segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

RESENHA O homem de São Petersburgo de Ken Follett

Por Isabela Silva 

Título: O homem de São Petersburgo
Autor: Ken Follett
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Sinopse: A história pode estar prestes a mudar. 1914: a Alemanha se prepara para a guerra e os Aliados começam a construir suas defesas. Ambos os lados precisam da Rússia, que enfrenta graves problemas internos e vive na iminência de uma revolução. Na Inglaterra, Winston Churchill arquiteta uma negociação secreta com o príncipe Aleksei Orlov, visando a um acordo com os russos. No entanto, o anarquista Feliks Kschessinsky, um homem sem nada a perder, está disposto a tudo para impedir que seu país envie milhões de rapazes para os campos de batalha de uma guerra que nem sequer compreendem. Para isso, ele se infiltra na Inglaterra com a intenção de assassinar o príncipe e, assim, frustrar a aliança entre russos e britânicos. Um mestre da manipulação, Feliks tem várias armas a seu dispor, mas precisa enfrentar toda a força policial inglesa, um brilhante e influente lorde e o próprio Winston Churchill. Esse poderio reunido conseguiria aniquilar qualquer homem no mundo – mas será capaz de deter o homem de São Petersburgo? Costurando com maestria a narrativa ficcional à colcha da História, mais uma vez Ken Follett fala sobre assuntos universais, como paixões perdidas e reencontradas, amores e traições, ao mesmo tempo que oferece uma visão precisa sobre os acontecimentos que mudaram o mundo para sempre.

O homem de São Petersburgo é um livro com uma narrativa longa, mas que nos prende e nos deixa fascinados para sabermos o final.

Enquanto a leitura fluía eu me perguntava diversas vezes “será que virará filme?”.  Deixo aqui meu desejo ao autor e produtoras de filmes: façam um filme desse livro!

Vou tentar ao máximo não soltar spoilers (o que foi muito difícil pra mim na hora de resenhar este livro). Assim que viramos as primeiras páginas, somos transportados para o ano de 1994, especificamente para a mansão Walden Hall, onde Stephen Walden morava com sua esposa Lydia e sua filha Charlotte.

A história começa com Walden recebendo a visita de um politico (esqueci de mencionar que Walden era um conde), para expor a proposta da Inglaterra tornar-se aliada com a Rússia. Lydia, esposa de Walden, era de naturalidade russa, e seu sobrinho Aleks Orlov era um almirante russo importantíssimo para a negociação.

Pois bem, acho que sua cabecinha já está começando a ter ideias. Sim, Orlov chega na Inglaterra algum tempo depois mas o que Walden e os outros não sabiam é que junto com Orlov chega também Feliks, um anarquista destemido e sem nada a perder, ele chegara na Inglaterra com um único desejo, matar Orlov, para que assim a Rússia seja livre da aliança que estava por fazer.

A trama toda começa quando, na saída de um baile onde a família Walden estava, Feliks tenta assaltar a carruagem e matar Orlov, mas sua tentativa é fracassada quando Lydia solta um sonoro grito, e junto com esse grito vem também lembranças de 19 anos, em São Petersburgo. Por consequência de sua recordações, Feliks é golpeado em seu ombro e em sua mão, dificultando a sua fuga, mas não o bastante para ser pego.

Os caminhos de Feliks, Lydia, Walden e Charlotte se cruzam inúmeras e inesperadas vezes até o fim do livro. Revelações e segredos de uma família perfeita são colocados a mostra quando o tal homem misterioso surge em Londres.

Drama, suspense, aventura são presentes o tempo todo neste livro, e você sempre terá a sensação de que tudo pode acontecer.

Obs: Feliks ensina fazer explosivos de nitroglicerina, achei muito legal, porem nunca tratar eu em casa, por conta de seus relatos enquanto fazia o explosivo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário