quarta-feira, 14 de maio de 2014

RESENHA: "Doors Open", Ian Rankin

Por Francine Estevão 

Título: Doors Open
Autor: Ian Rankin
Editora: Reagan Arthur/Back Bay Books
Lançamento: 2008
Páginas: 362

Sinopse: Mike Mackenzie é um empresário de software que vendeu sua empresa por uma quantia substancial de dinheiro, mas agora está entediado e procurando uma nova emoção. Sua riqueza recém-descoberta financiou um interesse genuíno em arte, assim quando seu amigo Professor Robert Gissing o apresenta um plano para o crime perfeito, ele voluntariamente ajuda no planejamento. Com uma vasta coleção, mas espaço limitado na parede, a National Gallery tem muitas obras de arte valiosas armazenadas. O plano é para realizar um assalto no depósito de armazenamento durante o "Doors Open Day", quando um grupo selecionado de pinturas será "roubada". O grupo vai fingir ter entrado em pânico e fugido sem as obras de arte, mas eles trocaram as pinturas verdadeiras por falsificações de alta qualidade, boas o suficiente para convencer qualquer pessoa investigando o assunto de que nenhum roubo foi cometido. Quando eles começam a elaborar o plano, torna-se claro que precisam de alguma "ajuda profissional" e um encontro casual com Chib Calloway, um gangster local que frequentou a mesma escola que Mike, ajuda com essa necessidade.

Ian Rankin tem vários livros publicados no Brasil pela Companhia das Letras, mas Doors Open não está entre eles.  

O que você faz quando é rico e deseja a única coisa que seu dinheiro não pode comprar (simplesmente porque ela não está à venda)? Em Doors Open, a resposta é: bola um plano de roubar o seu objeto de desejo.

Três amigos apaixonados por arte – Mike, Allan e Gissing – se unem para roubar alguns quadros da Galeria Nacional de Artes da Escócia. Mesmo sabendo que jamais poderão vender as obras que forem roubadas, eles seguem adiante com o plano pelo simples fato de poderem ter aquilo que jamais poderiam conquistar de alguma maneira convencional.

Gissing é professor de artes, especialista no assunto e planeja se aposentar após o roubo. É dele o plano inicial. Depois de aceitar ajudar Gissing, Mike reencontra Chib, um conhecido da época de escola que agora é um criminoso que coloca medo em qualquer um e conhece várias estratégias do mundo “por baixo dos panos” e acaba tendo uma grande participação em todo o plano. Mas para que tudo saia como o planejado, outras pessoas acabarão se envolvendo no planejamento e na execução do roubo. Mas será que eles podem confiar em todos que acabaram, de alguma forma, fazendo parte de tudo isso?

Apesar de não ter nada de extraordinário, o livro é muito bom. Ele não traz grandes surpresas se comparado a outros livros e até mesmo filmes na mesma linha, é bem parecido com muitos. No entanto, ele prende a atenção pelos personagens, que são bastante interessantes, e pela continuidade da história depois do que seria o grande clímax. Apesar do enredo comum, você não vê a hora de chegar ao fim para saber como tudo vai terminar. 

Ele vai um pouco além dos muitos livros que lemos do mesmo estilo porque, mais do que falar sobre o roubo, os planos anteriores e o sucesso ou fracasso de sua execução, o livro retrata o pós-roubo. O que aconteceu, se deu certo, onde foi que falharam, o que aconteceu com cada um envolvido no plano...etc.


Nenhum comentário:

Postar um comentário