terça-feira, 3 de janeiro de 2017

RESENHA: "O ano em que disse sim", Shonda Rhimes

Por Francine Estevão


Título: O ano em que disse sim
Título Original: Year of Yes
Autora: Shonda Rhimes
Editora: Best Seller
Páginas: 256

Sinopse: Um livro motivador da aclamada e premiada criadora e produtora executiva dos sucessos televisivos Grey’s Anatomy, Private Practice e Scandal, e produtora executiva de How to Get Away with Murder. Você nunca diz sim para nada. Foram essas seis palavras, ditas pela irmã de Shonda durante uma ceia de Ação de Graças, que levaram a autora a repensar a maneira como estava levando sua vida. Apesar da timidez e introversão, Shonda decidiu encarar o desafio de passar um ano dizendo “sim” para as oportunidades que surgiam. Os “sins” iam desde cuidar melhor de sua saúde até aceitar convites para participar de talk shows e discursos em público. Além disso, Shonda deu um difícil passo: dizer sim ao amor próprio e ao seu empoderamento. Em O Ano em que disse sim, Shonda Rhimes relata, com muito bom humor, os detalhes sobre sua vida pessoal, profissional e como mergulhar de cabeça no “Ano do Sim” transformou ambas e oferece ao leitor a motivação necessária para fazer o mesmo em sua vida.


Imagina sentar no bar do Joe (alô fãs de Grey's Anatomy!) ao fim do plantão no Grey Sloan Memorial Hospital e bater um papo regado à tequila com ninguém mais ninguém menos do que Shonda Rhimes. É assim que a criadora de Grey’s Anatomy, Scandal, How To Get Away With Murder e Private Practice nos faz sentir quando pegamos seu livro – “O ano em que disse sim” – para ler.

Um bate-papo informal e bastante revelador que ajuda a desmitificar a mulher por trás da Shondaland, a mais criativa fábrica de seriados (na minha humilde opinião). Afinal, apesar de ser uma pessoa brilhante, Shonda nunca saía da sua zona de conforto e procurava se manter dentro dos limites daquilo que a garantia certa segurança, daquilo em que ela sabia que era boa.

Ao longo das 256 páginas, em uma linguagem simples e coloquial, Shonda conta como mudou sua vida depois de ouvir sua irmã dizendo a ela “você nunca diz sim a nada”. Com isso, ela se colocou uma meta: dizer sim às coisas que a assustavam, como, por exemplo, dar entrevistas ao vivo, ir a festas ou até mesmo brincar com suas filhas. Inclusive, como dizer sim ao “não”.

Além de mostrar uma Shonda completamente humana, cheia de medos e fraquezas, o livro é um delicioso passeio pela transformação que ela passou quando começou a dizer sim em sua vida, sem floreios, mostrando os ganhos e as perdas desse processo.

E como não poderia deixar de ser, há também muito dos seus personagens no livro. Ela conta um pouco sobre seu processo criativo e seu encontro com o sucesso e mostra sua relação com suas "criaturas".

“O ano em que disse sim” fala sobre a vida de Shonda Rhimes, mas é um livro inspirador sobre autoconhecimento, autoaceitação, autenticidade e empoderamento e para muitos leitores vai ser inclusive um estímulo para sair da própria zona de conforto e um convite à transformação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário