quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Muita Julia Quinn em 2017!

A Editora Arqueiro vai lançar em fevereiro de 2017 a nova série de Julia Quinn em um box maravilhoso com os 4 livros de uma vez para pirar qualquer fã de romances de época!


Os leitores vão conhecer o Quarteto Smythe-Smith, o terrivelmente famoso e adoravelmente
desafinado grupo musical que conquistou os leitores antes mesmo que as cortinas se abrissem para ele.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

RESENHA The Kiss of Deception de Mary E. Pearson

Por Isabela Silva

Título: The Kiss of Deception
Título Original: The Kiss of Deception
Autora: Mary E. Pearson
Editora: DarkSide Books
Páginas: 406

Sinopse: Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro?
Quando se vê refugiada em um pequeno vilarejo distante o lugar perfeito para recomeçar ela procura ser uma pessoa comum, se estabelecendo como garçonete, e escondendo sua vida de realeza. O que Lia não sabe, ao conhecer dois misteriosos rapazes recém-chegados ao vilarejo, é que um deles é o príncipe que fora abandonado e está desesperadamente à sua procura, e o outro, um assassino frio e sedutor enviado para dar um fim à sua breve vida. Lia se encontrará perante traições e segredos que vão desvendar um novo mundo ao seu redor.
O romance de Mary E. Pearson evoca culturas do nosso mundo e as transpõe para a história de forma magnífica. Através de uma escrita apaixonante e uma convincente narrativa, o primeiro volume das Crônicas de Amor e Ódio é capaz de mudar a nossa concepção entre o bem e o mal e nos fazer repensar todos os estereótipos aos quais estamos condicionados. É um livro sobre a importância da autodescoberta, do amor, e como ele pode nos enganar. Às vezes, nossas mais belas lembranças são histórias distorcidas pelo tempo.

A força feminina é a grande estrela neste romance de Mary E. Pearson. Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas – menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro? 

O primeiro volume das Crônicas de Amor e Ódio evoca culturas do nosso mundo e as transpõe para a história de forma magnífica. Através de uma escrita apaixonante e uma convincente narrativa, o romance de Pearson é capaz de mudar a nossa concepção entre o bem e o mal e nos fazer repensar todos os estereótipos aos quais estamos condicionados. É um livro sobre a importância da autodescoberta, do amor e como ele pode nos enganar, e de uma protagonista em busca de sua liberdade e felicidade a qualquer custo. 

“Aquele era o dia em que mil sonhos morreriam e um único sonho nasceria” – princesa Lia 

Reescrevi essa resenha dez vezes, mas em todas elas eu dizia o quanto esse livro mexeu comigo, o quanto ele me transformou. Sim, me transformou, os livros tem a magia e o poder para fazer isso com um ser humano. Esse livro, eu diria que é um manual de instrução de como viver uma vida, como atingir metas e olhar as possibilidades que você tem em sua vida. É uma lição de como uma garota de apenas dezessete anos tem a capacidade de mudar o futuro dela e juntamente o de uma nação inteira. Esse livro é uma amostra de que viver pelos outros e para os outros não traz felicidade alguma e muito menos realizações, nem mesmo se você é da alta nobreza como Lia.  

A autora escreve pensando estar escrevendo um gênero, mas no fim, para algumas pessoas, é totalmente diferente. Senhora Mary E. Pearson, para mim a senhora escreveu um livro de autoajuda e não um romance. 

Eu tenho apenas vinte e um anos de idade e Lia (a personagem principal da história), apenas dezessete, mas Lia tem algo muito diferente de muitas pessoas: Coragem. Ela se absorveu de uma coragem que a controlou até o final do livro, uma coragem que, meus amigos, coloca muito homem marmanjo no chinelo.  

A coragem dessa garota é tanta que a faz, no meio da cerimônia de seu casamento arranjado com o príncipe de Dalbreck (a união representava a paz entre os reinos de Morrighan com Dalbreck), fugir com sua serva e fiel amiga Pauline, a coragem da amiga é equiparada à de Lia. Fugindo, cada uma em seu próprio cavalo, Lia, ou melhor dizendo Arabella Celestine Idris Jezilda, Primeira Filha da Casa de Morrighan, e Pauline encontram-se em uma Terra distante chamada Terravin, onde Pauline morara quando criança.  

Sabendo do repentino sumiço de Lia, o príncipe de Dalbreck cavalga atrás de sua futura esposa, para encontra-la e pedir para que ela explique-se com ele, mas, o que Lia, Pauline, o príncipe, Berdi (tia de Pauline que as recebera com tanto zelo e compaixão), Gwyneth (Uma mulher bela que trabalha para Berdi em sua estalagem, juntamente com Pauline e Lia), era que havia mais uma pessoa atrás de Lia, um assassino, um dos piores assassino de aluguel que poderiam contratar para matar a princesa.  
A trama toda começa com a chegada de Rafe e Kaden na estalagem onde Lia trabalhava. Deste momento em diante há uma guerra fria entre os dois, pois os dois se apaixonam por Lia, e, querendo ou não, Lia se sente atraída pelos dois. Mas o que Lia não sabe é que um dos dois é o príncipe e o outro é o assassino contratado para mata-la, ao contrario deles, que sabem muito bem quem Lia é, eles sabem que ela é uma Primeira Filha da Casa de Morrighan.  

Lia se mostra uma adulta, enfrentando medos, assassinos, ladrões, mortes de parentes próximos, (me esqueci de falar que ela possui três irmãos mais velhos), sequestros e por fim ser levada para um reino totalmente desconhecido, e distante de tudo que ela já tinha presenciado antes. Mas o que a motiva é seu foco e sua coragem de enfrentar a vida, de saber que no final tudo acabaria bem, ou não. Lia nunca perdeu a esperança, de saber que um dia, ela voltaria para casa e para os braços de seu amor. Por mais que ela tenha duvidado disso por alguns instantes, ela nunca deixou de acreditar que iria ver e sentir o amor verdadeiro outra vez.  

“Porque, sempre, desde o primeiro dia em que a vi, tenho ido dormir pensando em você e, todas as manhãs, quando acordo, meus primeiros pensamentos são sobre você.” 

A história de Lia e sua coragem não acabam neste livro, mas tenho certeza de que com apenas esse livro, você terá uma lição de vida que fará repensar em tudo que está fazendo e de como você está enfrentando seus problemas. 

 Lia irá te dar uma “lição de moral” nunca vista antes. 

“Talvez houvesse tantos tons de amor quanto existem tons de azul no céu”- Lia  

P.S: É muito difícil escrever sobre esse livro sem dar spoilers, muito difícil mesmo.  


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Lançamentos Janeiro Arqueiro e Sextante

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

RESENHA O feiticeiro de terramar de Ursula K Le Guin

Por Mariana Lucera

Título: O feiticeiro de terramar
Autora: Ursula K Le Guin
Editora: Arqueiro
Páginas: 175
Sinopse: Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem chamado Gavião. Este livro narra as aventuras de Ged, o menino que um dia se tornará essa lenda.
Ainda pequeno, o pastor órfão de mãe descobriu seus poderes e foi para uma escola de magos. Porém, deslumbrado com tudo o que a magia podia lhe proporcionar, Ged foi logo dominado pelo orgulho e a impaciência e, sem querer, libertou um grande mal, um monstro assustador que o levou a uma cruzada mortal pelos mares solitários.
Publicado originalmente em 1968, O feiticeiro de Terramar se tornou um clássico da literatura de fantasia. Ged é um predecessor em magia e rebeldia de Harry Potter. E Ursula K. Le Guin é uma referência para escritores do gênero como Patrick Rothfuss, Joe Abercrombie e Neil Gaiman.


O feiticeiro de Terramar não é um livro para ser lido com pressa. Apesar de conter poucas páginas, não é aquela leitura leve que você devora em uma tarde.

Digo isso porque, após as primeiras cinquenta páginas, percebei que a história do feiticeiro Geb era um daqueles livros que você deve ler com uma xícara de chá do lado. É o tipo de livro que esquenta o seu coração e faz você entender como pode ser bela a literatura fantástica, o romance de fantasia.

A autora consegue transformar uma história que a priori deveria ser para crianças, também para adultos, mesclando magia e a dura realidade de termos de lidar com nossos atos, escolhas e erros.

Desde início acompanhamos o Gavião em seu treinamento para se tornar um grande feiticeiro. Quando criança, ele era arrogante, ganancioso e cheio de defeitos e acaba liberando um grande mal no mundo no formato de uma sombra.

Depois de quase pagar com a própria vida e ficar marcado para sempre pela mácula que deixou transitar livremente por esse mundo, o rapaz aprende uma grande lição sobre humildade e começa a pensar e ponderar mais sobre seus atos.

Quando ele deixa as terras onde passou anos estudando e sai pelo mundo em busca de respostas e ações que um feiticeiro deve fazer para ajudar os outros, como a conversa que ele tem com o grande dragão da ilha de Pendor, você percebe toda a magia da construção da trama de Ursula K Le Guin.

Geb passa por um processo de crescimento tão extenso, que vai muito além das quase 200 páginas de leitura. Ele vive fugindo da sombra, sempre com um medo mortal de que ela o encontre e termine o que começou, no entanto, um dia ele percebe que precisa caçá-la e colocar ele mesmo um fim naquilo que começou lá atrás.

O desfecho não é apoteótico, ou cheio de batalhas, como estamos acostumados a ver nos livros do gênero, no entanto, ele satisfaz o leitor ao entregar a conclusão da jornada de Geb. Falando nisso, o livro não tem cenas de ação, são poucos momentos que podem ser considerados ação propriamente, e também não há reviravoltas na trama, ela segue uma calma sequência, diferente do que estamos acostumados a ler por aqui.

Dizem que esse é o prelúdio do Ciclo de Terramar, a série de Ursula K. Le Guin, sendo assim, nos resta esperar o que virá a seguir. Certamente serão livros cheios de cuidado e esmero para contar não uma aventura, mas uma história profunda sobre os fundamentos da magia.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Playlist do Livro "As cordas mágicas" no Spotify


Um violão e seis cordas mágicas. 

Uma corda de seu violão fica azul cada vez que uma vida é alterada. 

Vocês precisam conhecer a linda história de Francisco Presto que tem playlist no Spotify! 

Adquira o livro aqui e ouça a playlist aqui. Boa leitura!

