segunda-feira, 31 de março de 2014

LANÇAMENTO: "Querida Sue", Jessica Brockmole

No dia 14 de abril chega às livrarias uma promessa aos apaixonados por romances, "Querida Sue", de Jessica Brockmole, lançado pela Editora Arqueiro.



Março de 1912: Elspeth Dunn, uma poetisa de 24 anos, nunca viu o mundo além de sua casa na remota Ilha de Skye, na Escócia. Por isso fica empolgada ao receber a primeira carta de um fã, David Graham, um estudante universitário da distante América. Os dois começam a trocar correspondências – compartilhando os segredos mais íntimos, os maiores desejos e os livros favoritos – e fazem florescer uma amizade que, com o passar do tempo, se torna amor. Porém a Primeira Guerra Mundial toma a Europa e David se oferece como voluntário, deixando Elspeth em Skye com nada além de esperanças de que ele sobreviva. Junho de 1940: É o início da Segunda Guerra Mundial e Margaret, filha de Elspeth, está apaixonada por um piloto da Força Aérea Real. A mãe a adverte sobre os perigos de se entregar ao amor em tempos de guerra, mas a jovem não entende por quê. Então, durante um bombardeio, uma parede de sua casa é destruída e, de dentro dela, surgem cartas amareladas pelo tempo. No dia seguinte, Elspeth parte, deixando para trás apenas uma carta datada de 1915. Com essa única pista em mãos, a jovem decide ir em busca da mãe e, nessa trajetória, também precisará descobrir o que aconteceu à família muitos anos antes. Querida Sue é uma história envolvente contada em cartas. Com uma escrita sensível e cheia de detalhes de épocas que já se foram, Jessica Brockmole se revela uma nova e impressionante voz no mundo literário. 

Confira um trecho aqui.


“A história mais romântica do ano.” – Marie Claire.it

“Um amor mais forte do que o tempo e a distância. Um romance à moda antiga, que sobrevive à separação e aos dramas da vida. Um candidato a fenômeno editorial.” – Mediaset.it

“Os protagonistas são duas vozes tão claras e verdadeiras que parecem reais. Fui cativada em poucas linhas.” – Elle 

“Uma história notável sobre duas mulheres, seus amores, seus segredos e duas guerras mundiais, que vai direto aos assuntos importantes que quem escreve cartas se esforça para retratar por meio das palavras certas. (...) A beleza da Escócia, a tragédia da guerra, os anseios do coração e as lutas de uma família dilacerada pela deslealdade são brilhantemente delineados, deixando em branco apenas espaços suficientes para serem preenchidos pela imaginação do leitor.” – Publishers Weekly 

“Uma história de amor que exalta o poder da palavra escrita.” – USA Today “Com um tom que se alterna entre o lirismo e o flerte, o romance de estreia de Jessica Brockmole encanta ao evocar um tempo em que cartas escritas à mão e ansiosamente aguardadas enfeitiçavam os amantes.” – Kirkus Reviews 

“Uma pequena e deslumbrante joia.” – Richmond Times-Dispatch “Querida Sue é uma história de amor cativante que mostra que a esperança é capaz de vencer o tempo e as adversidades.” – Vanessa Diffenbaugh, autora de A linguagem das flores 


domingo, 30 de março de 2014

RESENHA: "A Filha do Louco" de Megan Shepherd

Por Carla Rojas - colaboradora do Sociedade do Livro

Título Original:  The Madman's Daughter
Autora: Megan Shepherd
Editora: Novo Conceito
Lançamento: 2014
Páginas416

Sinopse: Juliet Moreau construiu sua vida em Londres trabalhando como arrumadeira - e tentando se esquecer do escândalo que arruinou sua reputação e a de sua mãe, afinal ninguém conseguira provar que seu pai, o Dr. Moreau, fora realmente o autor daquelas sinistras experiências envolvendo seres humanos e animais. De qualquer forma, seu pai e sua mãe estavam mortos agora, portanto, os boatos e as intrigas da sociedade londrina não poderiam mais afetá- la... Mas, então, ela descobre que o Dr. Moreau continua vivo, exilado em uma remota ilha tropical e, provavelmente, fazendo suas trágicas experiências. Acompanhada por Montgomery, o belo e jovem assistente do cirurgião, e Edward, um enigmático náufrago, Juliet viaja até a ilha para descobrir até onde são verdadeiras as acusações que apontam para sua família.


Saiba mais sobre este título aqui no SKOOB
O livro, baseado no clássico “ A ilha do Dr. Moreau” de  H.G. Wells me conquistou desde o inicio. Primeiramente pela capa lindíssima e diagramação caprichada. Mas a história não fica nem um pouco para trás.

Ela começa com Juliet, lutando pela sobrevivência sozinha em Londres após o falecimento de sua mãe. A protagonista me marcou por ser bem construída e complexa. Vários de seus aspectos, positivos e negativos, são abordados e o ritmo que ela imprime, veloz e dinâmico, ajuda na imersão da história (de tal maneira que me fez perder o ponto do onibus *risos*).

Juliet viaja à ilha onde seu pai se esconde e o ápice acontece com ela descobrindo aos poucos os segredos que ali existem. Ela está determinada a descobrir a verdade sobre as acusações que cercam seu pai, seria ele tão hediondo quanto a sociedade londrina parecia acreditar? Logo fica claro que sim. E não, isso não é um spoiler. As cirurgias e “intervenções” realizadas pelo Dr. Moreau são apenas o início do drama.

O tom do livro é bem dramático e chega a ser obscuro. Nada que prejudique, ao contrário, achei todos os elementos condizentes com a atmosfera de suspense e perigo vivida pelos personagens.

E o que nos prende à leitura não são apenas os mistérios mas também a relação da protagonista com Montgomery, um ex-criado de sua família agora assistente de seu pai, e com o náufrago Edward, do qual pouco se sabe. Esses personagens vão sendo desenvolvidos com o passar do tempo e por varias vezes fiquei em dúvida quanto aos meus sentimentos para com eles.

São tantas reviravoltas que eu fiquei sem fôlego. Lá pelo final da trama pensei “Pronto! É esse o grande mistério” e fui deliciosamente surpreendida outras duas vezes com novas “bombas” ( imprevisibilidade é o que há rs).

Obviamente, então, o final não tem nada de clichês ou o certinho final feliz (em que tudo da certo e os herois vivem felizes para sempre). O que é ótimo, pois nos deixa ansiosos para a continuação (é uma triologia, como alegremente fiquei sabendo!).


Capas originais dos dois primeiros títulos de Megan

Você sabia? Imagem do site da NC

sexta-feira, 28 de março de 2014

TAG: 10 capas mais bonitas da minha estante

Todo mundo sabe que julgar um livro pela capa está entre os pecados capitais dos leitores, ou algo assim. Mas que atire a primeira pedra quem nunca levou pra casa um livro só porque ele era LINDO!

Faz tempo que estava querendo reunir em uma única lista os mais bonitos da minha estante. Por isso resolvi responder a TAG. Como vi váááários blogs fazendo e não vi nenhum mencionando de onde surgiu, vou deixar sem citar ninguém. Mas se vocês pesquisarem sobre ela, verão muitas respostas e se apaixonarão por muitos novos livros lindos.

Então, vamos aos meus favoritos:



“Se você me visse agora”, Cecelia Ahern – simplesmente me apaixonei pela capa e pelo título e comprei sem nem mesmo ler a sinopse. Ainda bem que não me desapontou nadinha. História fofíssima que está entre as minhas favoritas.

“O Ensaio”, Eleanor Catton - além de lindíssimo estava ultra barato (naquelas promoções loucas que rolam na Fnac). Não sei explicar o quanto fiquei fascinada por esta capa. Fico olhando pra ela, tentando entender tanto amor, mas como todo amor, não tem explicação.  Ainda não li, mas espero que não me decepcione.

“A menina que semeava”, Lou Aronica – também não li, mas fiquei fascinada com essa capa em tons de azul.

“Os impostores”, Chris Pavone – o livro é ótimo! E a capa maravilhosa! (Esse livro era pra ser da Maju na divisão de parcerias, mas gostei tanto que ela me deixou ficar com ele *-*)

“Meu amor, meu bem, meu querido”, Deb Caletti – acho essa capa delicada ao mesmo tempo que me passa uma sensação boa de liberdade. Adoro!

“Frio do além”, Charlaine Harris – sentiu o arrepio no estômago? Pois então, só de olhar para essa capa já dá pra imaginar o que vem nas páginas a seguir. Ótima história e capa lindíssima (também gosto muito das outras capas da série, mas essa, pra mim, é a melhor).

“O lado bom da vida”, Matthew Quick – simplesmente porque tem o Bradley Cooper e dispensa outros comentários.

“Na minha pele”, Kate Holden - adoro a simplicidade e a delicadeza dessa capa e a forma como ela se relaciona com a história do livro.

“A Rosa do inverno”, Patricia Cabot - uma capa que "reproduz" o peso de todo o amor da história que o livro conta.

“Bon Jovi – When We Were Beautiful” – Bon Jovi. Preciso dizer mais alguma coisa?


**Queria deixar um plus nessa TAG. A lista abaixo são livros que estão na minha lista de desejados e que me despertaram interesse, pelo menos num primeiro momento, por causa das suas capas lindíssimas. 


"A Bibliotecária"


"Talvez uma história de amor"


"Quem sabe um dia"


"Cadê você, Bernadette?"



"Eleanor & Park"


quinta-feira, 27 de março de 2014

LANÇAMENTO: "Os Assassinos do Cartão-Postal", James Patterson

A Editora Arqueiro lança agora, em 9 de abril, mais um título do incrível James Patterson, "Os Assassinos do Cartão-Postal". 

Tá, eu sei que James Patterson é James Patterson, impossível não amar. Mas, além da capa MA-RA-VI-LHO-SA (#morri), como não ficar louca de vontade de ler esse livro com uma sinopse instigante dessas?



Uma viagem a Roma 

Jacob Kanon, um detetive da divisão de homicídios do Departamento de Polícia de Nova York, está muito longe de casa. Em sua longa viagem, já conheceu as mais belas cidades da Europa. No entanto, não é a paisagem que o atrai. Para ele, cada café, catedral ou museu é uma pista dos assassinos de sua filha. 

Um rastro de sangue 

A filha de Jacob, Kimmy, é apenas uma peça de um doentio e intricado quebra-cabeças. Amsterdã, Copenhague, Madri, Paris... Em toda a Europa, jovens casais são encontrados mortos com a garganta cortada. Os assassinatos não parecem ter qualquer conexão, além de cartões-postais enviados para os jornais locais dias antes da descoberta de cada crime. 

Mais pessoas correm perigo 

Numa tentativa de salvar as próximas vítimas, Jacob vai se unir à jornalista Dessie Larsson, que acaba de receber um cartão-postal em Estocolmo. O que eles não imaginam é que os crimes têm um propósito bem diferente do que pensavam. **** Emily e Clive Spencer são felizes e recém-casados, curtindo a lua de mel em Paris, onde fizeram dois novos amigos. Sylvia e Mac Rudolph são divertidos, sexy e muito interessantes. Tão interessantes que um convite para o quarto deles parece uma promessa inquestionável de uma noite louca e perfeita. 

Porém Emily e Clive estão prestes a ser assassinados. 

Enquanto isso, em Berlim, Jacob Kanon, um detetive da divisão de homicídios do Departamento de Polícia de Nova York, bebe vinho em seu quarto de hotel, analisando minuciosamente alguns cartões-postais. Embora pareçam inocentes, eles são mensagens enviadas por assassinos em série que andam atacando em toda a Europa, degolando jovens casais. Angustiado, Jacob persegue os criminosos de maneira obsessiva, dedicando cada minuto de sua vida à prisão dos monstros que mataram sua filha. 

A quilômetros dali, em Estocolmo, a jornalista Dessie Larsson sofre em mais um dia de trabalho. Avessa à fama e ao sucesso, quer apenas levar sua vida em paz, escrever boas histórias, se recuperar do fim de um relacionamento e finalizar sua tese de doutorado. 

Mas ela acaba de receber um cartão-postal...

Confiram um trecho do livro clicando aqui

quarta-feira, 26 de março de 2014

RESENHA: "Garota Exemplar", Gillian Flynn

Por Francine Estevão

Título: Garota Exemplar
Título Original: Gone Girl
Autora: Gillian Flynn
Editora: Intrínseca
Lançamento: 2013
Páginas: 443

Sinopse: Uma das mais aclamadas escritoras de suspense da atualidade, Gillian Flynn apresenta um relato perturbador sobre um casamento em crise. Com 4 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo – o maior sucesso editorial do ano, atrás apenas da Trilogia Cinquenta tons de cinza –, "Garota Exemplar" alia humor perspicaz a uma narrativa eletrizante. O resultado é uma atmosfera de dúvidas que faz o leitor mudar de opinião a cada capítulo. Na manhã de seu quinto aniversário de casamento, Amy, a linda e inteligente esposa de Nick Dunne, desaparece de sua casa às margens do Rio Mississippi. Aparentemente trata-se de um crime violento, e passagens do diário de Amy revelam uma garota perfeccionista que seria capaz de levar qualquer um ao limite. Pressionado pela polícia e pela opinião pública – e também pelos ferozmente amorosos pais de Amy –, Nick desfia uma série interminável de mentiras, meias verdades e comportamentos inapropriados. Sim, ele parece estranhamente evasivo, e sem dúvida amargo, mas seria um assassino? Com sua irmã gêmea Margo a seu lado, Nick afirma inocência. O problema é: se não foi Nick, onde está Amy? E por que todas as pistas apontam para ele?

"Vocês são as pessoas com as mentes mais doentias que eu já conheci, e eu sou especialista em mentes doentias". Pág 418

Acho que a “loucura” dos personagens desse livro me afetou enquanto eu o lia. Por isso, minha opinião sobre a história é cheia de contradições. Adorei “Garota Exemplar” ao mesmo tempo em que não gostei muito. No entanto, Gillian Flynn demonstrou ser de uma genialidade incrível ao provar para os leitores que toda história tem muitas versões e que quando ela é bem elaborada e bem escrita, toda versão pode ser real. É uma questão de “no que você quer acreditar”.  

Desde o começo fiquei completamente intrigada para saber o final, mas nem isso foi suficiente para me fazer devorar o livro. Minha leitura foi bastante lenta e se não fosse pela curiosidade de saber o desfecho, eu acho que teria desistido no meio do caminho. Apesar disso, fiquei feliz por ter terminado a leitura, pois o final me surpreendeu positivamente. Achei ele bastante plausível considerado o todo do livro.

A história é contada sob dois pontos de vista. Nick narra sua parte desde o dia que Amy, sua esposa, desapareceu de casa justo no dia do aniversário de 5 anos de casamento do casal. “O dia do” é como a história faz referência à fatídica data. Achei isso bastante instigante, tendo em vista que ninguém sabia de fato o que havia acontecido à Amy.

A casa é encontrada revirada, Amy não está em nenhum lugar, e Nick acaba, com o tempo, se tornando o principal suspeito. Apesar de jurar que não é responsável, seu comportamento é bastante suspeito e você sabe que ele esconde um segredo que poderia muito bem ser o assassinato da esposa.

Enquanto isso, conhecemos a vida de Amy por meio de um diário escrito ao longo dos últimos anos antes de seu desaparecimento. A história dela é apenas mais uma das provas que podem incriminar Nick.

Em meio à investigação policial e a todo burburinho provocado pelo caso – Amy é a personagem de uma série de livros infantis escritos por seus pais e, portanto, por ser “famosa”, seu sumiço ganha dimensão nacional – Nick sai atrás de desvendar as pistas de uma caçada tradicional entre ele e sua esposa. Todo ano, no aniversário de casamento deles, Amy deixa pistas para Nick decifrar e elas o levarão ao seu presente. Só que dessa vez, as pistas podem levá-lo à total destruição.

As partes de Nick na história eram bastante arrastadas e isso provocou um pouco da lentidão na minha leitura. Gostei mais das partes de Amy e, apesar de achar ela uma criatura genial (má, muito má, mas nem por isso menos genial), eu sentia um ódio inexplicável por ela.

Por fim, minha conclusão é de que, apesar de não ter se tornado um dos melhores livros que li, ele é incrível. Tem um apelo psicológico que nos faz pensar no quão louco pode ser o ser humano, que nos faz refletir sobre as versões que nos são contadas diariamente e nas quais acreditamos e, em um grau um pouco menor, mas ainda assim bastante importante, no que o amor é capaz de fazer com as pessoas.


terça-feira, 25 de março de 2014

AI MEU CORAÇÃO - "Destrua este diário"


AI MEU CORAÇÃO! Isso mesmo...
Este não é um livro pra cardíacos nem para amante de livros. #SQN

Eu amo os livros e confesso que me relaxei um pouco fazendo algumas tarefas deste livro. MENTIRA!

AI MEU DEUS! Este vai ser um post contraditório e sem noção.

Tá - explicando. Março foi o meu aniversário e ganhei um "Destrua este diário". Claro que eu não ia destruir, mas então qual o propósito se não destruí-lo? Criei coragem e abri um pouquinho o livro ao meio para estragar a lombada e então disse: "Tchãnam! Lombada destruída!" - Me achando o máximo...

Claro que a lombada estava praticamente intacta, mas minha querida amiga do Tribooks, Roh Dover, disse: "Não é assim que se faz, é assim!" 

Eis o resultado:






Cenas dos próximos capítulos em outros posts. É muito prum coração em um post só X_X


*E você, tem este livro também? Já destruiu um pouquinho? Compartilhe conosco! Juramos que aguentamos... (ou não)

segunda-feira, 24 de março de 2014

LANÇAMENTOS de Abril - Editora Novo Conceito



"O Lado Mais Sombrio" (Splintered - Livro 01), de A.G.Howard

Sinopse: Alyssa Gardner ouve os pensamentos das plantas e animais. Por enquanto ela consegue esconder as alucinações, mas já conhece o seu destino: terminará num sanatório como sua mãe. A insanidade faz parte da família desde que a sua tataravó, Alice Liddell, falava a Lewis Carroll sobre os seus estranhos sonhos, inspirando-o a escrever o clássico Alice no País das Maravilhas. Mas talvez ela não seja louca. E talvez as histórias de Carroll não sejam tão fantasiosas quanto possam parecer. Para quebrar a maldição da loucura na família, Alyssa precisa entrar na toca do coelho e consertar alguns erros cometidos no País das Maravilhas, um lugar repleto de seres estranhos com intenções não reveladas. Alyssa leva consigo o seu amigo da vida real – o superprotetor Jeb –, mas, assim que a jornada começa, ela se vê dividida entre a sensatez deste e a magia perigosa e encantadora de Morfeu, o seu guia no País das Maravilhas. Ninguém é o que parece no País das Maravilhas. Nem mesmo Alyssa...


"Bob - Um gato fora do normal" - Versão inédita, com fotos coloridas, do Best-Seller "Um Gato de Rua Chamado BOB", de James Bowen

Sinopse: “Nós ganhamos segundas chances todos os dias, mas geralmente não as aproveitamos. E então eu conheci o Bob.” James Bowen é um músico sem-teto que se apresenta nas ruas de Londres para sobreviver. A partir do momento em que ele encontra um gato de rua machucado, com o pelo cor de laranja e grandes olhos verdes, sua vida começa a mudar. Juntos, James e Bob enfrentam o mundo – e vencem. Uma história verdadeira sobre amor e amizade que vai fazer você sorrir muito.

Skoob 

"Colin Fischer", de Ashley Edward Miller e Zack Stantz
Sinopse: Resolvendo o crime. Uma expressão facial por vez. O ano letivo de Colin Fischer acabou de começar. Ele tem cartões de memorização com expressões faciais legendadas, um desconcertante conhecimento sobre genética e cinema clássico e um caderno surrado e cheio de orelhas, que usa para registrar suas experiências com a MUITO INTERESSANTE população local. Quando um revólver dispara na cantina, interrompendo a festinha de aniversário de uma das garotas, Colin é o único que pode investigar o caso. Está em suas mãos provar que não foi Wayne Connelly, justamente aquele que mais o atormenta, que trouxe a arma para a escola. Afinal de contas, a arma estava suja de glacê, e Wayne não estava com os dedos sujos de glacê…
Skoob

"Desde o primeiro instante", de Mhairi MCFarlane
Sinopse: Rachel acabou de romper um noivado e está decidindo o que vai fazer da vida. Quando ela se encontra casualmente com Ben, um amigo dos tempos da faculdade, seu coração balança. Na época não rolou, mas agora ele parece tão mais interessante... O problema é que Ben está casado, “fora do mercado”, como se costuma dizer. Ok, hora de partir para outra. Rachel não é nenhuma mocinha ingênua, dessas que se deixam levar pela emoção. O fato de Ben ser lindo, educado, engraçado, nobre e fiel não é suficiente para tirar Rachel do seu eixo. Claro que não. Na verdade, ele é O Companheiro Perfeito. Pena que seja tão fiel! Apaixonar-se pelo melhor amigo é o sentimento mais gostoso do mundo, mas também é assustador.

"Esta é uma história de amor", de Jessica Thompson

Sinopse: Um rapaz conhece uma menina e a menina se apaixona pelo rapaz – até aí, nenhuma novidade. Mas, com Sienna e Nick, as coisas não acontecem do jeito que costumam acontecer nas histórias de amor. Tudo bem que ela o achou superparecido com o Jake Gyllenhaal, seu ator preferido. E ele teve o maior frio na barriga quando viu aqueles lindos olhos azuis-escuros no metrô. Nada disso importa quando a gente está fechado para balanço. Ela é frágil... Tem tantos segredos. E ele não está a fim de nada sério. Engraçada e ao mesmo tempo triste, esta é a história de duas pessoas destinadas a não ficarem juntas... mesmo sendo a coisa que elas mais querem no mundo. 


"Vinte garotos no verão", de Sarah Ockler

Sinopse: Quando alguém que você ama morre, as pessoas perguntam como você está, mas não querem saber de verdade. Elas buscam a afirmação de que você está bem, de que vocêaprecia a preocupação delas, de que a vida continua. Em segredo, elas se perguntam quando a obrigação de perguntar terminará (depois de três meses, por sinal. Escrito ou não escrito, é esse o tempo que as pessoas levam para esquecer algo que você jamais esquecerá). As pessoas não querem saber que você jamais comerá bolo de aniversário de novo porque não quer apagar o sabor mágico de cobertura nos lábios beijados por ele. Que você acorda todos os dias se perguntando por que você está viva e ele não. Que na primeira tarde de suas férias de verdade você se senta diante do mar, o rosto quente sob o sol, desejando que ele lhe dê um sinal de que está tudo bem.






"A Escolha do Coração", de Amanda Brooke

Sinopse: Recém-casados, Holly e Tom se mudam para uma casa grande e confortável, onde ela espera esquecer de vez os fantasmas de sua infância problemática. O destino, contudo, lhe preparou uma surpresa, que se revela depois que Holly encontra um relógio lunar enterrado no jardim. O relógio oferece a imagem de um futuro que é ao mesmo tempo animador e preocupante: a visão de um lindo bebê nos braços de Tom... mas Holly, estranhamente, não aparece na visão. Em pânico diante da previsão, ela teme que um dia precise fazer uma escolha terrível: dar um filho ao marido, sacrificando sua própria vida... ou salvar-se e se esquecer para sempre da filha não nascida – a quem Holly já aprendeu a amar. 

Skoob

"Primeiro amor", de James Patterson

Sinopse: Axi Moore é uma garota certinha, estudiosa, bem comportada e boa filha. Mas o que ela mais quer é fugir de tudo isso e deixar para trás as lembranças tristes de um lar despedaçado. A única pessoa em quem ela pode confiar é seu melhor amigo, Robinson. Ele é também o grande amor de sua vida, só que ainda não sabe disso. Quando Axi convida Robinson para fazer uma viagem pelo país, está quebrando as regras pela primeira vez. Uma jornada que parecia prometer apenas diversão e cumplicidade aos poucos transforma a vida dos dois jovens para sempre. De aventureiros, eles se tornam fugitivos. De amigos, se tornam namorados. Cada um deles, em silêncio, sabe que sua primeira viagem pode ser também a última, e Axi precisa aceitar que de certas coisas, como do destino, não há como fugir. Comovente e baseado na própria vida do autor, este livro mostra que, por mais puro e inocente que seja, o primeiro amor pode mudar o resto de nossas vidas.

Skoob

"Belleville", de Felipe Colbert

Sinopse: Se pudesse, Lucius aterrissaria em 1964 para ajudar Anabelle a realizar o grande sonho do seu falecido pai! De quebra, ajudaria a moça a enfrentar alguns problemas muito difíceis, entre eles resistir à violência do seu tio Lino. Claro que conhecer de perto os lindos olhos verdes que ele viu no retrato não seria nenhum sacrifício... Sem conseguir explicar o que está acontecendo, Lucius inicia uma intensa troca de correspondência com a antiga moradora da casa para onde se mudou. Uma relação que começa com desconfiança, passa pelo carinho e evolui para uma irresistível paixão – e para um pedido de socorro...

Skoob

"Boneca de Ossos", de Holly Black

Sinopse: POPPY, ZACH E ALICE sempre foram amigos. E desde que se conhecem por gente eles brincam de faz de conta – uma fantasia que se passa num mundo onde existem piratas e ladrões, sereias e guerreiros. Reinando soberana sobre todos esses personagens malucos está a Grande Rainha, uma boneca chinesa feita de ossos que mora em uma cristaleira. Ela costuma jogar uma terrível maldição sobre as pessoas que a contrariam. Só que os três amigos já estão grandinhos, e agora o pai de Zach quer que ele largue o faz de conta e se interesse mais pelo basquete. Como o seu pai o deixa sem escolha, Zach abandona de vez a brincadeira, mas não conta o verdadeiro motivo para as meninas. Parece que a amizade deles acabou mesmo...

Skoob

"Mulheres que escolhem demais", de Lori Gottlieb

Sinopse: Todo mundo tem uma amiga que vive procurando defeito em todos os pretendentes. Um é alto demais, o outro é baixinho; um terceiro não é suficientemente bem-sucedido. E tem ainda aquele que é perfeito demais... A expectativa por uma boa companhia é tão grande que a cabeça da mulher se enche de dúvidas: “Ele é a pessoa certa para mim? Ele é O CARA!? Será que existe Príncipe Encantado? Pior ainda: será que fiquei esperando tanto que não reparei quando ele passou por mim?”. Talvez o homem que a sua amiga – ou você, mesmo que não admita – tanto espera não exista. E talvez você nunca tenha pensado nisso. Ninguém é perfeito. Todos têm defeitos — sim, inclusive as mulheres! Mas são justamente as pequenas diferenças que deixam tudo mais interessante.



sexta-feira, 21 de março de 2014

RESENHA: "O Clone de Cristo" de J.R. Lankford

Por Maju Raz


Titulo: O Clone de Cristo 
Título Original: The Jesus Thief #1
Autora: J.R. Lankford
Lançamento: 2014
Número de Páginas: 384

Sinopse: O Clone de Cristo é uma história fantástica sobre uma experiência secreta que pode mudar o mundo: a tentativa de clonar Jesus Cristo a partir do Santo Sudário. O Dr. Felix Rossi é o chefe da pesquisa, um conceituado cientista obcecado com duas perguntas: será que o tecido do Sudário contém mesmo o sangue de Cristo? E o DNA ainda estará intacto?
Apesar do caráter sigiloso do experimento, forças obscuras tentam impedi-lo e Rossi não tem tempo a perder: precisa encontrar uma mulher para gerar a criança.
Esta trama policial arrepiante nos leva numa viagem inesquecível da alta sociedade nova-iorquina aos bares irlandeses, das igrejas do Harlem à Catedral de Turim. Uma narrativa bem construída sobre laços familiares perdidos, um homem à procura de Deus, uma mulher em busca de um sentido para a própria vida… e uma inesperada história de amor.



A Editora Saída de Emergência vem trazendo ótimos títulos de publicação para o brasil, como O Clone de Cristo.

Eu escolhi o livro para ler não só pela capa, mas também pela indicação da Mariana do Blog Magia Literária e PELO NOME. Adoro histórias sobre conspirações que envolvem religião...

O Layout do livro mais a diagramação ficaram muito bons. Também achei a tradução ótima! Agora me resta aguardar ansiosamente os outros três livros da série.

Vamos combinar que nossa capa é mil vezes mais bonita?

O livro é um thriller com toques teológicos e de ficção científica. E se um cientista não escolhe apenas brincar de Deus, mas recriar o filho de Deus? O rico Dr. Felix Rossi, um brilhante cientista espera fazer um milagre: clonar de Jesus a partir de sangue seco do Sudário de Turim.

O Sudário de Turim, ou o Santo Sudário é uma peça de linho que mostra a imagem de um homem que aparentemente sofreu traumatismos físicos de maneira consistente com a crucificação. O Sudário está guardado na Catedral de Turim, na Itália, desde o século XIV. Pertenceu desde 1357 à casa de Saboia que em 1983 o doou ao Vaticano. A peça é raramente exibida em público, a última exposição foi no ano 2010 quando atraiu mais de 50 mil fiéis.
A origem da peça conhecida como Santo Sudário tem sido objeto de grande polêmica. Para descrever seu estudo geral, os pesquisadores cunharam o termo "sindonologia", do grego σινδών—sindon, a palavra usada no evangelho de Marcos para descrever o tipo de tecido comprado por José de Arimateia para usar como mortalha de Jesus.” - Fonte

Então o cientista cortou um minúsculo pedaço do pano que continha sangue a fim de tentar criar um clone de Cristo.  Seus planos tornam-se mais urgente quando ele descobre através de uma carta de seu pai que, embora criado como católico, ele é de fato o filho de judeus que se refugiaram do nazismo nos EUA. Em seu pensamento, Rossi acredita que vai fazer o mundo "perdoar " os judeus pela morte de Jesus com esse clone.

O médico trabalha no laboratório em seu luxuoso apartamento em Manhattan. A única coisa que falta é uma mãe para gerar este filho, uma virgem... Sua empregada, Maggie, descobre tudo o que está acontecendo e pede para ser a mulher que vai gerar o clone do filho de Deus. Todas as personagens do livro são envolventes. Suas preocupações vão atrair o leitor e nos questionar e refletir sobre as implicações do que Felix está fazendo: compreensão da fé, política, o valor da vida, as implicações da clonagem e muito mais... Não posso contar mais, pois já contei demais. Vocês terão que ler para tirar suas conclusões.

O romance me lembrou muito o estilo de Down Brown em “O Código da Vinci”. O que diferenciou o livro de Lankford de outros thrillers é a qualidade envolvente de sua escrita, o estilo de narração e a atenção aos detalhes que te prendem à leitura. Quando comecei a ler as vinte primeiras páginas achei que o livro fosse me decepcionar, mas de repetente tudo passou a ser instigante e me senti introduzida a um mundo totalmente secreto. 



RESULTADO: Sorteio "Um conto do destino"



E o livro vai para...


Parabéns, Rosiane Olímpia!

Você tem até o dia 31/03 para nos mandar e-mail com seus dados para sociedadedolivrorp@gmail.com.
Se ao fim deste prazo não recebermos seu contato, o sorteio será refeito.

Confira o post original do sorteio para mais informações do Termos e Condições.

Obrigada a todos que participaram!
Em breve, teremos mais livros para vocês!



TAG: Livros Opostos

Assim como o TriBooks e a Cami, eu não me lembro de já ter respondido a alguma TAG. Como adorei a que elas fizeram – Livros Opostos - criada pelo Minha Estante, resolvi participar também.




1. Primeiro livro da sua coleção/ Último comprado: 
Não me lembro exatamente o primeiro, mas dos que tenho hoje, entre os mais antigos, o que mais gosto é “O Mistério do Cinco Estrelas”, do Marcos Rey, que li na época de escola. O último que comprei foi “Deslembrança”, Cat Patrick.



2. Um que você pagou barato/ Um que pagou caro: 

“Gold”, Chris Cleave foi um dos mais baratos. Se não me engano, comprei ele por R$2 em uma promoção da Fnac. “As Palavras”, Clarice Lispector foi um dos mais caros de que eu me lembre.

3. Com protagonista homem/ Protagonista mulher: 
Homen – “O lado bom da vida”, Matthew Quick. Mulher – “Jane Eyre”, Charlotte Brontë. 

4. Leu bem rápido/ Demorou para ler: 
“Nada”, Janne Teller, li em um dia. “Don Quijote”, Miguel de Cervantes, que eu nem sei exatamente quanto tempo demorei porque comprei a versão completa e em espanhol, então li bem devagar.

5. Com capa bonita/ Capa feia: 
“O Ensaio”, Eleanor Catton. “Noites Italianas”, Kate Holden.

6. Um livro brasileiro / Um livro internacional: 
“Procura-se um marido”, Carina Rissi. “O Aliciador”, Donato Carrisi.

7. Um livro mais fino / Um mais grosso: 
"A hora da estrela", Clarice Lispector. "Casório", Marian Keyes.

8. Um livro de ficção / Um de não ficção: 
“Sleeping Beauty”, Phillip Margolin. “O Homem de Gelo”, Philip Carlo.

9. Um livro meloso / Um livro de ação: 
Qualquer um do Nicholas Sparks. “Divergente”, Veronica Roth.

10. Um livro que te deixou feliz / Um que te deixou triste:
Sempre fico feliz com os livros da Lauren Weisberger. “O Presente”, Cecelia Ahern, me fez chorar que nem uma criancinha.

*Adorei a brincadeira. Podem esperar que teremos outras TAGs futuramente aqui na Sociedade do Livro. 
**E se vocês responderem no blog, facebook, etc. de vocês essa de Livros Opostos, deixem o link nos comentários para conferirmos! 



quinta-feira, 20 de março de 2014

RESULTADO: Concurso Instagram Sociedade do Livro

Gente, hoje saiu o resultado do primeiro concurso que realizamos no nosso Instagram (@sociedade_do_livro).

O objetivo era postar uma (ou várias) foto com o tema “Porque eu amo livros” e usar a hashtag #EuAmoLivrosSLRP. 

A melhor foto escolhida por nós, equipe da Sociedade do Livro, levaria para casa um kit com 10 livros (A filha do louco, Quando tudo volta, Diga aos lobos que estou em casa, Tempo de mudanças, Poseidon, Por toda a eternidade, O começo de tudo, Garotas de vidro, As gêmeas, Arrabal e a noiva do capitão) + uma mochila da nossa editora parceira Novo Conceito.

E a foto ganhadora foi...


Parabéns, @cadyripoll!

MAS, como somos muito legais e boazinhas (e como foi muito difícil escolher só uma foto para vencer o concurso porque tiveram várias fotos excelentes), nós decidimos escolher um segundo e um terceiro lugar que vão levar um livro + marcadores.

Então, as outras duas ganhadoras são...

@caluiz_


@priguerra8

As 3 ganhadoras precisam mandar um e-mail para sociedadedolivrorp@gmail.com com os dados para envio dos prêmios!

HOJE É DIA DO BLOGUEIRO!


Hoje é dia do blogueiro!

Uns dizem que o dia do blogueiro é comemorado dia 31 de agosto por conta dos números 31/08 se assemelharem com a palavra Blog... Mas a data oficial é comemorada HOJE!

Para ser blogueiro é preciso disciplina, dedicação e força para manter tudo organizado e atualizado. Além de tudo é preciso paixão e isso é o que move o blogueiro!

Parabéns a todos os colegas e amigos!

Que a blogosfera seja mais unida e que o os blogueiros chequem mais as fontes. Que não deixemos desanimar pelos outros e que nossa chama literária nunca apague!

Beijos e abraço forte a todos da Equipe Sociedade do Livro!


quarta-feira, 19 de março de 2014

RESENHA: "Um perfeito cavalheiro", de Julia Quinn

Por Francine Estevão

Título:
Um perfeito cavalheiro (3º livro da Série Os Bridgertons)
Título original: An Offer from a Gentleman
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Lançamento: 2014
Páginas: 304

Sinopse: Sophie sempre quis ir a um evento da sociedade londrina. Mas esse é um sonho impossível. Apesar de ser filha de um conde, é fruto de uma relação ilegítima e foi relegada ao papel de criada pela madrasta assim que o pai morreu. Uma noite, ela consegue entrar às escondidas no baile de máscaras de Lady Bridgerton. Lá, conhce o charmoso Benedict, filho da anfitriã, e se sente parte da realeza. No mesmo instante, uma faísca se acende entre eles. Infelizmente, o encantamento tem hora para acabar. À meia-noite, Sophie tem que sair correndo da festa e não revela sua identidade a Benedict. No dia seguinte, enquanto ele procura sua dama misteriosa por toda a cidade, Sophie é expulsa de casa pela madrasta e precisa deixar Londres. O destino faz com que os dois só se reencontrem três anos depois, Benedict a salva das garras de um bêbado violento, mas, para decepção de Sophie, não a reconhece nos trajes de criada. No entanto, logo se apaixona por ela de novo. Como é inaceitável que um homem de sua posição se case com uma serviçal, ele lhe propõe que seja sua amante, o que para Sophie é inconcebível. Agora os dois precisarão lutar contra o que sentem um pelo outro ou reconsiderar as próprias crenças para terem a chance de viver um amor de conto de fadas. Nesta deliciosa releitura de Cinderela, Julia Quinn comprova mais uma vez seu talento como escritora romântica.

“Um perfeito cavalheiro” nos traz, em seus primeiros capítulos, uma recontagem de Cinderela. Com direito a quase todos os detalhes do clássico conto de fadas. Sophie é a filha bastarda de um conde e quando ele se casa, a nova condessa detesta a jovem e proíbe suas duas filhas de tratarem a enteada bem. Até que o conde morre e a condessa faz de Sophie a criada da casa. Um dia, Sophie encontra a oportunidade de ir a um baile de máscaras oferecido pelos Bridgertons e acaba se envolvendo com o 2º filho da família, Benedict. No entanto, à meia noite, hora de voltar para casa, ela deixa o cavalheiro para trás sem nem mesmo lhe contar seu nome. A ele, resta apenas uma luva que servirá de esperança para que ele encontre a dama de prateado.

No princípio, tudo isso me deixou um pouco desanimada com a leitura. O fato de ser extremamente igual a Cinderela me fez pensar que o livro seria bastante óbvio até o fim. Mas como Julia Quinn é uma excelente contadora de histórias, basta avançar um pouco para ser ver completamente presa ao livro e mais do que envolvida. A autora sabe despertar nossos sentimentos pelos seus personagens que até podem estar vivendo uma releitura do clássico conto de fadas, mas que têm seu jeitinho todo especial de conquistar os leitores e de nos fazer soltar altas gargalhadas durante a leitura, algo que se repete desde o primeiro livro da série e que considero uma das principais qualidades na narrativa dela, tornando suas histórias – por mais óbvios que possam ser seus finais – diferenciadas dos outros romances históricos modernos que são publicados e tornando a leitura extremamente agradável. A forma como ela desenvolve cada personagem é única e essencial para que a história ganhe força e desperte o interesse de todos.

Voltando ao enredo... Após o baile, Benedict sai a procura de sua companhia misteriosa e desperta na madrasta de Sophie a desconfiança e depois a certeza de que ela a desrespeitou e esteve no festa. Com isso, Sophie é expulsa de casa e acaba conseguindo um emprego na casa dos pais de um amigo de Benedict. No entanto, cansada das investidas do filho do casal, ela decide ir embora, mesmo sem saber para onde. Quando está para deixar a propriedade, no meio de uma festa, o jovem e outros colegas dele, já embriagados, estão prestes a forçá-la a ficar com eles. Mas a jovem é impedida de ser abusada por ninguém menos que Benedict, que não a reconhece do baile.

Após salvá-la de um destino cruel, Benedict, um cavalheiro nato, resolve levar Sophie para sua propriedade a fim de oferecer a ela um emprego na casa de sua mãe, Violet. É a partir dai que “Um perfeito cavalheiro” ganha rumo próprio e fica ainda melhor.