segunda-feira, 30 de março de 2015

RESENHA Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks

Título: Uma Longa Jornada
Título original: The Longest Ride
Autor(a): Nicholas Sparks
Editora: Arqueiro
Páginas: 368
Sinopse: Aos 91 anos, com problemas de saúde e sozinho no mundo, Ira Levinson sofre um terrível acidente de carro. Enquanto luta para se manter consciente, a imagem de Ruth, sua amada esposa que morreu há nove anos, surge diante dele. Mesmo sabendo que é impossível que ela esteja ali, Ira se agarra a isso e relembra diversos momentos de sua longa vida em comum: o dia em que se conheceram, o casamento, o amor dela pela arte, os dias sombrios da Segunda Guerra Mundial e seus efeitos sobre eles e suas famílias. Perto dali, Sophia Danko, uma jovem estudante de história da arte, acompanha a melhor amiga a um rodeio. Lá, é assediada pelo ex-namorado e acaba sendo salva por Luke Collins, o caubói que acabou de vencer a competição. Ele e Sophia começam a conversar e logo percebem como é fácil estarem juntos. Luke é completamente diferente dos rapazes privilegiados da faculdade. Ele não mede esforços para ajudar a mãe e salvar a fazenda da família. Aos poucos, Sophia começa a descobrir um novo mundo e percebe que Luke talvez tenha o poder de reescrever o futuro que ela havia planejado. Isso se o terrível segredo que ele guarda não puser tudo a perder. Ira e Ruth. Luke e Sophia. Dois casais de gerações diferentes que o destino cuidará de unir, mostrando que, para além do desespero, da dificuldade e da morte, a força do amor sempre nos guia nesta longa jornada que é a vida.

Minha história com Nicholas Sparks é de amor e esquecimento. Há muito tempo li Um Amor para Recordar e me apaixonei pelo escritor quando ele nem era reconhecido no Brasil. A história de Langdon me fez rir com a ironia do personagem e chorar. Quem nunca escreveu na agenda “o amor é como o vento, não posso vê-lo mas posso senti-lo” que atire a primeira pedra!

E então o esquecimento. Após ler O Diário de uma Paixão e Querido John eu havia me decepcionado com o escritor. Nicholas começou a escrever histórias sem qualquer base e as adaptações nas telas começaram a ser muito melhor do que o enredo de seus livros. Enquanto todas choravam por Nicholas Sparks eu o mantinha longe de mim.

Até que certo dia eu senti a necessidade de ler uma história de amor, não qualquer uma, mas a história de amor e o livro Uma Longa Jornada apareceu bem na minha frente, como se tivesse se remexido nas estantes para ficar mais visível e colocasse uma bandeira escrito em letras garrafais “LEIA-ME”.

''Confie nas pessoas até que elas lhe deem motivos para não confiar. E depois nunca mais fique de costas para elas."

Nicholas Sparks me surpreendeu em um nível espiritual. Uma opinião que levo comigo é de que: talvez o livro não seja ruim, você é que leu em um mau momento. E Uma Longa Jornada caiu para mim exatamente no momento em que precisava lê-lo.  

Em Uma Longa Jornada Sparks conseguiu me fazer suspirar, perder o fôlego, chorar, rir, me fez sentir viva com as bochechas coradas e gritinhos de ansiedade e naquele momento era tudo que eu queria de um livro.

A história de Sophie e Luke que tiveram um encontro marcado pelo destino e as declarações de amor de Ira que transcorrem nas páginas do livro irão para sempre ficar marcados em minha memória.

Em Uma Longa Jornada entendemos o que é o amor, descrito como algo tão simples e tão profundo. Duas histórias que se interligam de um jeito que só Nicholas Sparks é capaz de fazer.

''A questão é que as pessoas quase nunca entendem que nada é exatamente como pensam que será."

Aquele velho Sparks que escreveu Um Amor para Recordar está de volta nas páginas de Uma Longa Jornada, um livro dramático, extremamente bem escrito e que nos surpreende do começo ao fim. Nicholas Sparks, enfim, voltou a ser o famoso Nicholas Sparks.

Nenhum comentário:

Postar um comentário