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Editora Novo Conceito lança suspense nacional de Manuela Titoto

A Editora Novo Conceito acaba de lançar na Amazon o livro "A Tempestade" da autora Nacional Manuela Titoto. O selo é Novas Páginas e a capa me deixou intrigada, quero muito ler. O livro encontra-se em plataforma digital e já pode ser adquirido clicando AQUI.

Confiram a sinopse e a capa:


Estar presa num caixão invoca os medos mais primitivos do ser humano. É uma desgraça que recorre às angústias viscerais, pelo simples fato de você estar ali, confinado em um espaço limitado, apenas esperando a morte aparecer para tomar o seu corpo. É o extremo terror, do qual as pessoas não gostam nem de falar a respeito, que toma conta não apenas do físico, mas do psicológico. Eu não esperava que fosse acontecer comigo. Acho que ninguém espera, mas minha história começa assim. Um thriller cheio de tensão e segredos, que mostra como relações familiares nunca são rompidas, não importa quanto tempo passe.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

RESENHA Sem Filtro de Marcela Tavares

Por Isabela Silva

Título: Sem Filtro
Autora: Marcela Tavares
Páginas: 144  
Editora: Novo Conceito 

Sinopse: A atriz Marcela Tavares não pediu para ser uma das vozes mais ouvidas da internet. Ela não entrou na fila dos youtubers, não foi lançada por algum famoso e nem fez promessa para conseguir o sucesso a todo custo. Ela apenas ligou a câmera, falou com liberdade e muito bom humor o que vinha à cabeça, e, em menos de seis meses, sua página no Facebook já era uma das mais acessadas da internet brasileira. O quadro “;Marcela Sem Filtro”;, conhecido por pessoas de todas as idades e classes sociais, tornou-se um grito de longo alcance, representando a voz de muitos brasileiros e até mesmo espectadores de outras nacionalidades. E agora, com mais humor do que nunca, no livro que está em suas mãos. Numa época em que dizer o que se pensa torna-se quase um crime inafiançável, a pequena genial, armada apenas com um celular e grandes olhos verdes, faz a cada semana uma verdadeira revolução nas redes sociais.

“Então, fica um conselho: não olhe para os números antes de gravar. Olhe apenas o fundinho da sua consciência, da sua vontade, da sua verdade e do seu conhecimento para encontrar o tema que você realmente quer gravar. Não adianta pegar uma prancha e seguir a mesma onda do campeão mundial de surf, é necessário primeiro saber se você consegue surfar nessa onda e ficar de pé, se manter no mar sem morrer afogado.”

Olá galeraaaa, tudo certo com vocês? Que bom... 

Eu fiquei refletindo sobre esse livro a mais de um mês, e sinceramente (ALERTA DE OPINIÃO PRÓPRIA AQUI) não gostei nada das minhas reflexões (hahahaha). 

Quem nunca “esbarrou” com os vídeos da Marcela Tavares em sua timeline no facebook? Mas espera um pouco ai Isa, quem é essa? Aquela, gente, dos olhos arregalados que fala pra caramba a maioria das palavras são palavrões. Uma jovem de personalidade forte e opiniões expressivas - chegou até a ser vaiada em um show em Nova York ao falar sobre desemprego no país. Mas Marcela Tavares é arrojada e não liga para opiniões sobre ela. Se jogou de cara no youtube buscando uma maneira de expor seu trabalho. Lembrou? Pois bem, após fazer sucesso como vlogueira ela lançou o livro “Sem Filtro”. 


Em seu livro Marcela relata a trajetória e experiências que adquiriu com o “boom” nas redes sociais, conta como foi sair do anonimato e ser uma das vozes mais ouvida do Brasil. Seu livro tem um misto de histórias de sua vida, respostas para os haters, e fotos suas em varias poses, caras e bocas. 

Com diversas expressões atuais para quem está acostumado com a linguagem de mídias sociais o livro acaba parecendo não muito sério e fica sendo somente um relato sem muitos impactos. Marcela 

Diria que este livro é um relato sobre sua fama passageira e como ela conseguiu atingir isso. Mesmo que a fama e o reconhecimento nunca foram seu alvo. 

Isso é tudo pessoas, até a próxima. 

“Nem todo mundo admira a verdade. Nem todo mundo é real. Nem todo mundo vai amar, você por ser original. Nem todo mundo é todo mundo como você gostaria que fosse.”

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Hora do Desconto #Arqueiro Saraiva!


Genteeee! Corre que a Saraiva Online está com uma mega promoção de cair o queixo! Tem Julia Quinn, Lisa Kleypas e muito mais com um descontão super favorável para o Natal! Aproveitem! 

Acesse clicando AQUI!



#EuLeioArqueiro

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Lauren Kate e Addison Timlin na Comic Con e Pré-Estreia de Fallen


A escritora da serie Fallen, Lauren Kate, participou de um bate papo com a atriz Addison Timlin no dia 4 de dezembro na Comic Con e ambas participaram de sessões de fotos e autógrafos com os fãs.

Fallen conta a história de Lucinda Price, uma adolescente de 17 anos que se apaixona por Daniel Grigori, um anjo caído. O filme chega em breve, dia 29 de dezembro, nos cinemas. 

