domingo, 26 de outubro de 2014

RESENHA "O Sangue do Olimpo" de Rick Riordan

Título : O Sangue do Olimpo
Título Original : The Blood of Olympus
Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Lançamento : 2014
Páginas: 432
Skoob


Sinopse: No desfecho da série Os heróis do Olimpo, os tripulantes gregos e romanos do Argo II têm feito progresso em suas constantes missões, mas ainda não estão nem perto de vencer a sanguinária Mãe Terra, Gaia. Os gigantes estão de volta mais fortes do que nunca , e os semideuses precisam impedi-los antes da Festa de Spes, momento em que Gaia planeja despertar, derramando o sangue do Olimpo.Para piorar, visões frequentes da terrível batalha no Acampamento Meio-Sangue assombram os sete semideuses. A legião romana do Acampamento Júpiter, comandada por Octavian, está se aproximando das fronteiras do acampamento grego. Por mais que seja tentador usar a Atena Partenos como arma secreta contra os gigantes, eles sabem que a estátua é necessária em Long Island, onde talvez consiga impedir uma guerra entre os acampamentos.A Atena Partenos irá para o oeste, enquanto o Argo II segue para o leste. Os deuses, ainda sofrendo com a dupla personalidade, não podem ajudar. Como os jovens conseguirão vencer sozinhos um exército de gigantes? A viagem para Atenas é perigosa, mas não há outra opção. Eles já sacrificaram muito para chegar onde estão. E se Gaia despertar, será o fim.


É o fim, galera. Foi lançado dia 07 de outubro o último livro da série "Os Herois do Olimpo". Pra quem não sabe, ela é uma continuação de "Percy Jackson e os Olimpianos", que foi um imenso sucesso e lançou Riordan como um mestre na arte de misturar  mitologia antiga aos dias atuais, tudo isso com muita aventura e emoção.




Eu, pessoalmente, sou mega fã do autor e gosto mais ainda de seus personagens (quem mandou criar pessoas como Percy Cabeça de Alga e Leo Valdez?), então estava meio preocupada em ter que deixá-los para trás. Esta é a primeira série que eu acompanho desde o início e vejo terminar e como li PJO com 13 anos, eu cresci e me apeguei a ele. Mas antes que vocês fiquem pensando que este será um post meloso e melodramático já adianto que não. O que mais me encantou nele foi que, apesar de ser o final, não me deixou depressiva. Há muito a ser dito, então, vamos do começo. 

"Os Herois do Olimpo" é narrado em terceira pessoa e cada capítulo assume o ponto de vista (point of viewde certo  personagem. Temos, assim, os pensamentos desse personagem mesclados às observações do narrador. Neste livro os POV's são 5 : Jason, Piper, Leo, Reyna e Nico.


Isso em si já é um problema, pois dois dos personagens mais queridos (não só por mim tá?), Percy e Annabeth, ficaram sem narração direta. Quando eu descobri fiquei triste e decepcionada, sem mencionar surpresa, já que nunca sequer havia imaginado a possibilidade (coisa de fã esperançosa). O livro acaba perdendo um pouco de apelo junto ao público cativo e entusiasmado ao não abordar (diretamente) suas personalidades mais célebres. Embora a decisão o autor seja compreensível, afinal de contas, Percy e Annie tiveram muito destaque nos livros anteriores e foram protagonistas de "Percy Jackson e os Olimpianos''  e dessa maneira podiam muito bem ceder mais espaço a outras figuras. Aliás, Rick Riordan frisou muito que, devido ao fato de HdO ter começado com Jason, Piper e Leo, também deveria terminar com eles, sendo assim, essa notícia, realmente, não deveria ter pego ninguém desprevenido (mas pegou, humpf).



O início dos capítulos com seus narradores.


Se a falta de certos POV's deixou muita gente reclamando, a adição de dois novos personagens à turma de narradores causou o efeito contrário. Desde que Riordan mencionara o fato em seu twitter, os fãs ficaram ansiosos para ler os pensamentos de Reyna e Nico, dois herois interessantes, carregados de mistério e que obviamente ainda não haviam mostrado toda sua força. Ou seja, despertavam muita curiosidade.

  
Esse é definitivamente o primeiro ponto positivo da obra. O autor consegue lidar muito bem com o carisma dos personagens e sua aceitação pelo público. Nico Di Angelo já era adorado pela maioria por sua persona sofredora, silenciosa e, de certa maneira, fofa. Mas cativou completamente os fãs com suas revelações no quarto livro, "A Casa de Hades'', o que tornou seus capítulos ainda mais necessários. Sério, o cara merecia muito um final final feliz e os leitores precisavam saber disso com mais detalhes. Reyna, por um outro lado, sempre mostrara ser uma semideusa muito forte mas existia ainda muita coisa desconhecida sobre ela,  principalmente sobre os fantasmas de seu passado. Descobrir tudo isso em seus POV's só fez que gostássemos ainda mais dela. Fica difícil não se apegar desse jeito né?
  
"Ela se obrigou a sustentar o olhar do gigante.
— Eu não me defino pelos garotos que podem ou não gostar de mim."
                                                                                                            Reyna - página 201 

No entanto, acho que o mais complicado (e digno de crédito) foi diminuir uma certa frieza distanciamento que alguns fãs sentiam em relação a Jason e Piper. O primeiro por ter uma imagem de perfeição meio bizarra, resultante de sua condição de filho de Júpiter, comportamento certinho e disciplinado. E é claro, também tinha algo a ver com o fato dele ter o péssimo hábito de desmaiar umas 5 vezes por livro. Aham, true story, rendeu até piada no livro, e, depois disso, nada mais de adormecer em plena missão e passar lutas inconsciente. Foi um bom jeito de tratar o problema e Jason (finalmente!) pôde ter boas ações e momentos adoráveis e inspirados. Especialmente com sua aproximação de Nico, isso foi encantador.



É isso aí, Jason, apenas tente não desmaiar.

Coube a Piper, no entanto, um papel mais destacado. O crescimento de sua figura já vinha desenhando-se sutilmente desde volumes passados, mas foi somente em "Sangue do Olimpo" que realmente percebemos a extensão de seus poderes. Afrodite pode ser subestimada, mas o amor e magia tem muita força, afinal, ela é a última filha de Urano, e como tal, é a deusa mais velha. A deusa do Amor e Beleza surgiu antes que de todos os outros e neste livro entende-se sua relevância.


Partindo agora para o enredo. O livro já começa com os semideuses descobrindo, pelo menos em parte, acerca dos desafios que enfrentarão. Aí temos um segundo problema, (se você não leu "A Marca de Atena" e "A Casa de Hades", cuidado, spoilers a frente), os obstáculos são basicamente os mesmos, falta de tempo, inimigos impossíveis de derrotar, armadilhas e armadilhas. Tá, até aí tudo bem, tratando-se de uma aventura isso é bem normal e Rick é muito bom em criar plots complicados para depois resolvê-os. Só que eu tive dificuldades em me envolver com os perigos já que eles simplesmente não pareciam nada comparados à queda de Percy e Annabeth ao Tártaro, lar e corte de todos os monstros, simplesmente o lugar aonde nenhum deus se atreveria a ir. Depois de jogar seus personagens principais no pior lugar imaginável e fazê-los enfrentar tudo aquilo, navegar até Atenas num prazo de 12 dias parecia fácil, e óbvio que todo mundo já sabia que os sete semideuses chegariam à Atenas para o confronto final com os gigantes e somente lá os verdadeiros perigos estariam esperando, ou seja, pra que se preocupar com monstros marinhos no meio do caminho?

Nesse caso, só dá pra se envolver mesmo com os sentimentos e conflitos pessoais dos personagens.

 
As capas dos livros anteriores.


Mas, enfim, não quero contar o final, que não é nada absurdo. Devo frisar que após um breve momento de "Quê? É esse o final? Como assim?" eu fiquei bem satisfeita com o desfecho dos personagens. Não, não há nenhum prólogo estilo "19 anos depois" ou algo do gênero. Apenas é dito quais são os planos dos semideuses, o que eles planejam fazer. É algo meio superficial na verdade. Nada de detalhes para a tristeza geral do fandom

Quando penso em todo mundo que eu ouvi reclamando sobre pontas soltas que o tio Rick deixou, eu entendo o motivo. Faltou algo mais completo, digamos. Eu descobri o mistério principal de "O Heroi Perdido" com 14 anos de idade (com mistério principal eu me refiro ao súbito aparecimento de Jason e o desaparecimento de Percy). Então, eu estou esperando a volta de PJ ao Acampamento Meio-Sangue, seu reencontro com a mãe, o padrasto, o melhor amigo, e o mentor Quíron desde esse tempo. Já foram 4 anos e eu tive que me despedir de "Os Herois do Olimpo" sem esses momentos. E tem os deuses também, que em matéria de governantes são um bando de idiotas convencidos, que só são melhores do que titãs e gigantes. Não há uma perspectiva quanto à futuras mudanças no comportamento dos deuses tão tangível quanto há em PJO. Em questão de final eu prefiro muito mais o "Desta vez não olhei para trás" de ''O Último Olimpiano" ao "Eles partiram para o desconhecido" de SdO. 
  
Okay, talvez a razão para esses finais mais abertos seja a nova série de mitologia nórdica que será lançada. Se eu entendi bem a pista deixada por Riordan em "Sangue do Olimpo" sobre esse novo heroi Magnus Chase, há motivos para acreditar que talvez ainda não tenhamos visto o último de PJ e cia (ou talvez seja apenas o que eu, fangirl assumida, queira acreditar, mas  fazer o quê, ossos do ofício.)
      
A nova série de livros do Rick Riordan a ser lançada em 2015.

A guerra contra os gigantes e Gaia não poderia ter terminado de outra forma, isso me parece inconcebível, e o tom mais obscuro é deixado para trás. O que mais me causava aflição nos livros anteriores eram as profecias e avisos cifrados sobre o futuro, todo aquele papo de "Você enfrentará um desafio e não sei se você estará a altura", "Você se verá em frente a um sacrifício que não poderá fazer, blah blah blah" . Obviamente, isso não existe mais em SdO, pois se trata do último livro e tudo deve terminar nele, nada de novas profecias e perigos eminentes (depois da batalha isso tá?). 

Concluindo, eu sei que alguns desses últimos comentários podem parecer bem desanimadores, algo meio "Poxa, nada do que você queria que acontecesse, aconteceu?" mas não é bem assim. Tirando os comentários acima, o autor amarrou inúmeros aspectos da trama. Retomou diversos personagens de maneiras surpreendentes, indo desde Calipso a Will Solace e o pégaso Guido. A narrativa permanece fluida e divertida. É um livro rápido, fácil e gostoso de ler. Como eu disse antes, nada de melancolia ao terminá-lo. O final é bem otimista. Coisas boas virão! 




PS: Para os fãs que ficaram inconformados apenas lembrem-se pelo menos o Rick Riordan não é carrasco, não matou metade dos personagens nem distribui sofrimento gratuito. "Sangue do Olimpo" não é o melhor livro das 5 obras, porém, como conclusão de série é infinitamente melhor do que muitas que lançaram por aí ;D . 

3 comentários:

  1. Que resenha gigante! Hahahahaha Mas você disse exatamente o que penso sobre Sangue do Olimpo (demorei alguns dias para absorver tudo) e com toda certeza a conclusão dá de 10 a 0 em muitas conclusões que existem no mundo literário.

    Beijos,

    Cami

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com tudo que disse e ainda mais um pouco realmente a batalha contra gaia eh algo que eu estava esperando já desde o começo e dizendo a mim mesma que qnd acontecesse seria épica; enfim não foi o que aconteceu. A batalha passou imperceptível para mim a forma como gaia foi rapidamente aniliquilada no sentido literal da profecia fez com q eu achasse que o tio rick fez esse ultimo livro na pior das ma vontades, gosto qnd o escritor nos faz pensar algo e no final nos mostra outra coisa totalmente diferente( enigmas, reviravoltas), mas infelizmente essa eh uma das muitas críticas a respeito deste livro, não suporto a piper e o jason, aprendi a lidar com suas presenças no livro mas não me desse até hj seus POVs aleatórios, senti muita a falta de conexão entre os semideuses, acredito que Frank se não existisse não faria muita diferença, acho que se ele não tinha como criar uma química entre os 7 então que diminuísse para 5 ou então oq eu acho muito razoável tivesse criado mais um livro em 6 livros acredito que ele teria feito maravilhas no papel. Nico e Reyna na minha opinião contribuíram para q não houvesse um fracasso total nesse ultimo livro, sempre admirei o tio rick e como muitos cresci lendo PJO e HDO, mas esperava que junto cmg os livros tivessem crescido também.

    ResponderExcluir