefield, uma velhinha durona que estava decidida a não arredar pé dali. Quando o responsável pela obra, Barry Martin, foi conversar com ela, todos acreditaram que iria convencê-la a mudar de ideia. Mas estavam redondamente enganados. Nesta emocionante e singela história real — que serviu de inspiração para uma campanha de divulgação do filme Up: Altas aventuras —, Barry conta como nasceu a inusitada amizade entre ele e Edith, e as lições de vida que aprendeu com ela.

"Como enfrentar a violência verbal", de Patrícia Evans.



Sinopse: A violência verbal pode ser tão sutil que às vezes nem percebemos que somos alvo de um agressor. A tristeza, o incômodo e o mal-estar nos fazem sentir que há algo errado, mas acabamos achando que a culpa é nossa. As agressões podem se apresentar de diversas formas: menosprezo ou ataque de raiva, indiferença ou demonstração de superioridade, sarcasmo ou distanciamento, coerção manipulativa ou exigência irracional. Afirmações como “Você está gorda”, “Você nunca entende nada”, “Não pedi sua opinião” e “Você só fala besteira” são exemplos de utilização das palavras como armas – e, em geral, são bastante ouvidas pelas vítimas de abuso. O primeiro passo para se libertar dessa situação é se conscientizar de que você não merece ouvir isso. Portanto, atenção: se você se relaciona com alguém que costuma fazer comentários ofensivos a seu respeito, mas alega que está brincando, você está com um agressor. Se essa pessoa não se dispõe a escutar seus sentimentos e o trata como inferior, você está sendo vítima de agressão. Este livro foi o primeiro a descrever os relacionamentos com violência verbal, ainda na década de 1990. Desde então, milhares de pessoas que sofriam caladas puderam reconhecer que a angústia a que eram submetidas não era “normal”, e sim um reflexo de um comportamento abusivo que deve ser enfrentado e combatido. Apresentando histórias reais, estratégias objetivas e questionários de autoavaliação, Patricia Evans traz informações essenciais para ajudar você a enfrentar o agressor de forma segura e a proteger sua família dos efeitos negativos desses relacionamentos problemáticos. 

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Editora revela capa de "No Mundo da Luna", de Carina Rissi

Depois dos sucessos de "Perdida", "Encontrada" e "Procura-se um marido", em março de 2015, a nossa querida autora Carina Rissi lançará mais um livro pela Verus Editora **todos comemoram**. Dessa vez, iremos entrar "No mundo da Luna", que teve sua capa revelada hoje, pela editora. 


E aí, o que acharam? Nós amamos e estamos ansiosas pelo lançamento. 
Em breve, serão divulgados o primeiro capítulo e os links de pré-venda do livro, além, claro, das datas da turnê para o lançamento do livro!

Sinopse (retirada do Skoob): A vida de Luna está de cabeça para baixo. O namorado está de caso com a vizinha, seu carro passa mais tempo na oficina mecânica que com ela e seu emprego é uma droga. Recém-formada em jornalismo, ela trabalha como recepcionista na renomada Fatos&Furos. Mas, em tempos de internet e notícias instantâneas, a revista enfrenta problemas financeiros e o quadro de funcionários acaba sendo reduzido. É assim que a coluna do horóscopo semanal cai no colo de Luna. Embora não acredite em misticismo, forças ocultas, magia, e não tenha a menor ideia de como criar um mapa astral, ansiosa em dar o primeiro passo para se tornar a jornalista que sempre sonhou, ela aceita o desafio sem pestanejar. Afinal, quão complicado pode ser? Luna não desconfia das confusões que o futuro lhe reserva. Dentre elas, uma arrebatadora e irresistível paixão que mudará sua vida para sempre. A história de amor perfeita Se não fosse com o homem errado.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

RESENHA "Twittando o amor", Teresa Medeiros

Por Carla Rojas Montero


Título: Twittando o amor
Autora: Teresa Medeiros
Editora: Novo Conceito
Lançamento: 2014
Páginas: 202


Skoob


Sinopse: O Twitter é uma festa que nunca termina onde todo mundo fala ao mesmo tempo e ninguém diz nada... Abigail Donovan é uma escritora de sucesso. Ela quase ganhou o prêmio Pulitzer e até foi elogiada no programa da Oprah. Então, por que ela passa os dias e noites escondida no chiquérrimo condomínio onde mora, na companhia de seus dois gatos, sem conseguir escrever? Quando o seu editor a obriga a entrar no mundo das redes sociais para expandir seus horizontes, Abby imagina que vai ser obrigada a conversar com adolescentes que teclam escondido do porão de casa. Mas ela acaba conhecendo Mark Baynard, um professor britânico sexy, bem-humorado e inteligente que está viajando pelo mundo em busca de aventura. Abby tenta resistir ao seu charme, enquanto Mark começa a quebrar a resistência dela aos pouquinhos... Inclusive a resistência a se comunicar por meio de mensagens curtas. Agora que Abby voltou a escrever e a viver , ela descobre que Mark guarda um segredo que poderá mudar para sempre a vida dos dois.


 Vou falar hoje do mais recente livro que eu ganhei em um sorteio. Twittando o amor veio parar nas minhas mãos no último sábado, em que foi realizado o Clube do Livro Ribeirão. O que basicamente significa que foi uma total surpresa pra mim. Não conhecia o livro e, embora sua narrativa quase que inteiramente escrita por meio de tweets parecesse interessante, a capa e o título me deixavam meio receosa.


 Ele flui me maneira bem rápida (a maioria da obra é composta de diálogos no Twitter, ou seja, 140 caracteres ou menos) é engraçado e tem umas tiradas ótimas. Ele também é recheado (muito mesmo) de referências aos mais variados assuntos. Temos literatura inglesa clássica, seriados de TV de Lost a Golden Girls, sendo o último uma série de comédia que terminou em 1992 e que eu só conheço devido a um material de curso de inglês nem tão atual assim.


A história acompanha Abby, uma autora com um sério bloqueio criativo, e quase sofrendo de lutando para seguir sua vida depois de ter feito grande sucesso com seu primeiro livro, que havia sido indicado pela Oprah e quase ganhou o prêmio Pulitzer. Mas aí tudo muda quando ela começa a usar o Twitter (ou pelo menos tenta usá-lo). Como Abby se encaixa na lista daqueles que não possuem um iPhone nem um smartphone, e não sabem nem porque precisariam de um, ela tampouco está familiarizada a hashtags, DM, ou qualquer coisa envolvendo a rede social. E acaba contando com a ajuda de um estranho para  ajudá-la a entrar nesse universo.


Confesso que no início achei bem Abby bem tediosa, ela praticamente nem sai de casa (a não sei para conseguir sua dose de Starbucks diária), não consegue passar do capítulo 5 de seu novo livro, só tem uma única amiga, e está tão travada em sua própria vida que só conseguia sentir pena e tédio. Quando Mark Baynard (o tal que vai ajudá-la) aparece pelo menos uma dose de humor é acrescentada. As mensagens que eles trocam são divertidas e daí saem tiradas ótimas, o que dá um novo ar à obra. Fiquei impressionada com a conversa que eles mantinham, tão cheia de referências e pegadinhas que ficou claro desde o início para mim que eles tinham tudo a ver um com o outro. Só que eu assisti tudo isso à distância, pois não entendia um terço do que eles diziam.


Eu sei que com a tradução, quando há situações em que uma determinada frase ou expressão tem sentido apenas em um determinado país ou cultura, existem duas soluções: ou coloca-se uma nota de rodapé explicando o caso ou se adapta a frase em questão para algo que seja facilmente compreendido dentro do novo contexto. Quando se trata de referências à séries de TV, filmes e músicas o jeito seria ir com a nota de rodapé. Só que o livro inteiro tem apenas três delas. E eu não sei vocês, mas eu não tenho o costume de ler um livro com o computador ligado e o Google me esperando para descobrir quem são Gilligan, Skipper ou Thrurston Howell III*. 


Entendo que também não daria para para lotar um livro com notas de rodapé pois elas dão um triste ar de livro didático e quebram o ritmo de leitura, que neste caso seria lamentável pois tiraria a rapidez e a fluidez proporcionadas pela forma de narração em forma de tweets. Mas não dava mesmo para achar um meio termo? 


Fazer um leitor se sentir perdido não é a melhor forma de conquistá-lo. 

E esse incomôdo apenas deu mais destaque as outras coisas que tinham me irritado: a capa e o título.






Capas americanas, que sinceramente me pareceram bem mais bonitas e apelativas.

Primeiramente a capa me desagradou devido a sua aparência meio...caricata. Realmente acho que não precisava dos pássaros azuis se apaixonando, das nuvenzinhas ao fundo e do título na mesma fonte da rede social. Até a lombada me pareceu exagerada. Poxa, a menção ao twitter não podia estar presente de forma mais discreta? Um pouco mais elegante quem sabe. Sim, o livro é leve e divertido, graças principalmente ao meio de comunicação que a autora escolhe para contar a sua história, mas não é tudo sobre o twitter. O que eu mais encanta na obra é o enredo, então porque não ressaltar o conteúdo em vez da plataforma utilizada? 

Mas o que mais prejudica a impressão inicial do livro é o título. Quando percebi que o nome original "Goodnight Tweetheart" havia sido substituído por algo tão genérico quanto "Twittando o amor" fiquei decepcionada. Especialmente porque "Boa noite tweetheart" é a maneira que Mark se despede de Abby toda vez que eles conversam, sendo algo fofo e marcante. Custava mantê-lo? Boa noite Tweetheart me parece uma opção viável e certamente mais encantadora.

Somando todos esses problemas é claro que não deu para simplesmente ignorar uma erro gramatical aqui uma desatenção na tradução ali. Se numa página os personagens combinam de se encontrar às 3 da manhã, não é possível que na outra o horário apareça como 15h00. Principalmente quando algumas frases extrapolam o limite de 140 caracteres. Sim, eu testei. Essa foi a gota d'agua, um romance não pode rolar via Twitter se a regra principal do mesmo é quebrada, frases longas demais nessa plataforma não existem. Ou pelo menos, não devia existir. Resumindo? #traduçãoFAIL.

Ao final de contas, eu só consegui curtir mesmo o livro depois do segredo de Mark ter sido revelado, sim, ele pode ser considerado clichê (existe uma quantidade limitadas de segredos capazes de mudar vidas), no entanto, foi o primeiro momento em que consegui superar os problemas de tradução e me senti próxima dos personagens. Torci por eles. Uma pena, tivesse havido um cuidado maior ao traduzi-lo o livro não teria tantas contra-indicações.

Concluindo, se você for um maníaco por televisão americana, ou um americano que assiste muita TV, este é o seu livro. Umas duas ou três referências que eu peguei realmente me fizeram rir muito e exclamar em voz alta "Genial". Imagino o impressionante que seria se alguém entendesse todas elas. Porém se você se irritar tanto com erros em uma obra quanto eu, bem...melhor ler outro livro.




* personagens de A Ilha dos Birutas (Gilligan's Island), transmitida entre 1964 a 1967. Série reconhecida em seu país como um ícone da cultura popular americana.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

RESENHA DUPLA: "Eu me chamo Antônio" e "Segundo - Eu me chamo Antônio", de Pedro Gabriel

Por Francine Estevão



Títulos: "Eu me chamo Antônio" e "Segundo Eu me chamo Antônio"
Autor: Pedro Gabriel
Editora: Intrínseca
Lançamentos: 2013 e 2014
Páginas: 192
Skoob: Livro 1 | Livro 2 


Dia 11/12, Pedro Gabriel esteve na Livraria da Travessa de Ribeirão Preto lançando "Segundo Eu me chamo Antônio". Em mais de 3h30 de evento (a fila saia da livraria e não importava o quanto andasse, parecia que nunca acabava), ele tirou fotos, autografou cada um de seus dois livros, bateu papos breves com cada leitor presente sem deixar de dar atenção à ninguém, brincou, distribuiu sorrisos, beijos e simpatia, provando que não é à toa que "Eu me chamo Antônio" conquistou milhares de leitores e corações em todos os cantos do país.


Eu já havia falado um pouco do primeiro livro aqui. Mas depois de terminar de ler o segundo e de conhecer o autor, fiquei com vontade de falar um pouquinho mais sobre estes trabalhos apaixonantes de Pedro Gabriel. 


Gosto de pensar que Pedro Gabriel, assim como Clarice Freire, revolucionaram o que chamamos de poesia. Aquela coisa séria, cheia de métrica e de regras que aprendemos na escola deram espaço para uma liberdade não apenas textual, mas também visual, ampliando assim o público deste estilo literário e conquistando desde crianças até a última geração possível com trabalhos delicados que mesclam imagem e poesia gerando identificação em cada um que se dispõe a conhecer seus trabalhos. 


No primeiro livro, "Eu me chamo Antônio", acompanhamos mais de 170 páginas de guardanapos recheados dessa poesia rabiscada de Pedro Gabriel. Já em "Segundo Eu me chamo Antônio", as páginas ganham, além dos guardanapos, poemas mais extensos e mais elaborados, com desenhos do autor. E novamente um sumário com a "legenda" de cada página para quem diz que não consegue ler direito alguns dos guardanapos - embora eu tenha achado que no segundo livro, os "rabiscos" do autor estão bem mais legíveis do que no primeiro. Além de um trabalho primoroso realizado pela Editora Intrínseca no projeto gráfico de ambos. 


Para quem ainda não tem os livros do Pedro Gabriel e quiser conhecer melhor o trabalho dele antes de comprá-los, fiquem à vontade para se apaixonar pelos guardanapos no Facebook e no Instagram do autor. 

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

SORTEIO ESPECIAL DE NATAL NA SOCIEDADE DO LIVRO

Neste Natal, nós planejamos um sorteio especial de fim de ano. E o prêmio será 01 exemplar de "Outlander - A viajante do tempo", da autora Diana Gabaldon, lançado neste ano pela Editora Arqueiro.



Para participar, vocês já sabem, né! É só ir preenchendo os requisitos no formulário abaixo e cruzar os dedos.

E como o Natal já está batendo à porta, vamos dar uma colher de chá para vocês. O sorteio vai se estender até a meia-noite do dia 10 de janeiro.

Boa sorte a todos e boas festas! 



a Rafflecopter giveaway


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

RESENHA: "Proposta Inconveniente", Patricia Cabot

Por Francine Estevão

Título: Proposta Inconveniente
Título Original: An Improper Proposal
Autora: Patricia Cabot
Editora: Record
Páginas: 350
Lançamento: 2014

Sinopse: Apaixonada pelo capitão Connor Drake, Payton sonha em ser capitã de seu próprio navio. Ela cresceu desejando essa profissão exclusivamente masculina, mas agora deve abdicar disso tudon para conseguir um bom marido. O problema é que Connor só percebe seus sentimentos por Payton na véspera de seu casamento com outra. Quando o barco dos noivos parte rumo às Bahamas, ele é atacado e resta a Payton se infiltrar num navio pirata para salvar a vida do seu amado. A coragem une os dois, e o resgate pode gerar mais frutos do que ela imaginou.


“Proposta Inconveniente” é mais um romance histórico da nossa querida Meg Cabot sob o pseudônimo de Patricia Cabot. Com personagens únicos e apaixonantes, ela cria um enredo bastante diferente de todos os outros livros dela que já li, seja como Meg ou como Patricia.

Dessa vez, somos convidados a embarcar num romance à lá Jack Sparrow, com direito a piratas, tiros de canhões, navios afundando, prisão e ilha deserta.

Prestes a completar 19 anos, Payton – a única mulher da família composta por 3 irmãos e pelo pai, donos de uma empresa de navegação – é uma mulher atípica para a sociedade da época. Afinal, no início do século XIX não era típico de uma dama usar calça e camisa, ter cabelo curto e navegar pelo mundo ao lado de homens, sem a companhia de nenhuma mulher, muito menos falar palavrões, que dirá se manifestar publicamente contra o casamento do homem que ama secretamente.

Na véspera do casamento do melhor amigo de seus irmãos, seu amor secreto, o perfeito Capitão Connor Drake, Payton, influenciada pela cunhada, surge com um vestido decotado e acaba chamando atenção de todos os homens ao redor, inclusive do noivo que não se conforma por ter passado tanto tempo ao lado de Payton no mar e nunca ter reparado no quão feminina ela era – e no quanto ela mexe com a cabeça dele.

Após a manifestação da moça contra a união, Drake embarca no Constant, o navio que irá comandar a partir de agora, a fim de se casar longe de Londres. No entanto, seus inimigos no mar não permitirão que as coisas aconteçam como o planejado e armam uma cilada para Drake que acaba sendo aprisionado no navio inimigo, correndo risco de morrer.


O que ele não espera é que Payton, contra todas as probabilidades, será sua única e improvável chance de sair vivo dessa emboscada, garantindo aos leitores uma aventura engraçada e cheia de momentos românticos típicos de Patricia Cabot.


segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

EVENTOS: Pedro Gabriel, Edney Silvestre e Caio Novaes em Ribeirão Preto

Nesta semana, a Livraria da Travessa receberá três autores para sessões de autógrafos em Ribeirão Preto. 

Começando no dia 11/12, quinta-feira, às 19h30, Pedro Gabriel lançará "Segundo Eu Me Chamo Antônio". 



Edney Silvestre autografará "Boa noite a todos" no dia 13/12, sábado, às 18h.



E no domingo, Caio Novaes de "As famosas receitas de Ana Maria Brogui" encerra a programação da semana às 15h30.



As sessões de autógrafos são gratuitas e a Livraria da Travessa fica no Ribeirão Shopping ( Avenida Coronel Fernando Ferreira Leite, 1540 - Jardim Califórnia. Telefone (16) 3623-6828).


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

RESENHA: "O melhor de mim" de Nicholas Sparks

Por Maju Raz
 
Título: O Melhor de Mim
Título Original: The Best Of Me
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Arqueiro
Páginas: 272

Sinopse: Na primavera de 1984, os estudantes Amanda Collier e Dawson Cole se apaixonaram perdidamente. Embora vivessem em mundos muito diferentes, o amor que sentiam um pelo outro parecia forte o bastante para desafiar todas as convenções de Oriental, a pequena cidade em que moravam. Nascido em uma família de criminosos, o solitário Dawson acreditava que seu sentimento por Amanda lhe daria a força necessária para fugir do destino sombrio que parecia traçado para ele. Ela, uma garota bonita e de família tradicional, que sonhava entrar para uma universidade de renome, via no namorado um porto seguro para toda a sua paixão e seu espírito livre. Infelizmente, quando o verão do último ano de escola chegou ao fim, a realidade os separou de maneira cruel e implacável. Vinte e cinco anos depois, eles estão de volta a Oriental para o velório de Tuck Hostetler, o homem que um dia abrigou Dawson, acobertou o namoro do casal e acabou se tornando o melhor amigo dos dois. Seguindo as instruções de cartas deixadas por Tuck, o casal redescobrirá sentimentos sufocados há décadas. Após tanto tempo afastados, Amanda e Dawson irão perceber que não tiveram a vida que esperavam e que nunca conseguiram esquecer o primeiro amor. Um único fim de semana juntos e talvez seus destinos mudem para sempre. Num romance envolvente, Nicholas Sparks mostra toda a sua habilidade de contador de histórias e reafirma que o amor é a força mais poderosa do Universo - e que, quando duas pessoas se amam, nem a distância nem o tempo podem separá-las.

“Se aprendi algo nessa vida é que, quando as pessoas sofrem, nem sempre conseguem ver as coisas com a clareza que deviam.”

Amanda Collier, uma linda garota adolescente de família tradicional e rica, se apaixona por Dawson Cole, um garoto de uma família repleta de drogados e criminosos. Infelizmente, a sua relação está desaprovada pois todos seus familiares censuram o romance do jovem casal. Mas o amor desses dois era tão intenso e lindo que nenhum deles poderia esquecer um do outro. Vinte e quatro anos mais tarde, após a morte de seu amigo em comum, o senhor Tuck, o destino “os une” novamente...



“O amor é a força mais poderosa do Universo, e quando duas pessoas se amam, nem a distância nem o tempo podem separá-las.”

A história é contada a partir de diferentes pontos de vista. Este é um dispositivo eficaz  para deixar o leitor  intimamente familiarizado com todas as personagens. Muita gente vai dizer que esta é mais uma história clichê de Nicholas, mas eu acho que ele está sempre se superando.

O livro está bem escrito, a capa da segunda edição da Editora Arqueiro está perfeitíssima e é a capa do filme que está com uma fotografia de encher os olhos e os  atores estão muito bem em seus papéis. O roteiro foi muito bem ancorado e conseguimos ver o passado e presente e perceber onde tudo se encaixa como no livro. A trilha sonora é muito fofa! Tenho uma música que vou deixar aqui pra vocês curtirem comigo:



O filme estreou dia 30 de outubro e lá estava eu no cinema. Não estava preparada psicologicamente para esse filme – acho que nunca estarei para nenhum filme de Nicholas Sparks. Dei risadas, mas sofri muito com algumas partes e chorei em muitos momentos. Nem preciso falar que recomendo uma passadinha no cinema após ler o livro né? Ou leiam o livro após verem o filme? Não sei...achei os dois bastante parecidos e muito profundos e reveladores. Uma história que aborda sentimentos fortíssimos que não podem ser abalados por nada - riqueza, pobreza, beleza. Uma história sobre segundas chances que a vida sempre insiste em nos dar, mas a gente sempre insiste em fazer merda caquinha e desperdiçar. É maravilhoso! Amei!

"Eu lhe dei o melhor de mim..."