Na Comic autora e atriz responderam perguntas sobre os livros e o filme, falaram de sagas famosas e como foi o processo de escrita e preparação das personagens no processo de atuação.


Infelizmente não pudemos comparecer a pré-estreia do filme que aconteceu ontem no Rio de Janeiro, mas o site Observatório do Cinema fez uma entrevista bacana que achei legal compartilhar com vocês:

OC: Qual sua expectativa em relação a recepção do filme por parte dos brasileiros?
Lauren Kate: Honestamente, minha expectativa está muito alta, pois eu conheço os leitores brasileiros há 7 anos, e eu sei o quão empolgados eles estão com o livro e agora com o filme. Eles têm mostrado muito entusiasmo. Eu espero que eles assistam ao filme, ame-o e falem para os amigos fazerem o mesmo. Têm sido muito divertido o tempo que estamos passando aqui conhecendo os fãs e promovendo o filme, estamos muitos empolgados.

Como foi o trabalho com o diretor do filme?
Não poderia ser melhor. Scott [Hicks] foi um grande presente para a produção desse filme, ele tinha uma visão muito clara do que fazer, e combinado tão de perto com a minha visão do romance. Foi um processo com uma forma muito inteligente e sofisticada.

Qual foi seu grau de participação no roteiro do filme?
Eu estava envolvida como produtora executiva, então passei muito tempo conversando com os produtores e com os roteiristas sobre o que importa para os fãs e o que importa para a série. Demorou muito tempo para fazer o roteiro, acho que chegamos lá quando começamos a nos concentrar principalmente na história de amor. Porque era disso que se tratava. Mas eu fiquei muito contente em colocar bastante da minha visão no filme, baseada no que conheço dos leitores do livro.

Lauren terminou a entrevista deixando uma mensagem para os leitores do OC:
Eu só tenho a dizer muito obrigado, eu realmente sinto o amor de vocês, e ainda mais forte quando estou aqui no Brasil. Eu estou tão grata com o todo esse apoio, vocês são uma das grandes razões para esse filme sair, muito obrigada.

Addison, você leu o livro antes de saber que faria o papel ou depois?
Eu não li o livro antes de saber que o papel seria meu. Primeiro eu li o roteiro adaptado e tive uma reunião com Scott Hicks, que é o nosso diretor, e após outras reuniões, Jeremy e eu nos encontramos e lemos juntos. Tiveram muitas reviravoltas antes da Luci ser dada para mim, então eu não queria ler os livros pois pensei que seria muito triste caso não acabasse conquistando o papel durante o processo, então eu esperei até conseguir antes de começarmos a gravar.

Já houve algum tipo de comparação do seu papel com a personagem de Kristen Stewart no Crepúsculo?
Sim, eu acho que é fácil de se comparar os filmes e os livros, mas creio que a história e os personagens são bem diferentes. Eu acho que Kristen é uma atriz fascinante e o papel dela como Bella Swan é maravilhoso, mas eu não acho nossas personagens tão similares. Mesmo assim fico feliz com essa comparação e espero que Fallen faça sucesso tanto quanto Crepúsculo fez, seria muito bom.

Addison também deixou uma mensagem para os fãs brasileiros:
Eu só queria dizer obrigado por todo apoio, espero que vocês amem o filme assim como o livro. Estou muito feliz por estar aqui, obrigada.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

RESENHA: "O primeiro dia do resto da nossa vida", Kate Eberlen

Por Francine Estevão

Título: O primeiro dia do resto da nossa vida
Autora: Kate Eberlen
Editora: Arqueiro
Páginas: 432

Sinopse: Tess e Gus foram feitos um para o outro. Só que eles não se encontraram ainda. E pode ser que nunca se encontrem... Tess sonha em ir para a universidade. Gus mal pode esperar para fugir do controle da família e descobrir sozinho o que realmente quer ser. Por um dia, nas férias, os caminhos desses dois jovens de 18 anos se cruzam antes que os dois retornem para casa e vejam que a vida nem sempre acontece como o planejado. Ao longo dos dezesseis anos seguintes, traçando rumos diferentes, cada um vai descobrir os prazeres da juventude, enfrentar problemas familiares e encarar as dificuldades da vida adulta. Separados pela distância e pelo destino, tudo indica que é impossível que um dia eles se conheçam de verdade... ou será que não? O Primeiro Dia do Resto da Nossa Vida narra duas trajetórias que se entrelaçam sem de fato se tocarem, fazendo o leitor se divertir, se emocionar e torcer o tempo todo por um encontro que pode nunca acontecer.

"O primeiro dia do resto da nossa vida" conta, paralelamente, a história de Tess e Gus entre 1997 e 2013. Os caminhos e descaminhos que ambos personagens percorrem em 16 anos de suas vidas repletas de acertos e erros, encontros e desencontros (mais desencontros do que encontros).

Acompanhamos suas vidas de perto nos mais diversificados aspectos que uma vida possa abranger: profissão, família, relacionamentos, amizades, desafios, conquistas, decepções, decisões... E com isso lemos uma história tão possível de ser real, a sua vida ou a minha, que por vezes esquecemos, durante a leitura, que se trata de uma ficção.

