quarta-feira, 12 de março de 2014

RESENHA: "Convergente", de Veronica Roth

Por Francine Estevão

Título: Convergente
Título Original: Allegiant
Autora: Veronica Roth
Editora: Rocco
Lançamento: 2014
Páginas: 526

Sinopse: A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditara um dia, desmoronou – destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. No poderoso desfecho da trilogia Divergente, de Veronica Roth, a jovem será posta diante de novos desafios e mais uma vez obrigada a fazer escolhas que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor. Livro mais vendido pela Amazon no segmento infantojuvenil em 2013, Convergente chega ao Brasil em meio à expectativa pela estreia de Divergente nos cinemas, em abril. A série segue no topo na lista de bestsellers do The New York Times.

Chocada e inconformada são duas palavras que definem bem meus sentimentos com relação a "Convergente". Decepcionada também se encaixaria bem aqui. Na verdade, desde que peguei o 3º e último livro da série "Divergente", senti que a leitura fluiria de uma maneira diferente da que fiz nos dois primeiros livros. Uma novidade é a narrativa intercalada entre a Tris e o Tobias. Sinceramente, ainda não decidi se gostei ou não dessa forma de contar a história, cada hora mostrando o lado de cada um deles, mas confesso que no final, isso fez algum sentido e teve certo impacto. 

A história começa logo depois que todos descobrem, por meio de um vídeo de uma antepassada da Tris, que existe "um mundo lá fora". Então, uma nova rebelião está prestes a acontecer na Chicago das facções e um grupo, incluindo os personagens principais, pretende deixar a cidade e ver o que existe além da margem. 

O que eles encontram do lado de fora é um pouco diferente do que eles esperavam e do que eu esperava. O mundo no "departamento" ainda é extremamente segmentado e preconceituoso e as pessoas estão divididas, não mais em facções, mais ainda assim é como se fosse. 

Todos que vieram de Chicago passam a descobrir partes da verdade envolvendo o lugar onde viveram desde sempre e precisam fazer escolhas que poderão mudar não só suas vidas, mas também a vida de muita gente dentro e fora do departamento e de Chicago.

Tris e Tobias continuam divergindo em relação ao que pensam que deve ser feito com o mundo onde vivem. A relação deles ganha um pouco mais de espaço com intrigas e reconciliação.

No geral, acho que a mudança de cenário fez com que a história perdesse um pouco o impacto e me deixou menos interessada no desfecho da trilogia. É um livro um pouco mais parado, com menos ação do que os anteriores. Tem também uma confusão interna dos personagens que acaba deixando a leitura um pouco mais pesada, cansativa.


A sensação que tive ao chegar à última página de "Convergente" foi a de que Veronica Roth perdeu o rumo. Sei lá, parece que ela tinha que terminar e não sabia muito o que fazer. Apesar disso, algo extremamente chocante acontece e te faz perder o rumo e você fica, até o final, torcendo para que aquilo seja mentira. 

5 comentários:

  1. Compartilho plenamente com você no que diz respeito a esse desfecho decepcionante e frustrante, pra não dizer outra coisa ...
    Depois que terminei de ler fiquei atônita por muito tempo, e quando superei esse estado fiquei indignada por como foi conduzida a história.
    Como você bem citou, desde o começo do livro foi um desenrolar bem maçante, onde o Tobias toda hora fica se questionando, deixando a Tris de lado e acreditando em quem ele nem conhecia.
    Depois quando aconteceu aquele "algo chocante" no final, também fiquei esperando até a última palavra escrita torcendo para que fosse uma mentira.
    Na minha opinião, quando um autor faz a escolha que a Veronica Roth fez, ele deve ter um bom motivo, algo que justifique essa escolha para o desenvolvimento do enredo e que tenha um bom propósito, que obviamente nesse livro não tinha.
    E minha maior incredulidade foi que após ler esse bendito livro (que me arrependerei amargamente de ler) pesquisei a opinião dos leitores na internet e a grande maioria gostou, ou melhor, teceu diversos elogios!
    Então após ler essa resenha, fiquei um tanto quanto aliviada por não estar só na minha indignação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, verdade, também fiquei impressionada com o tanto de gente que gostou do final. Tava me sentindo mal por ter achado ruim, mas é isso ai, não fez sentido. Destoou muito dos outros dois livros iniciais.

      Excluir
    2. Estou inconformada com esse final! Quando aconteceu "aquilo" eu realmente fiquei com vontade de parar de ler! Pra mim não fazia mais nenhum sentido! Mas terminei, e sei lá! Ah, estou sem palavras para esse final de convergente

      Excluir
  2. Concordo com todos, estou muito indignada pois não consigo entender o PORQUE do final, aquele motivo que define tudo, mas essa historia não me mostrou isso ou as lagrimas esconderam a informação, um exemplo está em "Harry Potter" ele precisava fazer tudo aquilo para matar a ultima parte de seu Inimigo, mas em Convergente qual é relação? não encontrei Nexo para o que acontece... fiquei sem chão...

    ResponderExcluir
  3. Oi adorei sua resenha, simplesmente fantástica....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços.

    ResponderExcluir