quarta-feira, 17 de setembro de 2014

RESENHA + NOVIDADE "Eu me chamo Antônio", Pedro Gabriel

Por Francine Estevão

Título: Eu me chamo Antônio
Autor: Pedro Gabriel
Editora: Intrínseca
Lançamento: 2013
Páginas: 192

Sinopse: Antônio é o personagem de um romance que está sendo escrito e vivido. Frequentador assíduo de bares, ele despeja comentários sobre a vida — suas alegrias e tristezas — em desenhos e frases escritas em guardanapos, com grandes doses de irreverência e pitadas de poesia. Antônio é perito nas artes do amor, está sempre atento aos detalhes dos encontros e desencontros do coração. Quando está apaixonado, se sente nas nuvens e nada parece ter maior importância, e, quando as coisas não saem como esperado, é capaz de enxergar nas decepções um aprendizado para seguir adiante. Do balcão do bar, onde Antônio se apoia para escrever e desenhar, ele vê tudo acontecer, observa os passantes, aceita conversas despretensiosas por aí e atrai olhares de curiosos. Caso falte alguém especial a seu lado (situação bastante comum), Antônio sempre se acomoda na companhia dos muitos chopes pela madrugada. A mente por trás de Antônio é Pedro Gabriel. Em outubro de 2012, ele inaugurou a página Eu me chamo Antônio no Facebook para compartilhar o que rabiscava com caneta hidrográfica em guardanapos nas noites em que batia ponto no Café Lamas, um dos mais tradicionais bares do Rio de Janeiro. Em seu primeiro livro, Pedro apresenta histórias vividas por seu alter ego, desde a cuidadosa aproximação da pessoa desejada, o encantamento e a paixão, até o sofrimento provocado pela ausência e a dor da perda. Os guardanapos que inspiram milhares de pessoas na internet agora estão reunidos numa caprichada edição, novo lançamento da Intrínseca.


Depois do sucesso do primeiro "Eu me chamo Antônio", Pedro Gabriel já está finalizando os preparativos para o segundo livro da "série", "Segundo - Eu me chamo Antônio", que será lançado em novembro, pela editora Intrínseca. 



A sequência promete dar continuação ao trabalho delicado (e dedicado) de Pedro Gabriel em transformar textos curtos e ilustrações em uma poesia moderna e diferenciada, feita em guardanapos que traduzem inúmeros sentimentos em arte. 



O primeiro é apaixonante e embora se possa lê-lo em uma sentada, me senti mais atraída pela ideia de poder apreciá-lo com calma, botando reparo nos detalhes, na "conversa" que existe entre o texto e o desenho do autor.



Um dos pontos do livro que conquistam o leitor são os sentimentos comuns, a identificação que existe com os sentimentos expressos no trabalho publicado e que dão a sensação de "isso aqui foi feito para mim". 



Apenas um aspecto que me incomodou um pouco ao longo do livro é que algumas páginas são pouco legíveis e em alguns caso a forma dificulta a leitura do conteúdo. No entanto, ao final, o livro nos traz um sumário com a frase de cada página digitada, o que me ajudou em alguns casos. Afinal, o próprio autor já nos dá um aviso logo nas primeiras páginas:



Para quem ainda não tem o livro, ou para quem tem, mas quer acompanhar online as páginas de "Eu me chamo Antônio" e as novidades do trabalho de Pedro Gabriel, o autor publica diariamente em seu Instagram e no Facebook, fotos com suas frases e desenhos. Fica a dica! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário