quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Muita Julia Quinn em 2017!

A Editora Arqueiro vai lançar em fevereiro de 2017 a nova série de Julia Quinn em um box maravilhoso com os 4 livros de uma vez para pirar qualquer fã de romances de época!


Os leitores vão conhecer o Quarteto Smythe-Smith, o terrivelmente famoso e adoravelmente
desafinado grupo musical que conquistou os leitores antes mesmo que as cortinas se abrissem para ele.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

RESENHA The Kiss of Deception de Mary E. Pearson

Por Isabela Silva

Título: The Kiss of Deception
Título Original: The Kiss of Deception
Autora: Mary E. Pearson
Editora: DarkSide Books
Páginas: 406

Sinopse: Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro?
Quando se vê refugiada em um pequeno vilarejo distante o lugar perfeito para recomeçar ela procura ser uma pessoa comum, se estabelecendo como garçonete, e escondendo sua vida de realeza. O que Lia não sabe, ao conhecer dois misteriosos rapazes recém-chegados ao vilarejo, é que um deles é o príncipe que fora abandonado e está desesperadamente à sua procura, e o outro, um assassino frio e sedutor enviado para dar um fim à sua breve vida. Lia se encontrará perante traições e segredos que vão desvendar um novo mundo ao seu redor.
O romance de Mary E. Pearson evoca culturas do nosso mundo e as transpõe para a história de forma magnífica. Através de uma escrita apaixonante e uma convincente narrativa, o primeiro volume das Crônicas de Amor e Ódio é capaz de mudar a nossa concepção entre o bem e o mal e nos fazer repensar todos os estereótipos aos quais estamos condicionados. É um livro sobre a importância da autodescoberta, do amor, e como ele pode nos enganar. Às vezes, nossas mais belas lembranças são histórias distorcidas pelo tempo.

A força feminina é a grande estrela neste romance de Mary E. Pearson. Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas – menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro? 

O primeiro volume das Crônicas de Amor e Ódio evoca culturas do nosso mundo e as transpõe para a história de forma magnífica. Através de uma escrita apaixonante e uma convincente narrativa, o romance de Pearson é capaz de mudar a nossa concepção entre o bem e o mal e nos fazer repensar todos os estereótipos aos quais estamos condicionados. É um livro sobre a importância da autodescoberta, do amor e como ele pode nos enganar, e de uma protagonista em busca de sua liberdade e felicidade a qualquer custo. 

“Aquele era o dia em que mil sonhos morreriam e um único sonho nasceria” – princesa Lia 

Reescrevi essa resenha dez vezes, mas em todas elas eu dizia o quanto esse livro mexeu comigo, o quanto ele me transformou. Sim, me transformou, os livros tem a magia e o poder para fazer isso com um ser humano. Esse livro, eu diria que é um manual de instrução de como viver uma vida, como atingir metas e olhar as possibilidades que você tem em sua vida. É uma lição de como uma garota de apenas dezessete anos tem a capacidade de mudar o futuro dela e juntamente o de uma nação inteira. Esse livro é uma amostra de que viver pelos outros e para os outros não traz felicidade alguma e muito menos realizações, nem mesmo se você é da alta nobreza como Lia.  

A autora escreve pensando estar escrevendo um gênero, mas no fim, para algumas pessoas, é totalmente diferente. Senhora Mary E. Pearson, para mim a senhora escreveu um livro de autoajuda e não um romance. 

Eu tenho apenas vinte e um anos de idade e Lia (a personagem principal da história), apenas dezessete, mas Lia tem algo muito diferente de muitas pessoas: Coragem. Ela se absorveu de uma coragem que a controlou até o final do livro, uma coragem que, meus amigos, coloca muito homem marmanjo no chinelo.  

A coragem dessa garota é tanta que a faz, no meio da cerimônia de seu casamento arranjado com o príncipe de Dalbreck (a união representava a paz entre os reinos de Morrighan com Dalbreck), fugir com sua serva e fiel amiga Pauline, a coragem da amiga é equiparada à de Lia. Fugindo, cada uma em seu próprio cavalo, Lia, ou melhor dizendo Arabella Celestine Idris Jezilda, Primeira Filha da Casa de Morrighan, e Pauline encontram-se em uma Terra distante chamada Terravin, onde Pauline morara quando criança.  

Sabendo do repentino sumiço de Lia, o príncipe de Dalbreck cavalga atrás de sua futura esposa, para encontra-la e pedir para que ela explique-se com ele, mas, o que Lia, Pauline, o príncipe, Berdi (tia de Pauline que as recebera com tanto zelo e compaixão), Gwyneth (Uma mulher bela que trabalha para Berdi em sua estalagem, juntamente com Pauline e Lia), era que havia mais uma pessoa atrás de Lia, um assassino, um dos piores assassino de aluguel que poderiam contratar para matar a princesa.  
A trama toda começa com a chegada de Rafe e Kaden na estalagem onde Lia trabalhava. Deste momento em diante há uma guerra fria entre os dois, pois os dois se apaixonam por Lia, e, querendo ou não, Lia se sente atraída pelos dois. Mas o que Lia não sabe é que um dos dois é o príncipe e o outro é o assassino contratado para mata-la, ao contrario deles, que sabem muito bem quem Lia é, eles sabem que ela é uma Primeira Filha da Casa de Morrighan.  

Lia se mostra uma adulta, enfrentando medos, assassinos, ladrões, mortes de parentes próximos, (me esqueci de falar que ela possui três irmãos mais velhos), sequestros e por fim ser levada para um reino totalmente desconhecido, e distante de tudo que ela já tinha presenciado antes. Mas o que a motiva é seu foco e sua coragem de enfrentar a vida, de saber que no final tudo acabaria bem, ou não. Lia nunca perdeu a esperança, de saber que um dia, ela voltaria para casa e para os braços de seu amor. Por mais que ela tenha duvidado disso por alguns instantes, ela nunca deixou de acreditar que iria ver e sentir o amor verdadeiro outra vez.  

“Porque, sempre, desde o primeiro dia em que a vi, tenho ido dormir pensando em você e, todas as manhãs, quando acordo, meus primeiros pensamentos são sobre você.” 

A história de Lia e sua coragem não acabam neste livro, mas tenho certeza de que com apenas esse livro, você terá uma lição de vida que fará repensar em tudo que está fazendo e de como você está enfrentando seus problemas. 

 Lia irá te dar uma “lição de moral” nunca vista antes. 

“Talvez houvesse tantos tons de amor quanto existem tons de azul no céu”- Lia  

P.S: É muito difícil escrever sobre esse livro sem dar spoilers, muito difícil mesmo.  


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Lançamentos Janeiro Arqueiro e Sextante

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

RESENHA O feiticeiro de terramar de Ursula K Le Guin

Por Mariana Lucera

Título: O feiticeiro de terramar
Autora: Ursula K Le Guin
Editora: Arqueiro
Páginas: 175
Sinopse: Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem chamado Gavião. Este livro narra as aventuras de Ged, o menino que um dia se tornará essa lenda.
Ainda pequeno, o pastor órfão de mãe descobriu seus poderes e foi para uma escola de magos. Porém, deslumbrado com tudo o que a magia podia lhe proporcionar, Ged foi logo dominado pelo orgulho e a impaciência e, sem querer, libertou um grande mal, um monstro assustador que o levou a uma cruzada mortal pelos mares solitários.
Publicado originalmente em 1968, O feiticeiro de Terramar se tornou um clássico da literatura de fantasia. Ged é um predecessor em magia e rebeldia de Harry Potter. E Ursula K. Le Guin é uma referência para escritores do gênero como Patrick Rothfuss, Joe Abercrombie e Neil Gaiman.


O feiticeiro de Terramar não é um livro para ser lido com pressa. Apesar de conter poucas páginas, não é aquela leitura leve que você devora em uma tarde.

Digo isso porque, após as primeiras cinquenta páginas, percebei que a história do feiticeiro Geb era um daqueles livros que você deve ler com uma xícara de chá do lado. É o tipo de livro que esquenta o seu coração e faz você entender como pode ser bela a literatura fantástica, o romance de fantasia.

A autora consegue transformar uma história que a priori deveria ser para crianças, também para adultos, mesclando magia e a dura realidade de termos de lidar com nossos atos, escolhas e erros.

Desde início acompanhamos o Gavião em seu treinamento para se tornar um grande feiticeiro. Quando criança, ele era arrogante, ganancioso e cheio de defeitos e acaba liberando um grande mal no mundo no formato de uma sombra.

Depois de quase pagar com a própria vida e ficar marcado para sempre pela mácula que deixou transitar livremente por esse mundo, o rapaz aprende uma grande lição sobre humildade e começa a pensar e ponderar mais sobre seus atos.

Quando ele deixa as terras onde passou anos estudando e sai pelo mundo em busca de respostas e ações que um feiticeiro deve fazer para ajudar os outros, como a conversa que ele tem com o grande dragão da ilha de Pendor, você percebe toda a magia da construção da trama de Ursula K Le Guin.

Geb passa por um processo de crescimento tão extenso, que vai muito além das quase 200 páginas de leitura. Ele vive fugindo da sombra, sempre com um medo mortal de que ela o encontre e termine o que começou, no entanto, um dia ele percebe que precisa caçá-la e colocar ele mesmo um fim naquilo que começou lá atrás.

O desfecho não é apoteótico, ou cheio de batalhas, como estamos acostumados a ver nos livros do gênero, no entanto, ele satisfaz o leitor ao entregar a conclusão da jornada de Geb. Falando nisso, o livro não tem cenas de ação, são poucos momentos que podem ser considerados ação propriamente, e também não há reviravoltas na trama, ela segue uma calma sequência, diferente do que estamos acostumados a ler por aqui.

Dizem que esse é o prelúdio do Ciclo de Terramar, a série de Ursula K. Le Guin, sendo assim, nos resta esperar o que virá a seguir. Certamente serão livros cheios de cuidado e esmero para contar não uma aventura, mas uma história profunda sobre os fundamentos da magia.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Playlist do Livro "As cordas mágicas" no Spotify


Um violão e seis cordas mágicas. 

Uma corda de seu violão fica azul cada vez que uma vida é alterada. 

Vocês precisam conhecer a linda história de Francisco Presto que tem playlist no Spotify! 

Adquira o livro aqui e ouça a playlist aqui. Boa leitura!

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Editora Novo Conceito lança suspense nacional de Manuela Titoto

A Editora Novo Conceito acaba de lançar na Amazon o livro "A Tempestade" da autora Nacional Manuela Titoto. O selo é Novas Páginas e a capa me deixou intrigada, quero muito ler. O livro encontra-se em plataforma digital e já pode ser adquirido clicando AQUI.

Confiram a sinopse e a capa:


Estar presa num caixão invoca os medos mais primitivos do ser humano. É uma desgraça que recorre às angústias viscerais, pelo simples fato de você estar ali, confinado em um espaço limitado, apenas esperando a morte aparecer para tomar o seu corpo. É o extremo terror, do qual as pessoas não gostam nem de falar a respeito, que toma conta não apenas do físico, mas do psicológico. Eu não esperava que fosse acontecer comigo. Acho que ninguém espera, mas minha história começa assim. Um thriller cheio de tensão e segredos, que mostra como relações familiares nunca são rompidas, não importa quanto tempo passe.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

RESENHA Sem Filtro de Marcela Tavares

Por Isabela Silva

Título: Sem Filtro
Autora: Marcela Tavares
Páginas: 144  
Editora: Novo Conceito 

Sinopse: A atriz Marcela Tavares não pediu para ser uma das vozes mais ouvidas da internet. Ela não entrou na fila dos youtubers, não foi lançada por algum famoso e nem fez promessa para conseguir o sucesso a todo custo. Ela apenas ligou a câmera, falou com liberdade e muito bom humor o que vinha à cabeça, e, em menos de seis meses, sua página no Facebook já era uma das mais acessadas da internet brasileira. O quadro “;Marcela Sem Filtro”;, conhecido por pessoas de todas as idades e classes sociais, tornou-se um grito de longo alcance, representando a voz de muitos brasileiros e até mesmo espectadores de outras nacionalidades. E agora, com mais humor do que nunca, no livro que está em suas mãos. Numa época em que dizer o que se pensa torna-se quase um crime inafiançável, a pequena genial, armada apenas com um celular e grandes olhos verdes, faz a cada semana uma verdadeira revolução nas redes sociais.

“Então, fica um conselho: não olhe para os números antes de gravar. Olhe apenas o fundinho da sua consciência, da sua vontade, da sua verdade e do seu conhecimento para encontrar o tema que você realmente quer gravar. Não adianta pegar uma prancha e seguir a mesma onda do campeão mundial de surf, é necessário primeiro saber se você consegue surfar nessa onda e ficar de pé, se manter no mar sem morrer afogado.”

Olá galeraaaa, tudo certo com vocês? Que bom... 

Eu fiquei refletindo sobre esse livro a mais de um mês, e sinceramente (ALERTA DE OPINIÃO PRÓPRIA AQUI) não gostei nada das minhas reflexões (hahahaha). 

Quem nunca “esbarrou” com os vídeos da Marcela Tavares em sua timeline no facebook? Mas espera um pouco ai Isa, quem é essa? Aquela, gente, dos olhos arregalados que fala pra caramba a maioria das palavras são palavrões. Uma jovem de personalidade forte e opiniões expressivas - chegou até a ser vaiada em um show em Nova York ao falar sobre desemprego no país. Mas Marcela Tavares é arrojada e não liga para opiniões sobre ela. Se jogou de cara no youtube buscando uma maneira de expor seu trabalho. Lembrou? Pois bem, após fazer sucesso como vlogueira ela lançou o livro “Sem Filtro”. 


Em seu livro Marcela relata a trajetória e experiências que adquiriu com o “boom” nas redes sociais, conta como foi sair do anonimato e ser uma das vozes mais ouvida do Brasil. Seu livro tem um misto de histórias de sua vida, respostas para os haters, e fotos suas em varias poses, caras e bocas. 

Com diversas expressões atuais para quem está acostumado com a linguagem de mídias sociais o livro acaba parecendo não muito sério e fica sendo somente um relato sem muitos impactos. Marcela 

Diria que este livro é um relato sobre sua fama passageira e como ela conseguiu atingir isso. Mesmo que a fama e o reconhecimento nunca foram seu alvo. 

Isso é tudo pessoas, até a próxima. 

“Nem todo mundo admira a verdade. Nem todo mundo é real. Nem todo mundo vai amar, você por ser original. Nem todo mundo é todo mundo como você gostaria que fosse.”

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Hora do Desconto #Arqueiro Saraiva!


Genteeee! Corre que a Saraiva Online está com uma mega promoção de cair o queixo! Tem Julia Quinn, Lisa Kleypas e muito mais com um descontão super favorável para o Natal! Aproveitem! 

Acesse clicando AQUI!



#EuLeioArqueiro

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Lauren Kate e Addison Timlin na Comic Con e Pré-Estreia de Fallen


A escritora da serie Fallen, Lauren Kate, participou de um bate papo com a atriz Addison Timlin no dia 4 de dezembro na Comic Con e ambas participaram de sessões de fotos e autógrafos com os fãs.

Fallen conta a história de Lucinda Price, uma adolescente de 17 anos que se apaixona por Daniel Grigori, um anjo caído. O filme chega em breve, dia 29 de dezembro, nos cinemas. 

Na Comic autora e atriz responderam perguntas sobre os livros e o filme, falaram de sagas famosas e como foi o processo de escrita e preparação das personagens no processo de atuação.


Infelizmente não pudemos comparecer a pré-estreia do filme que aconteceu ontem no Rio de Janeiro, mas o site Observatório do Cinema fez uma entrevista bacana que achei legal compartilhar com vocês:

OC: Qual sua expectativa em relação a recepção do filme por parte dos brasileiros?
Lauren Kate: Honestamente, minha expectativa está muito alta, pois eu conheço os leitores brasileiros há 7 anos, e eu sei o quão empolgados eles estão com o livro e agora com o filme. Eles têm mostrado muito entusiasmo. Eu espero que eles assistam ao filme, ame-o e falem para os amigos fazerem o mesmo. Têm sido muito divertido o tempo que estamos passando aqui conhecendo os fãs e promovendo o filme, estamos muitos empolgados.

Como foi o trabalho com o diretor do filme?
Não poderia ser melhor. Scott [Hicks] foi um grande presente para a produção desse filme, ele tinha uma visão muito clara do que fazer, e combinado tão de perto com a minha visão do romance. Foi um processo com uma forma muito inteligente e sofisticada.

Qual foi seu grau de participação no roteiro do filme?
Eu estava envolvida como produtora executiva, então passei muito tempo conversando com os produtores e com os roteiristas sobre o que importa para os fãs e o que importa para a série. Demorou muito tempo para fazer o roteiro, acho que chegamos lá quando começamos a nos concentrar principalmente na história de amor. Porque era disso que se tratava. Mas eu fiquei muito contente em colocar bastante da minha visão no filme, baseada no que conheço dos leitores do livro.

Lauren terminou a entrevista deixando uma mensagem para os leitores do OC:
Eu só tenho a dizer muito obrigado, eu realmente sinto o amor de vocês, e ainda mais forte quando estou aqui no Brasil. Eu estou tão grata com o todo esse apoio, vocês são uma das grandes razões para esse filme sair, muito obrigada.

Addison, você leu o livro antes de saber que faria o papel ou depois?
Eu não li o livro antes de saber que o papel seria meu. Primeiro eu li o roteiro adaptado e tive uma reunião com Scott Hicks, que é o nosso diretor, e após outras reuniões, Jeremy e eu nos encontramos e lemos juntos. Tiveram muitas reviravoltas antes da Luci ser dada para mim, então eu não queria ler os livros pois pensei que seria muito triste caso não acabasse conquistando o papel durante o processo, então eu esperei até conseguir antes de começarmos a gravar.

Já houve algum tipo de comparação do seu papel com a personagem de Kristen Stewart no Crepúsculo?
Sim, eu acho que é fácil de se comparar os filmes e os livros, mas creio que a história e os personagens são bem diferentes. Eu acho que Kristen é uma atriz fascinante e o papel dela como Bella Swan é maravilhoso, mas eu não acho nossas personagens tão similares. Mesmo assim fico feliz com essa comparação e espero que Fallen faça sucesso tanto quanto Crepúsculo fez, seria muito bom.

Addison também deixou uma mensagem para os fãs brasileiros:
Eu só queria dizer obrigado por todo apoio, espero que vocês amem o filme assim como o livro. Estou muito feliz por estar aqui, obrigada.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

RESENHA: "O primeiro dia do resto da nossa vida", Kate Eberlen

Por Francine Estevão

Título: O primeiro dia do resto da nossa vida
Autora: Kate Eberlen
Editora: Arqueiro
Páginas: 432

Sinopse: Tess e Gus foram feitos um para o outro. Só que eles não se encontraram ainda. E pode ser que nunca se encontrem... Tess sonha em ir para a universidade. Gus mal pode esperar para fugir do controle da família e descobrir sozinho o que realmente quer ser. Por um dia, nas férias, os caminhos desses dois jovens de 18 anos se cruzam antes que os dois retornem para casa e vejam que a vida nem sempre acontece como o planejado. Ao longo dos dezesseis anos seguintes, traçando rumos diferentes, cada um vai descobrir os prazeres da juventude, enfrentar problemas familiares e encarar as dificuldades da vida adulta. Separados pela distância e pelo destino, tudo indica que é impossível que um dia eles se conheçam de verdade... ou será que não? O Primeiro Dia do Resto da Nossa Vida narra duas trajetórias que se entrelaçam sem de fato se tocarem, fazendo o leitor se divertir, se emocionar e torcer o tempo todo por um encontro que pode nunca acontecer.

"O primeiro dia do resto da nossa vida" conta, paralelamente, a história de Tess e Gus entre 1997 e 2013. Os caminhos e descaminhos que ambos personagens percorrem em 16 anos de suas vidas repletas de acertos e erros, encontros e desencontros (mais desencontros do que encontros).

Acompanhamos suas vidas de perto nos mais diversificados aspectos que uma vida possa abranger: profissão, família, relacionamentos, amizades, desafios, conquistas, decepções, decisões... E com isso lemos uma história tão possível de ser real, a sua vida ou a minha, que por vezes esquecemos, durante a leitura, que se trata de uma ficção.

Um livro que nos leva a questionar sobre como as circunstâncias interferem em nosso destino (o que será que teria acontecido se...?) e que nos faz refletir sobre as coisas terem um momento certo para acontecerem em nossas vidas (será que teria sido a mesma coisa se tivesse acontecido quando eu achei que deveria?).

Os caminhos de Tess e Gus se cruzaram rapidamente pela primeira vez em 1997, na Itália, durante as férias. Ambos tinham planos ao voltar para casa, mas nem tudo saiu como esperado por motivos que nem sempre estão ao alcance do nosso controle. Afinal, na vida poucas são as coisas que podemos controlar de fato, não é mesmo?

Uma história bastante pé no chão e super gostosa de ler. Um romance com uma boa reflexão sobre a vida real em suas entrelinhas e que nos faz torcer e aguardar por um possível reencontro entre os personagens, que pode chegar a nunca acontecer.