terça-feira, 6 de setembro de 2016

RESENHA: "O ano em que te conheci", Cecelia Ahern

Por Francine Estevão

Título: O ano em que te conheci
Autora: Cecelia Ahern
Páginas: 336
Editora: Novo Conceito

Sinopse: Bem-vindos ao mundo imperfeito de Jasmine e Matt. Vizinhos, eles não têm o menor interesse em tornarem-se amigos e nunca haviam se falado antes. Estavam sempre ocupados demais com suas carreiras para manter qualquer tipo de contato. Jasmine, mesmo sem nunca tê-lo encontrado, tem motivos para não suportar Matt. Ambos estão em uma licença forçada do trabalho e sofrendo com seus dramas familiares. Eles precisam de ajuda. Na véspera de Ano-Novo, os olhares de Jasmine e Matt se encontram de forma inusitada pela primeira vez. Eles têm muito tempo livre e precisam rever seus conceitos para poder seguir em frente. Conforme as estações do ano passam, uma amizade improvável lentamente começa a florescer. Uma história dramática, original e divertida como só Cecelia Ahern é capaz de escrever.


“O ano em que te conheci” é uma história bonita sobre amizade, transformação e paciência.
"Minha mudança não foi instantânea, e muitas vezes o ritmo lento da transformação pode ser doloroso, solitário, confuso, mas, mesmo sem que a gente perceba, acontece.”
Jasmine sempre foi muito ocupada. Tinha pouco tempo para outras atividades além do trabalho e de cuidar da irmã com Síndrome de Down. Até agora, quando ela foi demitida e ainda ficou presa a uma cláusula de que teria que passar um ano sem poder arrumar outro emprego.

A princípio, a falta de compromissos foi ótima para ela fazer coisas que nunca teve a oportunidade antes, mas então o excesso de tempo livre enquanto todas as pessoas se mantinham ocupadas com coisas úteis começou a incomodá-la, principalmente quando ela se deu conta de que estava atenta demais às atividades da vizinhança, especialmente do vizinho Matt, de quem ela não gostava nem um pouco, mesmo que nunca tivesse falado com ele antes.

Aos poucos, com o passar do tempo, que no livro é bem demarcado pelas estações do ano e pelo novo projeto de Jasmine de construir um jardim em frente de casa, ela vai se envolvendo no drama familiar e profissional de Matt, acaba se aproximando dele e dessa amizade pouco provável ela começa a reavaliar sua própria vida percebendo o quanto é apegada a conceitos que talvez a estejam mantendo presa a uma realidade que não faz mais parte do presente. Além disso, ela se dá conta de que nem sempre consegue as coisas que quer na hora que quer. Há um tempo para tudo, assim como em seu novo jardim. É preciso saber plantar e esperar.

Embora esse seja um livro menos denso do que outros da autora – nada de tragédias e choradeiras, aliás há bastante humor nos momentos entre Jasmine e Matt e alguns outros personagens –, como sempre ela nos deixa aquela pulguinha atrás da orelha para repensarmos nossa própria vida.

"Estamos constantemente evoluindo: eu acho que sempre soube disso, mas, porque eu sempre soube disso, eu tinha medo de parar, e é irônico que foi apenas quando parei de vez que mais evoluí.”


Um comentário:

  1. Cecelia sabe como tocar e conquistar por meio das palavras, o enredo me si não me atrai tanto, mas a reflexão que fica é perfeita
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir