segunda-feira, 9 de junho de 2014

{O livro no cinema} A culpa é das estrelas


Sábado fui ao cinema assistir “A culpa é das estrelas”. O filme é lindo. Emocionante, triste e engraçado, tudo ao mesmo tempo.



Para quem passou os últimos meses vivendo na Lua, o filme é baseado no livro homônimo do John Green e conta a história de Hazel e Gus. Hazel tem câncer de pulmão e mesmo já convivendo com a doença há algum tempo, ela está passando por um período de depressão. Para ajudar nessa fase, ela entra para um grupo de apoio para pacientes, onde conhece Gus, que perdeu a perna devido a complicações de um câncer nos ossos. Depois que os dois se conhecem a vida deles, principalmente da Hazel, muda para sempre. Mas não vou entrar em detalhes porque espero que todos vocês vão ao cinema ver o filme, okay?!



Confesso que apesar de ser seduzida diariamente pelas quotes de “A culpa é das estrelas” que pipocam o tempo todo nas redes sociais, não me empolguei para ler o livro, mas estava ansiosa para assistir ao filme. Não me decepcionei, mas ainda não animei para encarar a leitura.

A história é linda e mostra o quanto é importante aproveitarmos o tempo que temos enquanto ainda o temos. Pode parecer clichê, mas John Green soube abordar o clichê de uma forma completamente envolvente. Me fez sair do cinema pensando no quanto é essencial termos ao nosso lado pessoas importantes para fazer do nosso tempo (limitado) nesse mundo ainda melhor.

Todo mundo que leu o livro ou viu ao filme recomenda que você vá ao cinema preparado com lencinhos de sobra. Vou ser a do contra – porque não derramei uma única lágrima embora atrás de mim tivesse um grupo de meninas que não parou de soluçar mesmo quando ainda não fazia nenhum sentido estar chorando. A história tem sim momentos extremamente tocantes que deixam os olhos cheios de água, mas ele tem também tantos momentos alegres que acabaram me fazendo superar os momentos tristes.

Cena favorita!

O “câncer” tem sido um tema recorrente em livros e filmes. A maioria deles tem mais do que apenas a doença em comum. Eles falam sobre aproveitar o tempo e sobre valorização de coisas realmente importantes.


Um comentário:

  1. Eu assisti ontem o filme, e amei! Confesso que também não li o livro e nem tenho vontade de ler, mas o filme eu também estava louca pra assistir e gostei bastante. Eu ri bastante com o filme, mas chorei muito, foi o filme que eu mais chorei nesse ano, mas você não é a única que não chorou, uma das minhas amigas que foi comigo também não derramou uma lágrima.
    Bjss

    ResponderExcluir