segunda-feira, 20 de junho de 2016

FEIRA DO LIVRO Pedro Bandeira e o encerramento da Feira do Livro de Ribeirão Preto

Sexta-feira foi dia de ganhar abraço do maravilhoso Pedro Bandeira! Eu já havia o encontrado andando em outras edições da Feira do Livro de Ribeirão, mas neste ano quis autografar o livro e ganhar mais um abraço. 

Pedro abriu o salão de ideias falando que aprendeu a ler e escrever aos sete anos de idade e desde então nunca mais parou: " Enquanto eu viver vou escrever. Eu não sabia, mas estava destinado a inventar e contar histórias."

O escritor brasileiro de livros infantojuvenis já recebeu vários prêmios, como o Prêmio APCA, da Associação Paulista de Críticos de Arte, e o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, entre outros debateu sobre educação e arte - "A arte tem uma enorme responsabilidade, arte é educação" - e falou da necessidade de lermos e escrevermos e que precisamos mudar nosso padrão pro melhor, pra aquilo que queremos ser e revolucionarmos: "A solução do Brasil é todos serem educados e terem conhecimento e só se tem conhecimento se você ler. Sempre vai existir um texto para você ler."

Sempre com um jeito muito simples e descontraído Pedro encantou a todos com suas histórias e disse que vem mais novidade por aí em 2016.



Não consegui deixar de gravar algumas partes para compartilhar com vocês:


Achei muito bacana e bem organizada a Feira do Livro de Ribeirão Preto neste ano de 2016. Claro que a Feira dos livros, em si, não foi bacana por conta de mil problemas que a cidade de RP e o Brasil enfrentam. Não era pra eu ter comprado, mas sai de lá com um livro do Carpinejar ("Amor a Moda Antiga), um de Haicais de vários autores, "Sem Vista para o mar" da Carol Rodrigues, um "Harry Potter and Half-Blood Prince" que achei por R$15 e um M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O Pop Up (Sou apaixonada por esses livros infantis pop ups) da Editora Paullus "Arca de Noé. 


No último dia levei meus primos que estavam passeando por Ribeirão e eles encontraram livros que eram mais de cem reais pela metade do preço no estante "São Marcos", uma barraca de livros variados que se você achar encontra bastante coisas boas com preços bons. E acabou mais um ano de programações legais e culturais que curti por demais (saí até achando que faço Haicais ahahaha).

Felicidade do "Nerd" comprando um livro suuuper bacana (SQN hahahah)

Nesta 16ª edição, a Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto levantou como bandeira o tema Viva o escritor salve, salve o leitor! O fascinante mundo do romance, do conto, da crônica e da poesia. O evento aconteceu de 11 a 19 de junho e trouxe uma proposta fundamentada pela nova diretoria da Fundação do Livro e Leitura (instituição realizadora do evento): promover a formação do público leitor por meio de ação cultural que incentiva a aproximação com obras literárias. E deu certo: pela feira passaram cerca de 180 mil pessoas, alguns à procura dos escritores prediletos, outros por livros nas bancas de expositores e muitos interessados na diversificada programação do evento.

O público acostumado com uma quantidade maior de expositores dos últimos anos  foi surpreendido por uma Praça do Leitor mais receptiva e adequada para receber visitantes com o propósito da leitura. Desta vez, foi possível até fazer no local doações, trocas de livros e levar exemplares gratuitos para casa. No circuito de vendas de livros, a estrutura reuniu 35 estandes e 20 livreiros.
Segundo a presidente da Fundação, Adriana Silva, o objetivo inicial foi lançado à população da cidade e região e teve como pilar a democratização do acesso à cultura, à educação, à leitura e à participação social, por meio de mais de 250 atividades gratuitas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário