quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

RESENHA: série Percy Jackson e Os Olimpianos de Rick Riordan

Por Juliana Garzon

Livro 1
Título Original: Percy Jackson & the Olympians: The Lightning Thief
Título Nacional: Percy Jackson & os Olimpianos: O Ladrão de Raios
Tradução: Ricardo Gouveia
Ano de Lançamento: 2005
Número de Páginas:
385
Categoria:
Aventura/Fantasia
Editora: Intríseca



Livro 2
Título Original: Percy Jackson & the Olympians: The Sea of Monsters
Título Nacional: Percy Jackson & os Olimpianos: O Mar de Monstros
Tradução: Ricardo Gouveia
Ano de Lançamento: 2006
Número de Páginas:
285
Categoria:
Aventura/Fantasia
Editora: Intríseca



Livro 3
Título Original: Percy Jackson & the Olympians: The Titan's Curse
Título Nacional: Percy Jackson & os Olimpianos: A Maldição do Titã
Tradução: Raquel Zampil
Ano de Lançamento: 2007
Número de Páginas:
316
Categoria:
Aventura/Fantasia
Editora: Intríseca



Livro 4
Título Original: Percy Jackson & the Olympians: The Battle of the Labyrinth
Título Nacional: Percy Jackson & os Olimpianos: A Batalha do Labirinto
Tradução: Raquel Zampil
Ano de Lançamento: 2008
Número de Páginas:
367
Categoria:
Aventura/Fantasia
Editora: Intríseca



Livro 5
Título Original: Percy Jackson & the Olympians: The Last Olympian
Título Nacional: Percy Jackson & os Olimpianos: O Último Olimpiano
Tradução: Raquel Zampil
Ano de Lançamento: 2009
Número de Páginas:
383
Categoria:
Aventura/Fantasia
Editora: Intríseca




Classificação Geral: Excelente (5/5)

Sinopse: O autor conjuga lendas da mitologia grega com aventuras no século XXI. Nelas, os deuses do Olimpo continuam vivos, ainda se apaixonam por mortais e geram filhos metade deuses, metade humanos, como os heróis da Grécia antiga. Marcados pelo destino, eles dificilmente passam da adolescência. Poucos conseguem descobrir sua identidade.

O garoto-problema Percy Jackson é um deles. Tem experiências estranhas em que deuses e monstros mitológicos parecem saltar das páginas dos livros direto para a sua vida. Pior que isso: algumas dessas criaturas estão bastante irritadas. Um artefato precioso foi roubado do Monte Olimpo e Percy é o principal suspeito. Para restaurar a paz, ele e seus amigos - jovens heróis modernos - terão de fazer mais do que capturar o verdadeiro ladrão: precisam elucidar uma traição mais ameaçadora que a fúria dos deuses.


Resenha
A série começa com Perseu (Percy) Jackson com apenas 12 anos, quando ele descobre que são apenas é um semi-deus, um meio-sangue, mas também é herdeiro de um dos três filhos de Cronos, um dos deuses mais poderosos do Olimpo: Poseidon, o deus do Mar e dos terremotos. Só isso já seleciona o tipo de leitor. Se você: A) Não gosta de fantasia ou B) Não suportava quando estavam no capítulo do livro de história sobre o período helenístico, pode esquecer. O que significa que é exatamente o que eu amo. Mas pode também ser um prato cheio para quem quer se enveredar por algo diferente. 

Percy, que também é filho de uma mulher mortal, é enviado a um acampamento especial e secreto para pessoas como ele, cada um filho de algum deus da mitologia Grega. E deixe-me dizer, são muitos. Se você tem conhecimento sobre mitologia Grega a leitura fica um pouco mais instigante e até divertido, porque você acaba tentando aliar a “história” à trama de Rick Riordan. Se mal sabe quem foi Hércules, também não tem problema, porque Percy, que é disléxico, tem transtorno de déficit de atenção e é hiperativo, também não prestava muita atenção durante as aulas. 

No acampamento ele faz amizade com Annabeth, filha de Atena (deusa da Sabedoria) e também com o sátiro (metade menino, metade bode) Grover. Um trio composto por dois meninos (o Grover se disfarça) e uma menina super inteligente (filha de Atena, der) que se envolvem nas piores enrascadas já vistas no mundo mágico em que vivem. Ring any bells? Mas as semelhanças com Harry Potter param por aí. Honestamente, eu só me toquei nisso porque tive um sonho sobre isso (tenho sonhos extremamente criativos, tenho aqui amigas que não me deixam mentir). Aliás, Percy, e todos os outros semi-deuses, não têm sonhos, mas visões. Do futuro, do passado, ou até um canal de comunicação com alguém, deus ou espírito.

Enquanto está lendo os livros sabe que ele não vai morrer porque: A) ele é o protagonista e B) tem mais X livros com o nome dele no título, mas cheguei a imaginar os destinos mais negros para ele, porque simplesmente não dá para imaginar alguém saindo vivo de um duelo com um monstro que tem duas cobras no lugar das pernas. Mas ele consegue. E não sozinho, devo complementar. Sim, Percy Jackson (ou Peter Johnson (haha!), se você quiser chamá-lo como faz Dionísio- que cumpre punição determinada por Zeus e é o responsável pelo acampamento); é o herói, mas ele não faria nada sem não apenas os dois melhores amigos, mas também sem outros personagens menores que são igualmente necessários para sobrepor os desafios.

A escrita é divertida, criativa e inteligente. Para alguém que gosta do assunto é ainda mais estimulante, pois ficando imersa(o) nesse mundo por cinco livros é muito, digo MUITO fácil imaginar que tudo a sua volta tem a influência desses mesmos deuses. Sim, algumas religiões, guardadas as devidas proporções, acreditam justamente nisso. Mas é bom saber que Rick Riordan manteve as tradições, os deuses gregos continuam divinos e humanamente falhos. E eu desafio alguém a ler tudo isso e depois não correr para a internet e fazer o teste: “De Que Deus(a) você seria filho(a)?”. Hã...

My Results:


Poseidon - Deus dos Mares Ah, você se encaixa perfeitamente no perfil de uma cria de Poseidon...
Protege seus amigos, às vezes não tem muita atenção, mas mesmo assim, consegue ser um héroi, ou uma heroína...


Apenas tome cuidado quando encontrar uma cria de Atena, hehehe 


Mas quanto eu faço um teste do tipo “Qual Deusa você é?”, dá Atena. Vai entender... 

Enfim, eu poderia ficar aqui falando horas e horas sobre isso... AH! Você já viu o filme do Chris Columbus antes de ler o livro, como eu? Não tem problema. É muito diferente, sim, mas realmente a essência é a mesma. E como gostei do cast, nem me importei em imaginar os personagens de forma diferente enquanto lia- mesmo Annabeth, na “realidade” sendo loira e não morena com reflexos ruivos. No livro eles também não vão para Nashville visitar o Parthenon (o que eu ainda vou fazer) e eu fiquei triste. Também fiz biquinho quando o Aquiles, o poderoso filho de Peleu (que aliás, é nome de um dragão na série) e da ninfa Tétis, o maior e mais poderoso guerreiro grego, só apareceu no último livro e em duas páginas. DUAS páginas. Fazendo um adendo nada subjetivo e puramente analítico (aham, haha), ele merecia um papel mais interessante, já que potencial não falta. Mas eu não sou filha de Zeus, então não posso mandar Rick Riordan para o raio que o parta por causa disso.
 
5 minutos depois do texto finalizado...
   
AI MEU ZEEEEEUS! (ha, piadinha interna aqui) Só agora fui fuçar na internet e descobri que o filme do segundo livro vai sair em 2013. Eu ainda vou ter que esperar tudo isso?!?! Mas vai ter outro filme! Vou jogar um pouquinho de chocolate numa fogueira para Hermes, já que ele provavelmente levou minha mensagem ao 600º andar do Empire State Building.

     

Nenhum comentário:

Postar um comentário