Um livro que nos leva a questionar sobre como as circunstâncias interferem em nosso destino (o que será que teria acontecido se...?) e que nos faz refletir sobre as coisas terem um momento certo para acontecerem em nossas vidas (será que teria sido a mesma coisa se tivesse acontecido quando eu achei que deveria?).

Os caminhos de Tess e Gus se cruzaram rapidamente pela primeira vez em 1997, na Itália, durante as férias. Ambos tinham planos ao voltar para casa, mas nem tudo saiu como esperado por motivos que nem sempre estão ao alcance do nosso controle. Afinal, na vida poucas são as coisas que podemos controlar de fato, não é mesmo?

Uma história bastante pé no chão e super gostosa de ler. Um romance com uma boa reflexão sobre a vida real em suas entrelinhas e que nos faz torcer e aguardar por um possível reencontro entre os personagens, que pode chegar a nunca acontecer.



quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Omelete divulga programação completa de Comic Con 2016

O Site Geek Omelete divulgou hoje a programação da Comic Con 2016! O Sociedade do Livro estará presente na sexta e no domingo e trará "novis" pra vocês \o/ quem vai? Animados? #VaiSerÉpico

No site oficial da Comic Con Experience, você consegue acessar o arquivo em formato PDF com os horários dos painéis nos três auditórios, Cinemark (o maior, com cerca de 3.500 lugares), Ultra (750) e Prime (200). Confira abaixo a programação:








terça-feira, 29 de novembro de 2016

Ribeirão Preto recebe a primeira exibição em pré-estreia nacional do longa “O Vendedor de Sonhos”




O Vendedor De Sonhos é o primeiro livro de uma trilogia do escritor, psiquiatra e psicoterapeuta Augusto Cury: O vendedor de Sonhos – O Chamado, O vendedor de Sonhos – A Revolução dos Anônimos, O Vendedor de Sonhos – O Semeador das Ideias. 

“O Chamado” é o quarto livro de ficção do autor dentre as mais de 50 de suas obras. Seus livros já venderam mais de 25 milhões de exemplares no Brasil, tendo sido publicados em mais de 70 países. Foi considerado pelo jornal Folha de S. Paulo o autor brasileiro mais lido da década.

O Sociedade do Livro teve o prazer de ser convidado pela Verbo Nostro Comunicação Planejada, Dr. Augusto Cury, Warner Bross Pictures, Fox Film do Brasil e Filmland Internacional para a Cabine de Imprensa e Pré-estreia do filme “O vendedor de sonhos” que aconteceu na noite desta segunda-feira, 28, com exclusividade no Cinépolis VIP do Shopping Iguatemi em Ribeirão Preto. O Filme é adaptação do livro para o cinema e dirigido por Jayme Monjardim com Dan Stulbach, Cesar Troncoso e Thiago Mendonça no elenco. A estreia será no dia 8 de dezembro. 


O elenco, o escritor, a produção e o diretor do filme estiveram presentes na noite de pré-estreia e contaram um pouco como o ator se contamina com o trabalho, sobre entretenimento, expectativas e também dos desafios de se transpor a complexidade de uma obra escrita para as telas. 

Eu, minha mãe e o lindo do Dan Stulbach
O diretor Jayme Monjardim dissertou que o mundo agora é conteúdo e que as pessoas deixam de trabalhar menos e se divertem mais e um dos grandes negócios que tem por aí é entretenimento.  “Aqui tem dez anos de histórias. O seriado e a televisão tem uma penetração profunda ainda mais onde a T.V. no brasil no dia-a-dia é enraizada nas nossas culturas como almoçar, jantar e ver televisão. O trabalho do Augusto tem um leque gigante de possibilidades de você transformar desde obras infantis, desde obras como “O Vendedor de Sonhos” e desde obras como “O Homem mais inteligente”.

Um pouco tremida, com o fantástico Augusto Cury
O escritor Augusto Cury titulou Monjardim como um "artesão da imagem" e revelou que nunca escreveu para fazer sucesso, mas sim para contribuir com a humanidade. Que todo leitor constrói suas personagens, ambientes e circunstâncias então levar um livro para o cinema é um desafio muito grande. 

O Jornalista Wilson Rocha perguntou sobre a possibilidade de algum projeto em tornar uma série em T.V. aberta para que um público maior tenha acesso as obras de Augusto Cury que respondeu:

“Existe sim. Nós inauguramos no meu Instituto e Departamento de Cinema e seriados, por que o cinema em uma hora e quarenta para transpor a complexidade de uma obra ele acaba penalizando a obra de um certo sentido. E por isso que trabalhamos também várias anos no roteiro, mas um seriado poderia transpor tanto a enredamento da emoção, as citações sócio emocionais, a identidade dos personagens de maneira mais aberta e isso poderia democratizar o acesso a essas ferramentas todas que estou dizendo.

Pra fechar o bate-papo Dan Stulbach refletiu sobre o filme, a sociedade e arte de atuar: “O tempo inteiro somos submetidos a excesso de barulho, excesso de informação, excesso de imagens, excesso de notícias. Vamos ficando cada vez mais endurecido, cada vez mais cínico. O meu trabalho me remete de volta a um tipo de essência a qual eu quero viver sempre, mas nem sempre consigo. Quando tenho uma emoção para trabalhar em cena eu me sinto muito, às vezes, mais pleno que na vida. Me sinto menos cínico, mais entregue, mas emotivo, mais amoroso, mais receptivo. O que esse filme trouxe para minha vida é me contaminar de emoção, me contaminar de verdade no sentido de permitir-me ser que eu sou sempre e acreditar que o meu trabalho possa verdadeiramente dizer isto as pessoas, ou seja, não resgatou pois acredito sempre no meu trabalho, mas reforçou o motivo por qual eu escolhi fazer o que eu faço.” 

Quem quiser conferir a abertura da cabine de imprensa e um pouquinho da conversa com os jornalistas pode assistir ao vídeo do nosso canal que vou deixar aqui embaixo:


O filme conta a história do renomado psicólogo Julio César Lambert (Dan Stulbach). Ele surta e está prestes a se jogar do 21º andar de um prédio. Policiais e um psiquiatra fazem de tudo pra ele desistir dessa ideia. Não tem jeito, ele não quer mais viver, está desiludido com a vida. Um maltrapilho, senhor de meia idade, e repleto de ousadia, intitulado “Mestre”, está passando no local e vai até Julio César. Com seus atos e palavras “Mestre” se titula “um Vendedor de sonhos” e consegue fazer o renomado psicólogo não cometer suicídio. 



“Eu sou do time dos malucos. Eu sou um vendedor de sonhos.”


“Na realidade todos somos traidores. Traímos nossos sonhos, finais de semana, férias e o mais importante: traímos o tempo que jogamos fora quando deveríamos estar ao lado de quem amamos.”

Sonhos rendem altos preços e riscos... Foi no contexto da tristeza que Julio conheceu o incrível Mestre que mudaria por completo os rumos da sua vida. Julio passa a seguir Mestre e Boquinha de Mel num sonho de recomeçar em uma jornada para levar ajuda e esperança aos desesperados pela cidade onde uma grande lição tentará salvar a todos. 


 “O segredo do sucesso é conquistar aquilo que o dinheiro não pode comprar."

Simplesmente amei essa emocionante e incrível história que instiga e nos faz pensar e sentir. A história é a mesma do livro, mas com algumas revelações em diferentes tempos para conseguir explicar algumas coisas eu acho que no filme teve que ser diferente. Não posso contar o que é para não dar spoiler nem a leitores e próximos espectadores, mas é basicamente um homem que usou do anonimato pra esconder sua verdadeira identidade, só posso dizer isso. 

“E pros suicidas, o que é você vende?
-Uma vírgula. Uma pequena vírgula pra que continuem escrevendo sua história mesmo quando o mundo desaba sobre eles.”

O filme é repleto de frases que tocam a alma, o coração e a razão. Você sai do cinema com a mesma ressaca que tem depois de ler o livro, refletindo em muitas coisas pessoais. 

“Os suicidas não querem se matar – querem matar sua dor.”

Gostei muito da atuação dos atores, achei que conseguiram me passar a dificuldade que deve ser interpretar personagens com uma carga psicológica grande extraídas de um livro cheio de emoções. 

“Eu respeito sua dor. Ela é a única coisa que você consegue sentir agora.”

Leiam o livro, mas com certeza mergulhem nessa maravilhosa produção de LG Tubaldini Jr., André Skaf, Heloisa Rezende e Valéria Amorim com direção de Jayme Monjardim e descubram os segredos do Vendedor de Sonhos. Uma história sobre capacidade de superação e autoestima que mostra que vale a pena viver a vida, mesmo quando o mundo desaba sobre nós.

“Não posso voltar o tempo, mas posso recomeçar."


Trailer


Ficha Técnica:
Elenco: César Troncoso, Dan Stulbach, Thiago Mendonça, Kaik Pereira, Leonardo Medeiros, Guilherme Prates, Malu Valle
Direção: Jayme Monjardim
Roteiro: LG Baião com colaboração de Augusto Cury
Direção de Fotografia: Nonato Estrela
Direção de Arte: Lara Tauz
Montagem: Gustavo Giani
Produção: LG Tubaldini e André Skaf
Produção Executiva: Heloisa Rezende e Valéria Amorim
Distribuição: Warner Bros. Pictures e Fox Film do Brasil
Figurino: Rô Nascimento e Diana Leste
Maquiagem: Marlene Moura
Som: Jorge Saldanha
Trilha Sonora: Alexandre Guerra
Produção de Elenco : Marcela Altberg
Preparação de elenco: Patrícia Carvalho-Oliveira



segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Escritora e Atriz de "Fallen" estarão na Comic Con Experience 2016



Além de Lauren Kate, autora da série Fallen, a atriz Addison Timlin, que será protagonista na adaptação, estarão na Comic Con Experience 2016!

A atriz, que interpreta Lucinda Price, estará presente no painel da H2O Films no domingo, dia 4/12, ao lado da autora para falarem sobre a carreira e a tão esperada adaptação Fallen para o cinema que tem estreia marcada para o dia 8 de dezembro.



A série de livros foi publicada pela Galera Record no Brasil. Os livros de romance e mistério sobre anjos contam a história de Lucinda Price, uma garota que é mandada para um reformatório, tida como piromaníaca.


sexta-feira, 25 de novembro de 2016

RESENHA: "Três vezes nós", Laura Barnett

Por Francine Estevão

Título: Três vezes nós
Autora: Laura Barnett
Editora: Novo Conceito
Páginas: 384

Sinopse: Uma jovem mulher com uma bicicleta quebrada após desviar de um cão. Um homem que ela poderia facilmente ter deixado passar, sem parar, levando consigo uma vida inteira, uma vida que poderia nunca ter sido dela. Eva Edelstein está no segundo ano do curso de Inglês na Universidade de Cambridge. Ela namora David Katz, estudante e aspirante a ator. A vida de Eva parece bem encaminhada, quando, no campus da universidade, ela conhece acidentalmente Jim Taylor, estudante frustrado de direito. Há três versões, três realidades diferentes para o futuro de Eva e Jim, dos anos 1950 até os dias atuais. Se o nosso futuro é uma encruzilhada, gostaríamos de saber qual caminho seguir? E depois, ficaríamos felizes com a nossa escolha? Três vidas. Três histórias. Três destinos... permeados com traições e ambições, mas também com amor e arte. Três vezes nós explora a ideia de que há momentos em nossas vidas que poderiam ter sido diferentes e como pequenos fatos ou decisões que tomamos podem determinar o rumo da nossa vida para sempre.

A proposta do livro é interessante. Afinal todos nós já nos questionamos em algum momento o que teria sido de nos se tivéssemos feito algo diferente, seguido um outro caminho, optado por B em vez de A. No entanto, a história em si - que começa com um pneu furado e se desenrola com três possíveis versões dali em diante - deixa a desejar.

Eva e Jim se cruzam pela primeira vez quando um prego entra no pneu da bicicleta dela. Aquela ocasião poderia se desdobrar de três formas: eles se apaixonam e ficam juntos, eles se apaixonam e começam um romance, mas não podem ficar juntos porque Eva tem namorado e algo vai acontecer e fazer com que ela escolha ficar com o namorado, ou eles simplesmente seguem cada um sua vida individualmente.

Mais uma vez eu repito: a proposta é ótima e foi isso que me fez querer ler “Três vezes nós”. É interessante ver como quando algo tem que acontecer, acontece mesmo de uma forma ou de outra. Tudo aquilo que tem que ser encontra o seu caminho.

No entanto, achei a narrativa mal engajada e se torna um pouco confusa, fazendo com que os capítulos sejam bem maçantes. Eu até pensei em desistir várias vezes, mas fui até o fim agarrada a alguma esperança de mudança. Um enredo com grande potencial, mas mal desenvolvido, infelizmente.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

E-book "Antes que o verão acabe" na Black Friday

A Black Friday está enlouquecendo muitos leitores com suas promoções. E não está sendo diferente com o e-book "Antes que o verão acabe" da autora nacional Roh Dover. O livro está DE GRAÇA na Amazon de hoje até sábado (26/11). Então corre pro site clicando aqui pra adquirir seu exemplar e conhecer Brígida, Daniel Vítor <3


Brígida, Daniel e Vitor se conheceram em um verão quando crianças. Juntos formaram um trio inseparável durante anos e se não fosse pela antiga amizade, Brígida e Daniel até fariam um casal que teria tudo para dar certo. Porém, o forte laço se rompe quando Brígida, sem dar motivos, foge para o exterior. Após oito anos, Brígida ainda carrega o segredo que a levou embora, mas volta para seus grandes amigos com esperança de reparar os erros do passado. Nem todos os corações estarão preparados para perdoá-la e agora ela precisa se resolver com todas as palavras não ditas antes que o verão acabe. 




"O que dizer de Bri, Dani e Vitor? Sim, eles são tão íntimos, pois é assim que a autora consegue defini-los ao leitor. Presenciamos uma escrita tão cheia de consonância e sinestesias que de repente nos pegamos devorando situações, frases e capítulos e nos sentimentos dentro da história. Ao mergulhar em "Antes que o Verão Acabe" eu pensei: todos precisam conhecer essa história! TODOS! Ao final você fica com a sensação de que as personagens continuam vivas, nas páginas ou na imaginação. Um livro que merece ser lido por todos. E relido. E relido. E relido...Amo!" 


"O texto é bem escrito e a trama é cheia de intriga, segredos, palavras não ditas, equívocos.
Mas também tem muito amor, amizade, sensualidade.
É um bom livro do tipo "sessão da tarde". Cumpre o propósito de entreterimento leve, num desenvolvimento textual organizadinho, amarradinho e bem legal." 

A escrita de R. Dover é totalmente envolvente. A narrativa em terceira pessoa nos permite acompanhar cada personagem sem ficar preso a apenas um ou dois, de maneira que sabemos tudo o que se passa. O ritmo da leitura não se perde no meio do caminho e o leitor só tem vontade de ler mais e mais. Em nenhum momento eu tinha vontade de parar e, quando tinha que parar, ficava pensando na história, analisando os fatos e pensando no que viria a seguir. Uma das coisas que mais gostei é que o livro é dividido entre a infância, adolescência e juventude dos personagens, mas tudo isso em flashbacks. Enquanto acompanhamos eles já adultos, depois da volta de Brí, acompanhamos também o que aconteceu até que eles chegassem até ali e isso, sem dúvidas, torna a leitura ainda mais dinâmica.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

RESENHA O Código Da Vinci (Edição Especial Para Jovens) de Dan Brown

Título: O Código Da Vinci (Edição Especial Para Jovens)
Título Original: The Da Vinci Code
Autor: Dan Brown
Editora: Arqueiro
Páginas: 312
Sinopse: Um assassinato dentro do Museu do Louvre traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo.
Com a ajuda da criptógrafa Sophie Neveu, o professor de Simbologia Robert Langdon segue pistas ocultas nas obras de Leonardo Da Vinci e se debruça sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental – do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal.
Mesclando os ingredientes de um envolvente suspense com informações sobre obras de arte, documentos e rituais secretos, O Código Da Vinci consagrou Dan Brown como um dos autores mais brilhantes da atualidade e agora chega em nova versão, especialmente preparada para o público jovem, com fotos coloridas que enriquecem ainda mais o livro.


"- Os livros todos não podem competir com séculos de história já estabelecida, principalmente quando essa história é endossada pelo liro mais vendido de todos os tempos. 
Faukman arregalou os olhos: - Não me diga que Harry Potter também fala do Santo Graal!
- Eu estava me referindo à Bíblia.
Faukman ficou encabulado: - Eu sabia."

O ano era 2006, ual! Dez anos atrás... O código DaVinci era lançado em livro e o filme logo estaria nos cinemas e consagraria Dan Brown. Falei tanto do livro e do filme pras pessoas que meu amigo me deu o livro. Engoli 400 páginas em um dia! Meu amigo meu me presenteou com a versão Ilustrada e eu fiquei encantada com cada imagem e explicação que lia e com muita vontade de poder frequentar aqueles lugares que o livro exibia. Este ano tive a oportunidade de conhecer a França e passar por alguns lugares citados no livro e achei o máximo. Melhor: a Editora Arqueiro relançou o livro com uma capa mais chamativa (pra mim) com o Críptex, eu sonho em ter um trem daquele, e com essa versão “mais leve para jovens” que acaba sendo maravilhosa e muito parecida com a antiga, quase não vi diferença. Essa nova versão não é a ilustrada, mas você também encontra imagens dos lugares onde o livro se passa e explicações bacanas.

 "Os homens fazem muito mais para evitar o que temem do que para obter o que desejam."

Esse livro causou e causa até hoje... seria a história contada na Bíblia realmente confiável e verdadeira e completa? A maioria de nós já ouviu falar milhares de histórias e teorias sobre a bíblia e as teorias do código da Vinci. É preciso ter mente aberta para ler este livro que traz muitas questões importantes sobre a igreja cristã, paganismo e Deuses.

Ao terminar a leitura você vai notar que Dan Brown deixa claro aos leitores através de suas palavras que ele não quer destruir o cristianismo como muitos pensam ao lerem que “Jesus pode ter tido um filho”, informações reprimidas da igrejas, teorias e etc. A fé e o crer é muito individual de cada um e eu reforço que é preciso ler de mente aberta.

"A vida é cheia de segredos, e não se pode aprender todos de uma só vez!"

O Professor Americano de Simbologia, Robert Langdon,  é despertado por um telefonema no meio da noite: O curador do Louvre Jacques Saunière foi assassinado dentro do museu e seu corpo foi encontrado deitado nu em uma poça de sangue, braços e pernas dispostos à moda do Homem Vitruviano de Da Vinci, coberto de símbolos estranhos. O pobre curador foi assassinado por Silas, um monge albino que pertence ao Opus Dei e está seguindo os comandos de um homem que ele conhece apenas como o Professor e que está em busca de uma "chave" que pode levar ao Santo Graal.

"Sangreal… Sang Real… Santo Graal.
Tudo se entrelaçava."

Langdon entende que antes de ser assassinado, Saunière escreveu uma mensagem em seu próprio sangue: “Obs, encontre Robert Lagdon”. Os códigos enigmáticos e as mensagens escondidas na última mensagem de Saunière levam os dois a uma caixa de depósito seguro do ramo parisiense do Banco Depositário de Zurique onde encontram uma caixa com a "chave", mas precisam de mais ajuda para encontrar o Santo Graal.

Enquanto Langdon e a criptóloga francesa (que também é a neta de Saunière), Sophie Neveu (minha personagem favorita), qualificam os peculiares enigmas vão ficando cada vez mais surpresos ao descobrirem rastros de pistas escondidas nas obras de Leonardo da Vinci.

"As pessoas quase nunca reparam no que esta bem debaixo de seu nariz."

Quem foi Jacques Sauniere e por que ele foi morto? Será que Langdon será capaz de encontrar o segredo do Santo Graal? Será que Sophie e Langdon sobreviverão à provação para decifrar e encontrar o que precisam?

Esse livro é daqueles que ou você ama ou odeia. Eu amei de primeira e recomendo pra todos que curtem mistérios e ação. Não vejo o livro como muitos veem como uma acusação da Igreja Católica em particular, mas Brown critica o extremismo religioso e a religião interferindo no processo político. Pra mim, Dan Brown está contando uma história que precisa ser contada. Acredito em algumas coisas que são ditas ficção, acredito com verdade.  Um dos meus livros favoritos.  

"A única coisa que realmente importa é o que você acredita."